Shri Buddha Puja, Birthday Puja of Lord Buddha

(England)


Send Feedback
Share

Shri Buddha puja. Brighton (UK), 26 May 1983.

Daquela vez, quando não havia chuva, nós fomos para o mar em Melbourne.

Eu disse que seria maravilhoso se fôssemos para Melbourne, e nós fomos para o mar e Eu fiz um Ganesha e eles fizeram um Shiva lá, e eles veneraram o… Então… e eles fizeram uma… Kundalini também lá, e depois eles oraram. E choveu e choveu e choveu, choveu torrencialmente, choveu aos cântaros, choveu aos cântaros, isso foi… Eu nunca vi tanta chuva antes, aos cântaros, choveu torrencialmente. E em um dia, 130 milímetros de chuvaem Sidney, vocês podem acreditar nisso? E o Puja aconteceu dentro, e fora… No Meu Aniversário, baldes e baldes de água. E havia uma seca, eles estavam tão apavorados. Yogi: Nós ouvimos falar que a tenda inteira caiu, Mãe, por causa de tanta chuva. Robert estava nos contando, Mãe. E os Sahaja Yogis… gostaram tanto disso, o modo como eles pregaram uma peça. E depois o rio inundou, e ele entrou em todos os bares e tudo mais, e a água arrastou tudo, trouxe isso… vejam, como se entrasse, lavasse todas as garrafas, tudo, e todas as garrafas estavam… algumas que estavam vazias ficaram flutuando, as de plástico estavam flutuando, e as outras afundaram. E tudo foi levado pelas águas e levado para dentro.

Mas elas entraram somente dentro dos bares. Então o jornal disse que a chuva foi tremenda, mas o rio teve muito discernimento. E também esse incêndio que irrompeu antes de Eu ir para Adelaide. Tinha um incêndio muito intenso em Adelaide… e o que eles descreveram foi isto… Você pode colocar isto lá? Este aqui, em cima disto deste jeito? E eles descreveram que o fogo também teve muito discernimento, e eles viram as bolas de fogo subindo as colinas… e entrando em algumas casas, evitando algumas casas. Algumas casas ficaram completamente queimadas, e algumas não ficaram. E aquelas pessoas que não sofreram vieram ao Meu programa e disseram: “Agora nós sabemos porque fomos salvos daquilo.” E elas podiam ver as bolas, vocês podem imaginar as bolas de fogo… vindo de algum lugar? Elas não sabem como as bolas foram formadas, e bolas enormes assim simplesmente estavam rolando morro acima. E elas puderam ver isso, bolas rolando morro acima, subindo, entrando nas casas desse jeito.

Eles simplesmente não conseguiam entender o que aconteceu com o fogo. Mas o melhor foi a lavagem dos bares. Porque normalmente, na margem do rio, eles têm todos esses bares. E foram arrastados pelas águas todos esses, o que vocês chamam… coisas usadas para, essas coisas que bronzeiam, eles têm esses… colchões, colchões de ar para tomar sol e tudo mais. E tudo foi lavado e levado para dentro. Eu realmente gostei muito disso. E os Sahaja Yogis estavam tão felizes com tudo isso, muito felizes. Eles Me perguntaram: “Por que Deus está zangado conosco…” “aqui em Adelaide?” E Adelaide é exatamente como Paris… para a Austrália, exatamente como Paris. Muito promíscua, todos os tipos de coisas obcenas acontecem lá, todos os tipos de coisas horríveis acontecem lá. É como Soho, entendem?

Foi Adelaide que foi escolhida pelo fogo, simplesmente foram queimados. Quando Eu fui ver as montanhas, onde aquilo tinha começado, tudo preto, todas as montanhas pretas, não havia nada lá, nada. Nenhuma folha, não havia uma única folha lá. E isso foi realmente surpreendente, essa casa estava queimada, aquela não estava queimada, essa casa estava queimada, aquela não estava queimada, Você podia ver isso tão claramente. E onde estava queimado, estava completamente queimado. Eu não sei como foram queimados até mesmo os tijolos e tudo mais, estava completamente carbonizado. É muito interessante a forma… como às vezes a natureza adia algo desagradável. Como quando Eu fui a Guntur, Eu disse àquelas pessoas: “Vocês não devem cultivar tabaco nunca mais.” Eles estavam exportando todo aquele tabaco… para a Inglaterra, vocês podem imaginar? E eles tinham um… na casa você podia encontrar… todos os seus azulejos ingleses e, o que vocês chamam, esses grandes chuveiros de estilo antigo, chuveiros tão grandes, você fica debaixo deles, então tudo fica totalmente… como uma chuva torrencial caindo em você. Tudo inglês.

E as banheiras que eles tinham, banheiras inglesas, tudo na casa, por exportar aquele tabaco para cá, entendem? Eu disse: “Vocês não deveriam fazer isso, não deveriam ter feito isso.” Então eles disseram: “Mas Mãe,” “nós estamos dando isso para os ingleses, não para os indianos.” Eu disse: “Ainda assim, não deveriam ter feito isso, é uma coisa errada.” (Falando com a criança) Você está cometendo o mesmo erro que Eu, Eu acho. Está certo, está certo. Então o que aconteceu é que… Eu falei, Eu simplesmente lhes falei: “Vocês não devem cultivar desse jeito, isso não é bom.” “E quer eles sejam ingleses ou indianos,” “vocês estão cometendo pecados.” “Vocês não devem fazer assim, por que vocês estão cultivando isto?” Eu disse: “Vocês podem cultivar um muito bom,” “o que vocês chamam, algodão aqui, igual ao algodão egípcio,” “vocês podem cultivar aqui, por que vocês querem fazer isto?” Algumas pessoas Me levaram a sério, alguns deles ficaram muito zangados. Quando Eu cheguei lá, cerca de 50 carros vieram Me receber. Mas quando estava indo embora, apenas duas ou três pessoas vieram Me ver, eles ficaram muito zangados por causa disso, Eu disse: “Agora,” “Eu os avisei que se vocês fizerem desse jeito,” “o mar está bem em frente e ele dará uma trégua.” “Ele ficará zangado com vocês, Me ouçam.” E eles estavam tão zangados Comigo, eles não vieram se despedir de Mim, porque Eu lhes falei aquilo. Agora, o que aconteceu é que no mesmo ano, houve um tufão que entrou em Guntur, isso nunca entrou lá. E tudo foi devastado, todas as plantações deles foram devastadas. Eles não podem mais cultivar, nunca mais cultivar tabaco lá. E nesse meio tempo, o governo da… Inglaterra parou a importação de tabaco daquele lugar.

