Guru Puja

Shudy Camps Park, Shudy Camps (England)


Send Feedback
Share

Guru Puja, Shuddy Camps, Inglaterra, 12.05.1987

Hoje é um grande dia, pois vocês estão aqui… para venerar seu Guru no reino do Coração do Universo.

Se pudermos fazer isso em nosso reino do coração, nós não teremos de fazer nenhuma outra coisa. Hoje também, Eu sinto que tenho de lhes falar… sobre a Sahaja Yoga e o valor dela, que está relacionado com outras Yogas… que foram aceitas no passado no mundo inteiro. Eles chamavam uma de Yoga, não de Sahaja Yoga, Yoga. Isso começou com vários tipos de práticas… de Ashtanga Yogas, yogas de oito partes, com um guru. E a pessoa tinha de passar por muitas provações. Ninguém que era casado era permitido dentro dessa Ashtanga Yoga, e eles tinham de abandonar suas famílias, abandonar seus relacionamentos. Eles tinham de se tornar totalmente, totalmente sem nenhum apego para ir a um guru. Todas as propriedades deles, todas as suas posses eram abandonadas. Não ao guru, como é feito nos tempos modernos, mas doadas. E isso era chamado de Yoga.

O outro estilo era chamado de Sankhya. Sankhya é onde por toda sua vida… você tem de acumular coisas com desapego, e depois distribuí-las completamente… e dedicar-se a um guru de uma forma completamente entregue, e depois obter a Realização. Sankhya é a de canal direito, perdão, Sankhya era o comportamento de canal esquerdo, e a Yoga era de canal direito. Onde o Gayatri Mantra era usado foi no Sankhya. Porque eles eram de canal esquerdo, eles costumavam usar o Gayatri Mantra. Eles foram muito para o canal esquerdo, que é acumular coisas, acumular posses, acumular propriedades, reunir todos os tipos de amigos… e parentes e sociedades, que eles ficaram com medo de que ficassem completamente perdidos… em todas essas coisas. Eles recorreram… ao Gayatri, o mantra do Gayatri que lhe ensina… as essências de todos os nossos chakras, os centros. Eu falei sobre isso antes também, “Bhu”, “Bhurv”, “Swaha”. “Bhu” representa a essência ou o “Bija” do Muladhara; “Bhuv” representa o universo que é criado, que é o “Bija” do Swadisthana; “Swaha” é o “Bija” do Nabhi; “Manah” é a essência do Chakra do Coração. Então “Janah” é o povo, a coletividade, é a essência ou o “Bija” do Vishuddhi Chakra.

Então “Tapah” é “tapa”, é aquele onde você entra em “tapasya”, na renúncia, em provações, é a essência do Agnya Chakra. E então “Satya” é a Verdade, é a essência do Sahasrara, não a verdade que achamos que é verdade, mas a verdade que é expressada em nosso sistema nervoso central. Assim, isso é revelado no sétimo estágio do Sahasrara. Então as pessoas que fizeram Sankhya… eram, meio que, não tão respeitadas como pessoas espirituais, porque eles achavam que tudo aquilo era envolvido com coisas mundanas… e posses mundanas e acontecimentos mundanos. Assim, eles foram considerados como algo secundário. Ou aqueles que eram yogis dos… gurus eram considerados mais elevados, porque eles já tinham abandonado tudo, e eles foram a um guru abandonando todas as coisas que eles tinham. Mas aqui, esses gurus tinham um problema dentro deles mesmos, porque eles descobriram que aqueles que vinham a eles… abandonavam tudo, sem dúvida, mas ainda havia apegos escondidos. Em seus próprios “Ashramas” eles descobriram que… essas pessoas tinham seus próprios apegos às coisas. Embora externamente elas tivessem abandonado, mas internamente elas não tinham abandonado. Então elas ainda estavam grudados nestas ideias: “Oh, tudo bem,” “mas nós ainda podemos ter pequenas coisas como essa, não importa.”