Então foi um golpe duplo, um golpe duplo. Mas aqueles que começaram a cultivar algodão ficaram perfeitamente bem. Porque toda essa água salgada entrou no solo, então agora eles não podem plantar aquilo. E eles disseram que nunca tiveram esse tipo de experiência. Depois disso, eles vieram a Delhi e Me perguntaram: “Mãe, a Senhora deve vir novamente, sentimos muito pelo que fizemos.” Eu disse: “Agora, vejam, Eu não fiz nada, para ser bem franca.” “Nunca pensei em nenhuma destruição, mas vocês provocaram as coisas.” “Mas Eu lhes disse que o mar ficaria zangado.” Mas eles disseram: “Isso aconteceu tão rápido, Mãe.” Eu disse: “Não tão rápido, porque pelo menos…” “houve oito meses para vocês mudarem seus costumes.” Imaginem, simplesmente exportar aquele tabaco para vocês… e ter aquelas banheiras lá. Eles tem um tipo de complexo de inferioridade que… se eles viverem como os ingleses, tendo banheiras e coisas assim, então se tornam uma personalidade importante, mais elevada. Mas para isso, vender tabaco para os ingleses, imaginem só! Está tudo se expondo agora, vocês verão que tudo que Eu digo será exposto. Eu fiquei feliz em saber que houve… um programa sobre essas doenças horríveis… que são causadas por essa vida promíscua e tudo mais. Eu estou muito feliz.

Deixem as pessoas aprenderem agora. Eles costumavam zombar de Mim e dizer que Eu sou vitoriana, isso, aquilo. Agora, deixem eles aprenderem o que isso significa. Agora, todos estão bastante alertas. Vocês estavam Me contando, Eu acho… Ela Me contou que na Inglaterra há dez mil pessoas… que estão sofrendo dessas doenças. Vocês podem acreditar nisso? Dez mil pessoas. Enquanto que eles Me chamavam de “vitoriana”. Gavin chegou? Onde?

Como Eu digo: “Esse vai viver 100 anos”. Venha. Ele também está oferecendo as coisas do puja, aqui. Você pode tirar este papel. Agora, Eu acho que devemos colocar algum outro pano lá, algum tipo de… toalha velha ou algo assim, ou colocar uma das toalhas lá, de modo que esta parte seja mantida limpa. Eu não lhes dei um thali (prato) de prata, não é? Eu devo tê-lo dado a algum outro centro, Eu não sei. Daquela mesma loja de onde eles estavam dando, prata 100%, Eu comprei prata para o Puja. Eu não sei a quem Eu dei uma. Então, todos eles estão aqui?

Jane chegou? Ela chegou? Não? – Sim, ela está aqui, Mãe. – Onde ela está? Ela ainda está lá fora. Tudo bem. Chame todos eles para dentro agora. Você pode mover um pouco para frente, Eu acho. Mas, por que não colocar aqui alguma coisa apenas para manter isso…?

Já está chegando, Mãe. O pano já está chegando. (…) Vocês viram aquelas linhas? As linhas de energia. Imaginem só! Yogi: É muito interessante. Há muitos desses zodíacos que eles acharam aqui. – Linhas de zodíaco? – Sim, eles as acharam através… Estas linhas de energia formando o zodíaco? – Sim.

– Eu não sabia disso. Eu achei… Então quais são os signos do zodíaco? Quais estão lá? Todos os 12 signos. Todos os 12 estão lá? Em um círculo? Sim. E vocês descobriram isso com um ímã? Eu acho que ele achou muitos disso usando a vara. – Usando a vara?

– Sim, apenas com isto. Com isto? Ou eles acharam isso com um ímã? Ou eles acharam isso também traçando as linhas antigas… – das fronteiras. – Fronteiras do quê? Cursos d’água e as fronteiras entre os (…). -É isto? – Sim. Mas na verdade, veja, se você pegar um ímã, ele se inclinará neste ponto, entende? Se você seguir essa inclinação, então ela forma uma linha.

Esse é o melhor método científico. Usar a vara é também a mesma coisa que isto? O ímã, não é? E o ímã, quando ele… veja, em determinados pontos, as linhas magnéticas são fortes. Esse magnetismo é a essência da Mãe Terra, tudo bem? Na expressão, a fragrância é, mas a fragrância tem… o ímã nela, a fragrância surge do ímã. Agora, esse magnetismo da Mãe Terra estende-se em linhas. Vejam, ele não se estende… somente no ponto de fragrância, ele se estende por toda parte. Mas, pelo contrário, ele atua em linhas. E você pode descobrir essas linhas facilmente se você usar um ímã, um ímã poderoso, e mover esse ímã na Mãe Terra.

Você perceberá que ele começará a se inclinar. você o move e descobrirá agora que ele não está se inclinando lá, então você move para aquele lado, e a linha (…). É a maneira mais fácil, porque usar a vara poderia ser… coisa de bhoots às vezes, poderia ser. Mas você tem certeza que é feito com a vara (…)? Eu acho que eles usam todas as combinações de diferentes coisas. Com certeza, há este aqui que escreveu o livro (…). – Usando a vara? – Usando a vara como um dos métodos. Mas usar a vara pode ser desafiado pela ciência. Um mapeamento apropriado em Glastonbury, Mãe, foi feito por uma fotografia aérea.

Aquele em Glastonbury também foi descoberto… através de uma fotografia aérea. Você podia ver, se você quisesse, as fronteiras de campo e coisas assim. Como… a fotografia aérea? Como? Eles podiam ver que as fronteiras do campo… formaram um padrão e coisas assim. – Campo? – Sim São todas as antigas fronteiras entre diferentes partes. – As antigas? – Sim. Campos e estradas e cursos d’água e (…).

O Inconsciente deve estar construindo dessa maneira. E os povos antigos que viveram lá eram muito mais sensíveis, muito mais reativos ao Inconciente. Porque eles não eram tão artificiais. Mas quando nos tornamos artificiais, o que acontece é que… ficamos cobertos com tantas barreiras que não conseguimos, não somos sensíveis às ordens do Inconsciente. E quando você não consegue perceber as ordens do Inconsciente, você começa, novamente, a fazer deliberações, como Eu chamo isso. As deliberações os tiram dessa sensibilidade. Mas se você é uma pessoa natural e simples, então você é bastante sensível também. Você é muito sensível. Vocês podem vir para frente. Eu acho que vocês podem vir para frente agora.

Apenas venham para frente. Venham para frente, vocês podem. Venham. Venham para cá. Na verdade, as pessoas novas devem ficar na frente, aqueles que são de Brighton. Seria melhor, Eu acho. Venham para frente. Os de Brighton deveriam… As pessoas de Brighton devem vir para frente, Eu diria, tanto quanto. Gavin, venha para este lado, Eu acho que seria melhor. Porque você tem de… Agora.

Venham, sentem-se, sentem-se, sentem-se. É um (…). Você pode guardar isso deste lado. Quem mais está lá? Ainda tem alguém do lado de fora? Nick, se você puder… Há um… este… no outro lado de Nick também, algumas pessoas podem se sentar. Está um dia ensolarado muito agradável hoje, não é? A Senhora gostaria dessa janela ficar um pouco aberta, Mãe? – Aberta? – A Senhora gostaria que a janela… ficasse um pouco aberta, Mãe?

Eu acho que se você abrir aquela, é uma boa ideia. – Está aberta. – Está aberta? Tudo bem. Hoje é um grande dia para vir para Brighton, porque é o dia do Aniversário de Buddha. Hoje é o dia do Aniversário de Buddha, o Aniversário do Senhor Buddha. Todos vocês ouviram falar de Seu nascimento… e que Sua Mãe sonhou com um elefante, um enorme elefante branco, antes do nascimento de Buddha. E então foi profetizado: “Nascerá uma criança em sua família…” “que será ou um grande santo…” “ou um grande rei”, em Sânscrito é chamado “chakravarti”, significa… “Aquele que é o soberano do mundo inteiro”. Então o pai ficou preocupado, e ele achou que ele deveria envolver o filho… na vida familiar, na vida material… e Lhe dar todos os prazeres da vida. Então ele construiu um lugar muito especial para Ele, um belo palácio para viver.

E lá… ele O casou com uma moça chamada Yashodhara, que era uma mulher muito, muito bonita, Lhe deu todos os prazeres da vida, tudo que ele poderia fazer para atrair esse menino… para longe do ascetismo. Também, vocês conhecem a história Dele caminhando… um dia na estrada, o modo como Ele encontrou três tipos de pessoas, e como Ele sentiu: “Por que uma pessoa deveria ficar velha?”, “Por que uma pessoa deveria sofrer na vida?”, e “Por que as pessoas deveriam morrer?” Então todas essas três coisas colocaram uma indagação dentro Dele, e Ele começou a tentar entender… porque essas coisas acontecem aos seres humanos. Com isso, a indagação começou. Então… Ele chegou… a um ponto onde Ele não conseguia suportar mais os confortos… e todos os apegos… que foram emaranhados em volta Dele por Seu pai. Ele tinha um filho cujo nome era Rahul, e Ele deixou o filho e a esposa em busca da verdade. Agora, Ele partiu de uma conclusão errada, Eu devo dizer, pela busca da verdade, porque Ele queria saber… porque há sofrimentos nos seres humanos. E então Ele começou do coletivo em direção ao centro. Quando nós vemos as misérias em nossa volta – muitas pessoas viram, elas dizem: “E quanto aos outros? Todos terão a Realização?” “Todos terão isso?”, entendem? Isso vem de uma conclusão errada, Eu acho, porque antes de tudo, nós devemos saber: nós estamos bem?

Nós somos perfeitos? Nós somos cheios de alegria? Nós recebemos o conhecimento absoluto? Se você partir desse ponto, é sempre melhor. Porque Ele começou do ponto errado, buscando isso a partir do coletivo, para remover os sofrimentos das pessoas, Ele tinha de ir por um caminho cheio de rodeios. Então Ele leu todos os livros e os Vedas sobre isso, Ele foi a grandes eruditos, a todas as grandes pessoas com profundo conhecimento, para se encontrar com elas, lhes pedir a resposta sobre porque existem essas três coisas, isto é, a roga (doença), é a… saúde, ou corpo físico adoentado; depois a morte; e a velhice. Ele foi e perguntou a muitas pessoas. E eles disseram: “Você tem de morrer porque você nasce.” E depois eles disseram: “Você tem de envelhecer,” “porque você nasce assim,” “e você tem de sofrer porque você comete pecados.” Ele não ficou satisfeito com essa resposta. Então Ele continuou buscando e buscando e buscando. E então Ele ficou cansado, totalmente farto disso.

Quando Ele foi a um lugar chamado Gaya, muito próximo a Patna, Eu vi o lugar e a árvore, e Ele se sentou sob uma figueira da Índia, onde Ele adormeceu, porque Ele ficou muito cansado de Sua busca. E depois do sono, Ele se levantou, e de repente Ele teve Sua Realização. E Ele achou que todo o drama acabou. Sua Mãe era a própria Adi Shakti, que Lhe concedeu o nascimento, mas Ela morreu logo depois do nascimento da criança. E Ele teve Sua Realização. Agora, naquela época, quando Ele teve Sua Realização, não havia ninguém para Lhe falar o que é isso, o que isso significa, o que é a Realização. Ninguém para decodificar ou falar sobre alguma coisa… que fosse ser compreendida por Ele. Mas por causa de Sua enorme busca… e tamanho desejo ardente… que o Shuddha Iccha, a própria Kundalini se elevou, mas é claro, a Adi Shakti O abençoou, e Ele teve Sua Realização embaixo da figueira da Índia. Agora, qualquer encarnação que veio nesta Terra… tinha de “samayachara”, de acordo com a época, com a necessidade da época, tinha de agir, primeiramente; em segundo lugar, a necessidade da Encarnação vir a esta Terra… foi primeiro criada nos seres humanos. Assim, vamos supor na época em que havia muito ritualismo, Brahamanismo, ou sacerdócio, e as pessoas ficavam tentando levar tudo… para esses rituais artificiais e tudo mais, uma Encarnação tinha de vir nesta Terra… para corrigir essas ideias.

Como Krishna veio na época em que Ele disse que isso tudo é leela, e puja e tudo, Ele suspendeu, nada feito, nenhum puja, nada. Vocês só terão raas, divirtam-se, é tudo uma brincadeira acontecendo, entendem? Então Ele trouxe esse conceito, naquela época, na consciência das pessoas… de que o mundo inteiro é uma leela. é um jogo do próprio capricho de Deus. Então simplesmente desfrutem isso. E é desse modo que Ele criou esse festival maravilhoso de Holi, que nós tívemos em Delhi. Eu não sei, algum de vocês esteve lá para o Holi? Não. – Você esteve lá? – Há dois anos atrás.

Não, mas desta vez você não estava lá. Tudo bem. Você deve ter tirado fotografias. Tudo bem. Assim, da mesma maneira, quando Buddha veio, o primeiro problema foi que Ele pensou: “É melhor não falar sobre Deus.” Porque em Sua busca, todo mundo Lhe disse que a resposta era: “Oh, é Deus que faz isto. Ele pune você.” “É Deus que lhe dá essa velhice. É Deus quem faz.” “Mas o que é este Deus afinal? Por que Ele faz isso?” Eles disseram: “É melhor você perguntar a Deus.” “Onde está Deus?” Assim, todo mundo colocava toda a culpa em Deus, como de costume. Mesmo hoje isso é feito, nada tão novo… e nada incomum, Eu devo dizer. Assim “Isso deve ser feito por Deus de qualquer forma”.

Se você cortar sua garganta, “Deus colocou minha faca em minha mão e Ele cortou minha garganta.” Então Ele pensou que é melhor não falar de Deus, porque todo mundo está indo em direção a Deus. Depois as pessoas com quem Ele encontrou, disseram: “Agora eu me tornei Deus.” Ele disse: “Como?” A pessoa disse: “Eu sou Deus agora.” “O que você… por que você…?” Porque ela podia hipnotizar as pessoas, ela disse: “Eu me tornei Deus agora”. Imaginem só! Então Ele achou que é muito perigoso falar de Deus, porque as pessoas pegam Deus na mão… e O usam para seus próprios propósitos, sempre dizem: “Oh, isso é o que Deus tem de fazer…” “e é Deus quem fez isso,” “e eu estou em conexão com Deus, e falarei com Deus.” Então Ele tomou um susto e disse: “É melhor não falar sobre Deus.” Porque isso coloca a atenção das pessoas no ritualismo, em coisas artificiais; eles estão construindo templos e mais templos… e simplesmente fazendo todas essas coisas horríveis… que não deveriam fazer. Por exemplo, se você for ao sul, descobrirá… que nos templos, eles raspam as cabeças das mulheres, eles raspam completamente. E depois elas têm de… tudo é pavimentado… em todos os lados das paredes do templo. E as mulheres que raspam suas cabeças… simplesmente ficam rodando ao longo das laterais. Elas têm de fazer isso às vezes 1008 vezes, rodando, imaginem. E a água é derramada nelas, entendem? Só Deus sabe qual é o ritual, de onde ele surgiu.