Desse jeito havia pequenas concessões acontecendo. Por exemplo, assim como nós temos aqui conventos e tudo mais. Então ambos, de certa forma, eram artificiais. Em um lado estão os Sankhyas que estavam tentando ascender… com toda a bagagem que estavam carregando. E os outros estavam tentando descender… com todas as ambições de ascensão. Assim, aquilo era uma coisa muito estranha em todo aspecto, nesses dois estilos de Yoga. Como vocês podem ver, agora se você for aos EUA, você perceberá: “Oh Deus, o que é esta América?” “Isso não é democracia, é ‘demoniocracia’.” Mas se você partir daí, no reino de um outro país como a Rússia, você perceberá: “O que é isto? Vocês estão trabalhando aqui…” “sob completa pressão e medo.”

Mas assim que um russo sai desse país, ele pode se tornar pior do que um americano. Então o que é isso? Uma teoria funciona aqui, outra teoria funciona lá. Então qual é a teoria que está correta? O mesmo você percebe em relação à religião. Por exemplo, uma religião que acredita em muitos Deuses, como os hindus, eles estão também acreditando agora em bhoots. E eles estão também seguindo o caminho de possessões. Se você for a um templo, cada templo tem… um bom esquema para você ficar possuído. Ou até mesmo uma igreja ou uma mesquita, onde Deus tem de residir, você percebe de repente que é atacado e você sai… completamente confuso em relação a si mesmo, terminando em hospícios. Assim, que tipo de lugares de veneração são esses… onde você vai encontrar Deus e fica… com as horríveis forças satânicas atuando em você?

É por isso que nos tempos modernos, as pessoas se tornaram muito confusas. Nós não encontramos a verdade em nada, em nenhuma ideologia, em nenhuma filosofia, em nada que surgiu, por exemplo, Confúcio fundou o humanismo, Sócrates fundou uma outra coisa. o Profeta Maomé fundou uma outra coisa. Por exemplo, o Profeta Maomé disse: “Não vamos venerar Deus como um ídolo,” “vamos venerá-Lo em Nirakara”, o Deus sem forma. Mas você vê o Sem Forma? Como eles estão matando uns aos outros agora? Depois de observar os países muçulmanos, você não consegue acreditar que pode haver qualquer Deus com ou sem forma… existindo em qualquer lugar, todos devem ter saído correndo, pelo modo como eles estão brigando. Então você observa os países cristãos. Onde quer que eles foram, eles tentaram dominar… outros povos que não eram cristãos, exatamente como se… eles tivessem o direito de fazer isso porque eles eram cristãos. Os discípulos de Cristo, que disse: “Perdoe-os porque eles não sabem o que estão fazendo.”

E Eu tenho de dizer o mesmo para todos os cristãos, “Perdoe-os porque eles não sabem o que estão fazendo.” E quando você fica chocado com todas essas coisas, a pessoa deve se sentar e pensar no que deve ser feito, qual é o problema. Assim, não é nem Sankhya nem Yoga, então o que é que você tem de alcançar? É a Sahaja Yoga. A Sahaja Yoga é um sistema no qual primeiro não lhe é dada uma teoria, mas sim a luz em sua mão para ver por você mesmo, na qual ambas as coisas parecem ser a mesma. Por exemplo, agora vocês conseguiram esta bela casa… construída para sua Mãe, enquanto sua Mãe não sabe como ficar apegada nem mesmo a um alfinete. É uma situação estranha. Todo mundo tem de Me lembrar: “Mãe, esta é Sua casa.” “Oh, Eu entendo.” E Eu tenho de ser lembrada que Eu devo agradecer todos vocês, especialmente os ingleses, especialmente os líderes dos Sahaja Yogis ingleses, por fazerem um total esforço para conseguir esta casa.