Então as pobres mulheres continuam rodando, rodando, rodando assim, e alguém fica derramando água nelas o tempo todo, baldes e baldes. O marido e o irmão delas trazem um balde após o outro, um acabou, então vem um outro; pobres mulheres, rodando daquele jeito… naquele tipo de área pavimentada lamacenta. Eu fiquei chocada quando Eu vi aquilo. Eu disse: “O que é isto?” E depois mais tarde, eles se tornaram modernos, então eles começaram a vender o cabelo para o exterior, então a coisa toda se tornou uma grande indústria em Madras. O cabelo é transformado neste “aplique de cabelo armado”, tudo isto que vocês chamam, este tipo cabelo, e é enviado para a Inglaterra e a outros lugares. Assim, isso é… quero dizer, em nome de Deus, coisas ridículas foram feitas, coisas ridículas foram feitas. Então Ele simplesmente pensou: “É melhor não falar sobre Deus.” “O primeiro passo é a Realização do Si.” Ele foi um grande Sahaja Yogi, Eu posso dizer. Porque Ele disse: “Nada disso, não falem sobre Deus ou qualquer coisa assim,” “primeiro tenha a sua Realização.” Essa era a primeira condição. “Estabeleça isso. A menos e até que você tenha estabelecido…” “a sua Realização, nada feito.” Então Ele simplesmente começou… Seu próprio método de propagar o Buddhi, o conhecimento de Buddha, ou você pode chamar, o Budismo, como chamam isso.

É claro, isso se tornou um “ismo” mais tarde. Então tudo aquilo, Ele começou com a ideia… de que as pessoas devem primeiro se tornar Buddha. “Buddha” significa “realizado”, “buddha” é “conhecer”. Assim, “buddha” significa “a pessoa que conheceu”, significa “aquele que é uma alma realizada”. Então o que Ele diz? “Buddham sharanam gacchami”, “eu me inclino”, não, “eu me entrego”, “sharanam” significa “entregar”, “eu me entrego aos Buddhas”, significa a todos os Sahaja Yogis. Todos vocês são Buddhas, porque vocês conhecem. Quando você conhece, você é o Buddha. Agora, sem entrar em toda essa insensatez… de renúncia e raspar a sua cabeça e usar essa roupa… e tudo mais, vocês alcançaram sua Realização. É um percurso curto ou um caminho curto.

Por quê? Porque Ele começou a partir do outro lado. Mas se Ele tivesse começado diretamente Dele mesmo, teria sido melhor. No sentido prático, Eu lhes direi como é isso. Vamos supor que você queira consertar sua casa, então você tem de ter o instrumento para essa casa. Mas vamos supor que você fique preocupado com todas… as casas do mundo, e você comece a consertar. Você não conserta a casa dos outros nem a sua. Então primeiro você deve praticar em si mesmo. Coloque sua atenção em si mesmo primeiro. É também um método pelo qual você evita… ver o essencial, ver a realidade, pois se você não está bem, como você pode melhorar o mundo inteiro?

Então quando sua atenção vai para outras coisas, você deve saber que há algo errado com você, antes de mais nada, que deve ser corrigido. E é por isso que Ele levou tanto dando voltas e mais voltas. Ele teve de abandonar Sua esposa, abandonar Sua família, abandonar tudo e obter a Realização. Porque abandonando tudo, Ele percebeu que é Ele que deveria alcançar isso. É um caminho muito tortuoso, Mas vocês podem simplesmente dizer: “Isso não existe, nada disso,” “primeiro deixe-me ficar bem”, acabou-se. Isso é Sahaja Yoga. Agora, o que aconteceu é que aquilo se tornou um método… para as pessoas alcançarem Deus. Muitas pessoas acham que você deve sofrer como Cristo… para alcançar Deus. Você deve renunciar ao mundo, depois alcançar Deus. Na verdade, renunciar ao mundo e tudo isso é apenas um mito.

Como você renuncia ao mundo? É um mito. A que você está renunciando? De qualquer maneira, você não pode carregar isso com você, pode? Você pode carregar, Eu diria, sequer uma linha? Nada. Quando você vem, você vem assim, você nasce com os punhos cerrados. Quando você vai, as mãos ficam assim abertas. Você já viu um cadáver? Ele sempre tem suas mãos assim, não há nada, vazias.

Partindo exatamente deste jeito. Portanto você não leva nada daqui. Então, essa renúncia, este “eu renuncio a isto, renuncio àquilo,” “eu abandono isto, abandono minha esposa, abandono aquilo”, não tem nenhum sentido. Porque isso é um estado da mente no qual seu ser se torna – Eu não sei a palavra em inglês para aquilo… que não gruda a nada, como aquilo é chamado? – Livre. – Hã? Eu não sei. Vejam, qualquer substância que não gruda a nada. Quero dizer, nós temos todos os tipos de esparadrapo. Desapegado, Mãe?

Não, não, mas com essa qualidade. Há uma qualidade da personalidade que não adere a nada. Que não adere a nada; coloque isso aqui, isso sairá. Nós podemos dizer, o sabão ou algo assim que – Como o mercúrio, Mãe. Como o mercúrio, só flui. Como o mercúrio! Mas no mercúrio também, você pode aplicar algo algumas vezes, com calor e… mas isso é algo além do mercúrio, é absoluto, que não adere a nada, entendem? Vocês simplesmente se tornam assim. Oh, você de fato veste isto, veste aquilo, você tem isto, tudo bem, é… você nunca está… O nome da Deusa é Nirmama. Nirmama.

Isto é, para Ela, nada é Dela, Ela não adere a nada. Ela está em tudo, mas Ela não adere a nada. Por exemplo, agora vejam a luz da vela aqui, Ela não está aderindo a nada, ela existe por si mesma. Não adere a nada. Isso é o mais próximo, você pode dizer, ela não adere a nada. Qualquer (…) que tente grudar nela, fica queimado. Essa é uma boa ideia. Então isto é o que acontece, isso é chamado de “uma pessoa iluminada.” Não adere a nada! E seja o que for que tente chegar muito perto fica queimado. Assim, tal pessoa não é apegada a nada.

Mas isso não é uma coisa mental… que você pode fazer: “Oh, eu não sou apegado a você.” É uma coisa muito comum neste país, especialmente o “eu odeio você”. Você não pode odiar ninguém. Como você pode? E nem pode amar ninguém, porque esse apego… não pode lhe dá ambas as qualidades. Vejam, porque você é apegado a alguém, você diz que odeia, ao mesmo tempo, você está amando essa pessoa. Porque essas são as duas características do apego, entendem? Assim, uma vez que você tenha apego, você tem ambas as coisas. Num momento você odeia, em outro momento você ama, num outro momento você odeia, depois você ama, e você não sabe qual é o problema com você mesmo. Mas a questão é: a qualidade da mente é tal que… ou ela fica apegada mentalmente… ou fica desapegada mentalmente. Mas na verdade, ninguém… digamos, você ama alguém muito.

Vocês nem mesmo morrem juntos, seja o que for que vocês tentem. Vocês não podem morrer juntos. Uma pessoa tem de morrer mais cedo, a outra tem de morrer mais tarde. Então a resposta para a pergunta que Ele fez foi… Por que todas essas são causadas? Então Ele disse que é por causa do desejo. Por causa do desejo humano, são causados todos os problemas, como a morte, como a velhice, como a doença, são causados pelo desejo. Agora vejam, na linguagem da Sahaja Yoga, como devemos entendê-Lo. É o desejo, como vocês sabem, é o canal esquerdo. O canal esquerdo os leva à morte. Quando o canal esquerdo é muito usado, você morre no final quando ele está esgotado.

Quando o canal esquerdo se acaba… o desejo, você também contrai doenças. E quando o canal esquerdo é usado demais, você envelhece. É claro, o canal direito é o que faz isso, mas o canal esquerdo é o originador. Se você não tem nenhum desejo, você não irá para o canal direito. Primeiro é o desejo, o ponto de partida é o desejo. Ele chegou ao ponto principal, tudo bem, mas Ele não disse claramente… o que o desejo significa. O desejo significa o canal esquerdo. Quando nós temos o puro desejo, que é a Kundalini, então todas essas coisas são neutralizadas. Quando a Kundalini se eleva, o puro desejo, o desejo verdadeiro, o único desejo, lhe concede o absoluto, através do qual você não envelhece, você não morre, e você não fica doente. Porque você alcança aquilo que é eterno, ele não morre.

Você se torna o Espírito. Quando você quer morrer, você morre. Quando você quer renascer, você renasce. E você tem essa… personalidade realizada dentro de você, ela não morre. Isso é o que você leva com você. Agora, você leva a sua Realização com você quando morre. Então, o que Ele tentou dizer foi consolidar… que nós não devemos ter nenhum desejo. Agora, porque Sua passagem foi assim, Ele foi de um para o outro, abandonando esse desejo, aquele desejo, aquele desejo, aquele desejo, por fim Ele chegou à Kundalini. Há um ditado: “Yan-neti-neti vachanair-nigamo avochus”, quando você fala sem parar: “Não este, não este,” “não este, não este”, então você chega a um ponto onde você diz: “Então, o que restou no final?” O desejo que é o puro desejo, o desejo que é a Kundalini. Por exemplo, você diz: “Eu terei uma casa;” “não, não, eu não terei uma casa, eu terei um carro, não, não o carro;” “nao, eu não terei uma esposa, não olharei para nenhuma mulher.” “Eu não terei nada a ver com isso.

Eu abandonei isso,” “abandonei aquilo, abandonei aquilo, abandonei aquilo, abandonei aquilo”, até que você chega a um ponto onde você está em um ponto absoluto. E lá você percebe que a Kundalini se eleva. Mas Eu acho que isso está indo longe demais. Por que não começar… da Kundalini ali mesmo? É uma coisa simples. Então a Sahaja Yoga é a coisa oposta: é melhor você começar da Kundalini, e neutralizar todo o seu canal esquerdo. Vocês entendem o ponto agora? É por isso que Buddha era sempre considerado um ateu. Ele não era. Ele não era um ateu.

Mas por uma questão tática, Ele e Mahavira – Eles foram contemporâneos – Eles decidiram: “Não vamos ter…” “o nome é Deus em nenhum lugar próximo.” Porque uma vez que você comece com esse negócio de deus, grandes filosofias são construídas, e as pessoas simplesmente começam a reivindicar isso, elas se tornam isso. Na verdade, qualquer um que leia o Gita se torna meio que um… Krishna, o próprio Shri Krishna, é o jeito que a pessoa fala. As pessoas podem… você pode ficar chocado pela forma como elas falam, como se elas fossem Shri Krishna dando um conselho a Arjuna, sentado numa carruagem. Elas se comportam dessa maneira, o estilo delas é assim. Eu encontrei um sujeito chamado Chinmayanand, e fiquei impressionada, o modo como ele ficava falando, Eu fiquei surpresa, ele simplesmente ficava se comportando como Shri Krishna, é claro, uma aparência horrível, mas ele achava que ele era o próprio Shri Krishna. Assim, essa é a identificação que acontece com os seres humanos, quando eles começam a falar sobre Deus ou de Seus meios e métodos. Então Ele disse: “Tudo bem, retirem isso, apenas falem…” “sobre a Realização do Si. Esse é o primeiro passo.” E Mahavira se uniu a Ele. Isso ajudou muito naquela época… a todas as pessoas que ficavam em nome do ritualismo, elas diziam: “Isso é muito dífícil.” “O Hinduísmo é a coisa mais dífícil.” “Você tem de jejuar aos domingos por causa do sol,” “na segunda por causa da lua,” “na terça por causa de Marte”, desse modo continuava sem parar. E quando você come?

Se você tem de alcançar Deus, então você tem de tomar seu banho às 4:00hs, e fazer isso, e fazer aquilo, e raspar sua cabeça, e depois você se torna um sannyasi; e você não pode comer isso e não pode comer aquilo, e não pode fazer aquilo, todos esses rituais começaram. Mas Ele achou que, vamos supor, se você adotar a sannyasa, então metade de seus desejos acabam: você é um sannyasi, você está fazendo o trabalho de Deus, e não há nenhuma necessidade de ter uma família ou qualquer coisa assim, então metade de seus desejos acabam. Se você tem uma família, então você quer fazer algo pela família, você tem de cuidar de sua família, e tudo isso deve ser feito. Mas Ele não percebeu que Ele era uma alma realizada, os outros não eram. Se uma alma realizada faz isso, isso não tem nenhuma diferença para ele; quer ele tenha uma família ou não, não faz nenhuma diferença.. para uma alma realizada, porque ele não é apegado. Mas para um indivíduo que não é uma alma realizada… vamos supor, ele abandonará seu carro, abandonará sua casa, irá para os Himalaias. O que ele fará lá? Ele terá uma cabana e terá um arame farpado em volta de sua casa. Então talvez ele pense em um estilo georgiano de casa, para ser um inglês. Porque, de acordo com eles, o estilo georgiano é despretensioso.