Mas depois Eu penso: “Por que Eu deveria agradecer?” Ela não é Minha, é deles, e isso é o que é. Então um novo tipo de confusão começa. E isto é o que Eu senti: essa confusão é muito doce e bela. É um fato… que nada nos pertence, mas tudo nos pertence. Quando Eu penso sobre como belamente vocês construíram este lugar, ele Me pertence, tudo bem; esta casa Me pertence; a Inglaterra Me pertence. E acima de tudo, o mundo inteiro Me pertence. É desse modo que vemos… a Sankhya e a Yoga se tornarem uma só na Sahaja Yoga. E é dito que quando nós vemos a Sankhya e a Yoga como uma só, somente então “Sapashyati”, que é aquele que observa, que é aquele que é a testemunha. Assim, para as pessoas normais, isso poderia ser: como é que se supõe que Sua Mãe seja um Guru e Ela usa todas as joias? Mas o que fazer?

Ela é também uma Mãe e Ela é também uma Deusa. Uma outra confusão. Como fazer essas duas coisas serem assim? Um guru tem de ser… uma pessoa muido zangada, usando somente uma única roupa, ou para cima ou para baixo, Eu não sei como. Com um grande bastão grosso na mão, nunca sorrindo, rir está fora de questão, nunca sorrindo. E os gurus tem de ser bem carrancudos, deixando crescer barbas enormes, e nenhuma mulher é permitida. Em uma tal situação… onde as mulheres não devem ser vistas de forma alguma, Eu não deveria nem mesmo ver Meu rosto, é desse jeito. Há uma grande discussão em todas as escrituras, não nas escrituras, Eu diria, entre os críticos, se a uma mulher deveria ser permitido fazer… as práticas espirituais ou não, imaginem. Não somente entre os cristãos, vocês ficarão surpresos, mesmo nas escrituras indianas, se deveria ser permitido ou não à mulher fazer práticas espirituais. Agora, quando sua Mãe é uma mulher e Ela é o seu Guru, o que vocês farão?

Essa é uma outra confusão porque está errado, a coisa toda é falsidade, fundamentada em nenhuma base, de forma alguma. Você pode tentar qualquer coisa para dizer que as mulheres… não são destinadas a uma vida espiritual, tente qualquer argumento, ele falha. Outro dia Eu Me encontrei com um figurão em uma universidade, um sujeito importante, Eu devo dizer realmente um cabeça dura, e ele começou a dizer: “Nós cristãos não podemos aceitar…” “uma mulher ser Deus.” Eu disse: “Por quê?” “Porque…” Assim, para corrigir todas essas histórias invertidas, sua Mãe teve de vir nesta Terra como um Guru. Eu cheguei a esse ponto a partir de uma pequena confusão… que Eu tive sobre Mim mesma. Outro dia, alguém estava estava Me perseguindo dizendo… que Eu deveria comprar uma pulseira. Eu disse: “Eu não tenho mais nenhum dinheiro, Eu não quero comprar.” “Tudo bem, nós a daremos no Puja.” Eu disse: “Mas agora só há o Guru Puja.”

Disseram: “Tudo bem, nós a daremos no Guru Puja.” Eu disse: “Comprar uma pulseira no Guru Puja é algo estranho que Eu fiz.” Afinal, no Guru Puja, você não dá uma pulseira a seu Guru, você dá? Você pode dar, digamos, um grande bastão, ou talvez lhe dar um sândalo… khada, do que é chamado? Chappals, ou talvez lhe dê um xale. Mas aqui está ele… Eu pedi… tudo bem, dê isso no Guru Puja. Qual foi o motivo? E Eu Me tornei consciente de Minha própria confusão… e Eu pensei sobre isso. Eu disse: “Isso é o que é,” “isso tem de acontecer desta forma:” “em um Guru Puja você tem de dar uma pulseira ao seu Guru.” Vamos mudar isso.