Então “nós podemos ter, afinal todos nós somos sannyasis.” Isso é tipico, Eu lhes digo, toda a nossa mente ocidental… está se comportando dessa maneira, se você observar: “nós devemos ser despretensiosos”. “Isso é muito minucioso” é a palavra que eles usarão. Se você colocar mesmo que um pouco – “Oh, é muito minucioso”. Eles querem que tudo seja sem enfeites, sem graça, entendem? Mas e quanto ao interior? Está cheio de quê? Todo contido com todos os tipos de rum, isso, aquilo. Mas a parte externa deve ser totalmente sem graça. A comida não deve ser se possível, apenas a coma na forma natural. Se não, não tenha nenhum sabor nela; ela deve ser tão insípida que qualquer visita que vier… a sua casa deve passar fome, entendem?

Todas essas ideias estranhas surgiram com isso: ideias de ascetismo. Então nós temos outras pessoas como os Shambalas, que estão indo agora para o deserto de Gobi. Eles acharam que esse deserto não é o suficiente, “vamos para o deserto de Gobi”. Então estão indo para o deserto de Gobi. Todas essas ideias absurdas surgiram do Budismo e também do Jainismo. Os jainistas foram para o outro extremo do vegetarianismo. Porque o próprio Buddha não era um vegetariano, vocês sabem disso? Ele próprio não era um vegetariano, nem Mahavira era, vocês ficarão surpresos. O vegetarianismo para Eles era uma filosofia. Não era um tipo de coisa onde você não come carne e tudo mais.

Porque o próprio Buddha morreu quando Ele foi a um de Seus discípulos… que era um… shikari, um caçador. E o caçador tinha matado um javali. E ele disse que o javali tinha sido morto há pouco… e que levaria algum tempo para cozinhar, estava bem malpassado. Ele sendo um indiano, não poderia comer aquela coisa malpassada, e Ele adoeceu… De – Eu acho que o fígado ou algo assim teve problemas, e Ele morreu disso, entendem? Eu mesma não posso comer comida malpassada, entendem? “Isso está malpassado agora”, comida malpassada é uma coisa horrível, mas comemos porque é despretencioso, ou algum tipo de coisa assim. As pessoas têm a ideia de que isso é muito próximo à natureza, isso é o que está surgindo. Mas é tudo deliberado. Você é apegado internamente; externamente, se você se comporta assim, você não vai se tornar isso. Como os hippies que têm uma ideia de que se eles viverem… como pessoas primitivas, então eles se tornarão primitivos.

Você não pode, seu cérebro é moderno. Apenas vivendo assim, usando uma peruca como um hippie, Eu posso Me tornar primitiva? Eu não posso, Meu cérebro é moderno. Isso é o que as pessoas não entendem, que nós deliberamos muito. E todas essas deliberações só podem ser reduzidas… se seu Si entrar em sua atenção. Senão todas essas coisas são apenas nossas projeções mentais. Toda essa sannyasa e todas essas ideias surgiram gradualmente, todos os que vieram a esta Terra, as pessoas realmente fizeram uma bagunça a partir delas. E a bagunça de Buddha foi a tal ponto… que se você observar, você ficará chocado. Ela penetrou em muitas formações. Mas Eu ouvi de Meu genro que ele foi e visitou algumas das cavernas… onde os primeiros budistas viveram, os primeiros budistas viveram… nas cavernas, porque eles não eram apoiados pelos reis… ou por qualquer coisa.

Então eles tiveram um período muito dífícil. E eles viviam nas cavernas. E o que Meu genro Me disse… é que nas cavernas há escritos… em Sânscrito, em Pali, e em escrita indiana, dizendo que é o acontecimento espontâneo… que pode proporcionar a Realização do Si. Ele trouxe isso fotografado. Então isso está acontecendo. Então eles sabiam sobre isso, sobre a Sahaja Yoga. Eles sabiam sobre ela. Mas depois, como toda religião virou uma bagunça… e muitos tipos estranhos de, nós podemos dizer, tipos estranhos de expressões, o Budismo também passou por isso, ele se tornou Mahayan, Hinayan, todos os tipos de coisas. Mas um deles foi chamado de Vidhitama, que fugiu da Índia, estabeleceu-se no Japão, e ele começou o sistema Zen de religião, na qual ele se manteve fiel ao acontecimento espontâneo. Esse foi preservado.

Um outro foi o estilo Lao Tse, que não falou de Deus e de Buddha, mas do próprio Tao, a energia, ou, podemos dizer, sobre a Adi Shakti. Então essas duas coisas boas surgiram Dele. Enquanto eles pesquisavam a história da China, e eles descobriram que a Adi Shakti viveu… há muitos anos atrás como Quan Yin. E foi desse modo que Quan Yin foi estabelecida… como uma Deusa para muitos budistas. Agora, depois Buddha também tomou uma outra forma, porque havia uma grande competição entre Hinduísmo – os hindus daquela época – e os budistas Então eles quiseram formar – para as pessoas comuns, é muito dífícil entender a filosofia – então eles pensaram: “Nós devemos ter Buddha expressado…” “como Ele foi e como Ele será.” Então eles formaram uma – como vocês dizem, “Ele é Maitreya que virá”, “o futuro Buddha é Bodhisattva”, e eles começaram a fazer Suas estátuas e tudo mais. Então eles começaram a representar Buddha como Deus. Eles começaram a usá-Lo para representar o Poder Divino, dando-Lhe formas e coisas assim, e desse modo muitas coisas aconteceram. Mas o próprio Buddha ficou tão assustado com o ritualismo… que Ele – eles disseram: “Vocês não devem venerar nada,” “vocês não devem construir nenhum templo.” Então uma brecha foi encontrada: “Se templos não devem ser construídos, construiremos estupas.” Agora, nas estupas, eles colocaram o dente de Buddha – é claro, isso era sensato fazer, Eu devo dizer, mas, é claro, Buddha disse para não fazer isso – e eles o colocaram lá. Ele tinha dois discípulos chamados Sariputta e Moggallana, Eles eram muito bons discípulos Dele, e os ossos deles foram coletados após eles serem queimados… e foram colocados nas estupas. Isso era algo definitivamente sensato colocá-los lá.

É claro, os ossos e todas essas coisas não deveriam ser perturbados, porque isso não é bom, isso cria um problema para o corpo. Mas se pelo menos eles o tivessem colocado lá na Mãe Terra, estaria bem, mas eles o colocaram em caixões. Agora, o primeiro caixão foi feito de ouro, o segundo de prata, o terceiro de ferro, o quarto de madeira, esse tipo de coisa, os mumificaram. Mas essa foi uma coisa muito errada de fazer, porque se você continua… mantendo assim algumas partes do corpo dessas pessoas grandiosas, isso pode atrapalhar o renascimento deles… ou o corpo deles, nos quais eles querem encarnar novamente. Mas cabelo, tudo bem; ou unhas, tudo bem. Mas você não deveria manter uma parte do corpo deles desse jeito. E esse tipo de coisa proporcionou outras ideias insensatas… para seres humanos horríveis. O que eles fizeram é que eles pensaram: “Se temos de manter…” “alguma parte da pessoa que morreu como pessoa divina,” “por que não cortamos a mão de alguém?” e foi desse jeito. Então no Tibet e em todos esses lugares, especialmente em Ladakh, eles cortavam as mãos das pessoas quando elas morriam; e faziam um grande ritual para o morto, e depois eles começaram a seguir em direção ao morto. Então eles começaram a se mover em direção ao canal esquerdo.

A maioria dos budistas se moveram para o canal esquerdo, o que foi totalmente proibido por Buddha, porque Ele está no canal direito. Ele disse: “Cortem seus desejos,” “façam os karmas sem o desejo.” Essa foi a ideia Dele. “Ativem o seu canal direito sem o desejo,” essa foi a filosofia Dele. Mas eles… todos eles são canal esquerdo. Eles têm desejos, não somente desejos, mas seja o que for que eles façam, o fazem a partir do desejo. Por exemplo, o pior é… por exemplo, os japoneses, eles acham que você pode cometer suicídio em nome de sua nação. Com esse desejo, eles cometerão suicídio. Para salvar o país deles, eles podem cometer suicídio. É um absurdo. Ele disse: “Seja o que for que você tenha de fazer, faça sem o desejo”, o que é uma coisa dífícil para os seres humanos.

Quantos existem que estão fazendo isso sem desejo? Seja o que for que façamos, nós fazemos a partir do desejo. Mesmo no ponto mais sutil. Mesmo quando fazemos Puja, nós fazemos com o desejo… de que nossas vibrações melhorem. Você consegue imaginar um estado onde isso seja totalmente sem desejo? Somente uma única pessoa tem isso. Não há nenhum desejo, ausência de desejos. A coisa toda é feita sem nenhum desejo, então não há nenhuma decepção. Não há nenhuma infelicidade. Você está indo para os EUA, sabendo que vai ser… uma experiência horrível, mas é uma brincadeira, você só está indo ver a brincadeira.

Sem nenhuma expectativa. Talvez isso possa vir a ser algo esplêndido, mas sem nenhum desejo. Vejam, é tão sem desejos, toda a personalidade é, que mesmo se Eu tiver de desejar algo, Eu tenho de lhes pedir: “É melhor vocês desejarem”, porque Eu perdi o senso de desejo. Muitas vezes Eu tenho dito: “É melhor vocês fazerem isso para Mim.” A menos e até que vocês orem para Mim, Eu não posso fazê-lo. É por isso que Eu lhes peço: “Escrevam uma carta para Mim”, porque não consigo desejar, realmente não consigo, Eu não faço nada. Sem fazer nada, está acontecendo, então por que Eu deveria desejar? Eu realmente não faço nada. Vocês ficarão surpresos ao ver que não faço nada, não desejo nada, nada desse tipo, está funcionando, Eu apenas fico observando isso, e vocês ficam dizendo: “Mãe, a Senhora está fazendo isso.” Eu fico muito surpresa. Isso é Tao. Se você ler sobre o Tao, é dito que ele não faz nada, mas tudo funciona.

Então isso foi o que Ele disse, o qual era tudo sahaja, que você tem de ser sem desejos e fazer tudo. E Ele é Aquele que controla nosso ego. Porque se você não tiver nenhum desejo, você não terá nenhum ego também. O ego só é formado quando você tem o desejo de fazer algo. Isto é, você só faz isso por diversão, só pela alegria, só por fazer. Então como você formará o ego? Você não consegue. Como um artista que está pintando só por diversão e jogando isso fora. Criando algo só por diversão, isso é o que é Deus. Não com o desejo de alcançar algo.

O desejo é tão grosseiro, pode ser extremamente grosseiro; ele pode se tornar cada vez mais sutil, essa é uma boa forma, mas pode ser muito, muito grosseiro também. Por exemplo, algumas pessoas podem acreditar que: “Eu devo pintar isso, porque ganharei muito dinheiro.” Ou “eu posso vendê-lo para alguém que pode ser o pior homem,” “mas eu o venderei porque eu posso ganhar mais dinheiro.” Isso é, sem dúvida, o mais grosseiro de todos, que você pode recorrer às coisas mais pecaminosas; quero dizer, Eu não sei, pode haver desejos ainda piores do que esse, podem ser muitos, mas neste dia auspicioso, nós não devemos pensar neles que são assim. Mas se chegarmos ao mínimo do mínimo… Somente façam seu puja, apenas pelo regozijo, sem nenhum desejo. Somente pelo regozijo. Nós estamos fazendo tantas coisas assim. Por exemplo, nós regozijamos a companhia um do outro. Apenas pensem nisso. Todos nós, Sahaja Yogis, estamos regozijando a companhia um do outro, para que é isso? Absolutamente nada, não há nada. Vocês apenas estão regozijando isso sem nenhum desejo; apenas por causa da alegria, pela alegria.

Quando essa pureza surge em nosso temperamento, de modo que fazemos tudo sem nenhum desejo, nós nos livramos de nosso ego, o Buddha é despertado dentro de nós. E essa é que é a importância de Buddha, Ele se estabeleceu em um lugar que é o lugar mais dífícil, isto é, no lado esquerdo de sua cabeça. Às vezes, Eu tenho visto que isso se projeta daqui até este ponto… em algumas pessoas. Elas têm uma dor tão terrível, saindo daqui, você não pode imaginar. Assim, esse ponto terrível que é… tão estranho, às vezes ele pode inflar deste jeito, às vezes ele pode perfurar. É uma coisa horrível… que todos vocês desenvolveram muito. E ele assume sua forma e diferentes meios e métodos. Para isso, nós temos de dizer: “Buddham sharanam gacchami.” Significa: “Nós nos entregamos a Buddha.” Então o que Ele diz? O segundo é muito bom: “Sangham sharanam gacchami”, “Eu me entrego à coletividade, sangham.” “Sangha” é a coletividade. “Eu me entrego à coletividade.” O ego diminui.

Antes de tudo, para Buddha, que está sentado, que é a Divindade, que é a iluminação, você diz: “Eu me entrego a Buddha.” Em segundo lugar, você diz: “Eu me entrego à coletividade.” Pessoas egoístas não conseguem se entregar. Então “eu me entrego à coletividade”, então nós dizemos: “Sangham sharanam gacchami.” É para o Virata que estamos fazendo isso. Qual é o terceiro? “Buddham sharanam gacchami”, “Sangham sharanam gacchami”, e o terceiro: “Dhammam sharanam gacchami”. “Dhammam sharanam gacchami”, “dhamma” significa a religião, o equilíbrio. “Eu me entrego à religião”, que é a essência disso. Ou você pode colocar isso em ordem inversa: that “Buddham sharanam gacchami, dhammam sharanam gacchami,” “sangham sharanam gacchami.” Só isso. Se você alcançou isso, então nós podemos falar de Deus, não antes disso. Portanto, essas três coisas devem ser alcançadas. Nós colocaríamos isso na Sahaja Yoga desta maneira: em primeiro lugar “Dhammam sharanam gacchami”, “eu me entrego às minhas virtudes.” Todos os desejos podem ser entregues a uma virtude: “É virtuoso fazer assim?” Você pode, se você for educado dessa maneira, você simplesmente não fará isso, você não terá nenhum desejo de fazer algo… que não seja virtuoso e correto.

Você simplesmente não fará isso. Então “Dhammam sharanam gacchami.” Depois você deve dizer: “Buddham sharanam gacchami”, significa: “Eu me entrego a minha iluminação.” Esse é o segundo estado, quando você ascendeu. “Entrego-me à iluminação,” “à iluminação que alcancei do meu Espírito.” “É o Espírito que irá me guiar.” “Não mais minhas tentações insensatas físicas, mentais, emocionais.” “Mas o quê? É o Espírito.” E em terceiro lugar: “Sangham sharanam gacchami”, à coletividade, ao todo, ao Virata. É dessa maneira que temos de trabalhar isso. Então, por fim, Ele chegou ao mesmo ponto: “Deixe-Me começar isso a partir de Mim mesmo.” “A partir de Mim para os outros, não dos outros para Mim.” É como ficar tratando da árvore a partir de fora, não a partir das raízes. Mas a Sahaja Yoga os trata a partir das raízes. Primeiro você tem sua Realização, tudo bem? Depois você aprende como se entregar ao seu dharma. Depois você se torna coletivamente consciente.

Coletividade é um temperamento, é um sentimento de alegria que você tem na vida coletiva. A menos e até que você tenha isso, você não alcançou a yoga. Buddha tem desempenhado um papel muito importante em nossas vidas, e Ele é uma força poderosa muito importante dentro de nós, Eu estou muito feliz que o Buddha Jayanti… tenha ocorrido aqui na Inglaterra, porque, como dizemos, a Inglaterra é o Coração do Universo. Não importa se Eu digo “aqui”, há alguém árabe aqui? Eu não quero desagradar nenhum árabe sentado aqui. Tudo bem. E se ela é o Coração, tudo que vocês fizerem aqui circulará em todo o universo. Então se vocês puderem conquistar seu ego aqui, nós poderemos até mesmo conquistar o ego do Sr. Reagan e desses russos. Nós podemos fazer isso. Mas primeiro comecem aqui.

Isso tem de inverter: agora eles têm de aprender com vocês, e não vocês aprenderem com eles. Quando isso der certo, vocês ficarão impressionados. O ego é o único problema que sempre enfrento alcançando os corações deles. Se o ego for removido, tudo ficará bem. Então, para nós, o grande mantra é “Buddham sharanam gacchami”. Esses três mantras vocês devem recitar todos os dias, Eu acho, para se livrarem desse ego horrível. Agora, vocês têm alguma pergunta sobre Buddha? Eu fiz isso de forma reduzida, a história da vida inteira… é muito dífícil. Ele está regredindo, o ego. Os ingleses são pessoas sábias, pessoas íntegras, e eles devem entender que isso é uma coisa muito, muito importante, que eles não devem perder essas qualidades… e devem tentar firmar a iluminação deles… de tal maneira que ela circule.

Alguma pergunta? Gavin Me disse ontem que seria o Buddha Jayanti, fiquei muito feliz, porque Eu não havia falado de Buddha na Inglaterra, mas por outro lado, Eu falei sobre Ele em outro lugar. Então agora… é por isso que Eu vesti, vejam, uma xale de Buddha hoje, porque… ele é o sinal de uma mente desapegada, que não tem nenhuma cor. E… poderia haver uma personalidade… que seja sem cor. Mas você pode tê-lo… coberto com cores para fazer os outros felizes. Então quando você é uma alma realizada, tudo que você faz … não a partir das raízes. Seja o que for que você faça. Se Eu estou usando isso, agora Eu sou um Buddha. Quando Eu o tiro, Eu sou a Adi Shakti. Isso não é um teatro, é um fato.

Mas se você não é uma alma realizada, antes disso, tudo que você faz é apenas um teatro. Por exemplo, isto é uma coisa artificial; Eu coloco Minha mão lá, qualquer coisa, nada queimará. Mas se isto for real, ele certamente queimará, seja o que for que Eu tente. É desse jeito. Então se alguém é uma pessoa verdadeira, seja o que for que ela faça não é um teatro, é uma realidade. É desse modo que eles dizem: “Ela pode assumir esta forma, Ele pode assumir aquela forma”, as pessoas não entendem como uma pessoa pode assumir tantas formas. Pode! Se for a realidade, pode. Como a Mãe Terra, Ela é uma realidade, e a seiva que está vindo da Mãe Terra… assume tantas formas. Vejam o poder Dela.

As flores, esta madeira, as diferentes cores, a fragrância, tantas coisas. Apenas uma Mãe Terra está produzindo todas essas coisas. Porque Ela é a realidade. A realidade Nela pode produzir. Mas as coisas irreais, seja o que for que você faça a partir de coisas irreais, elas podem parecer reais, mas elas não são. Então agora, vamos ter o puja. E Ele também falou sobre os rituais, porque a maioria deles não eram almas realizadas naquela época, seja qual for o puja que eles fizeram era irreal, não era real, não tinha nenhum sentido. Não dava nenhum efeito, venerar uma pessoa que é irreal, ou qualquer divindade que é irreal, ou aqueles que não eram pessoas reais, quer dizer, almas realizadas. De que adianta pessoas não realizadas Me venerando? Eu não permitiria nenhuma pessoa não realizada Me venerar de forma alguma.

Eu sempre digo às pessoas: “A menos e até que eles sejam perfeitamente Sahaja Yogis,” “você os conheça, eles sejam bons, por favor não os tragam para o Puja.” É problemático para Mim, muito mais do que para eles. Eles também se sentem obrigados, como se eles estivessem Me fazendo um favor, eles pensam assim ao Me venerar, Eu não sei, mas eles não sabem o quanto eles Me perturbam… vindo aqui sem a Realização. Aqueles que não tiveram a Realização são realmente problemáticos. Eles não Me ajudam. Então, o mito que algumas pessoas têm… de que se elas vierem ao puja antes da Realização, elas terão a Realização não é verdade. Vocês não devem trazer ninguém que não seja uma alma realizada… ou que não seja um Sahaja Yogi para o Puja. É problemático, e essa pessoa também começa a duvidar, isso, aquilo. É melhor não fazer uma coisa assim, porque também uma pessoa assim é “meio crua”. Então é inútil Me dar bolos mal assados, e estragar o bolo mal assado também, permanentemente, porque se você tira um bolo meio cru, ele fica estragado para sempre. Eu não posso comê-lo nem você pode assá-lo novamente.

Então de que adianta trazer alguém que é “meio cru”? Tudo bem? Então da próxima vez… também isso é por compaixão que vocês o fazem, Eu sei que vocês fazem isso por compaixão, mas isso não é sábio. Não Me ajuda nem ajuda os outros. Tudo bem? Da próxima vez, também em qualquer momento, devem fazer uma circular… dizendo que a menos e até que vocês tenham certeza… sobre a Realização da pessoa, que ela teve a Realização, vocês não devem chamá-las para o Puja. Eles são inúteis para a Mãe e eles são inúteis para eles mesmos. Porque eles ficam duvidando ou algo assim, e… vocês não podem realmente lhes dar a Realização depois disso. Você se lembra do seu amigo que teve o mesmo problema? Quem era ele?

Nick, ou algo assim? Tudo bem.