A coisa toda tem de ser trazida à baila dessa maneira… de modo que tudo enfrente a realidade. Todas essas ideias falsas têm de ser abandonadas. Por exemplo, se você tem um tapete de cabeça para baixo, todo o desenho fica de cabeça para baixo. Mas se você corrigir o tapete, tudo se alinha. E é por isso que você precisava de uma Mãe para lhe dar a Realização, e um Guru como uma Mãe para lhe ensinar… que para a ascensão de Deus, ninguém pode ser proibido. É desse modo que a Sahaja Yoga atualmente está trabalhando. Em todas as direções, se você perceber, para colocar todas as coisas invertidas na direção correta, para expor isso à realidade; para trazer todos os valores verdadeiros; para abolir todos os sistemas deteriorados de valores; todos os sistemas políticos, econômicos; todas as teologias espirituais; todas as ideias psicológicas e todas essas ideias insensatas… em uma direção apropriada. Como em uma encarnação isso deu certo, você pode imaginar. Como em uma encarnação todas essas ideias têm sido corrigidas. Uma outra ideia existe entre os hindus… de que se você é um povo religioso, você deve ser vegetariano.

Todos os brâmanes acreditam nisso, e até mesmo os não brâmanes. Mas nós tivemos um brâmane trabalhando… em um dos lugares que Eu estava morando, e eles disseram que… para a Mãe, nós temos de dar carne, Ela não come nada mais. Ela tem de comer proteínas. Ela disse: “Sim, sim, é claro. Para Mãe, Ela deve comer.” Quer seja um brâmane ou não brâmane, todos entendem… que a Mãe tem de comer proteínas. Porque Ela tem de beber o sangue de todos esses rakshasas, como Ela pode ser vegetariana? E se Ela tem de matar tantos demônios, como Ela pode ser não violenta? Assim, o contraste que você vê na descrição da Mãe… é que Ela é Aquela que é a personalidade mais furiosa… quando se trata da matança de pessoas que são da terra negativa, que estão tentando destruir Sua criação, Seus próprios filhos; e Ela é a pessoa mais doce e pacífica para Seus próprios filhos. Esses dois contrastes devem ser observados.

Mesmo em animais, você encontrará o mesmo contraste, mas é muito evidente em uma encarnação como esta. E hoje, através da Sahaja Yoga, nós temos sido capazes de provar… que Sankhya e Yoga são a mesma coisa. Quer você acumule coisas, quer você tenha posses ou quer você doe, não faz nenhuma diferença para uma pessoa… que é desapegada a partir de dentro. Se você acumula coisas para os outros, ainda melhor. Mas se você acumula para si mesmo… e depois doa, isso é ainda muito melhor, porque primeiro você acumula para si mesmo e depois pensa: “Oh, isto é bom para mim, eu usarei este aqui para mim mesma,” “será uma boa ideia”, então o eu está presente, mas depois você doa. Isso significa que seu desapego é completo. Ou a terceira personalidade poderia ser como… a que só continua acumulando e doando. Sem pensar que acumula e sem pensar que doa, porque pensar não é Meu trabalho. Esta é uma coisa que Eu abandonei: pensar. Eu não quero pensar, esse é o trabalho de vocês, não Meu.

E sem pensar, quantas coisas nós alcançamos através da Sahaja Yoga. Yoga e Sankhya, ambas são produtos do pensamento, não produtos da espontaneidade. Esta casa é um produto da espontaneidade. Assim como chamamos os ingleses de “saablogs”. Então, Eu saí com alguns “saablogs” por aí… para ver algumas casas e eles queriam casas com algum caráter, significa que algo deve destoar, algo deve ser torto, não deveria ser em linha reta. Eu disse: “Por favor, Eu não posso suportar toda essa tortuosidade.” Então, “não, não, mas ela tem caráter.” Eu disse: “Agora, este tipo de tortuosidade Eu não quero.” “Ela deve ser reta.” Então eles ficaram bastante desapontados Comigo.

E o “saablog” teve algumas outras ideias também, digamos, por exemplo, se você vai a, digamos, a um lugar chamado Windmere, é um lugar luxuoso; se você vai a Northside, é um pouco menos; então se você for ao leste, é inútil, desse jeito. Eu disse: “Vamos para o norte, nordeste, tanto quanto possamos ir.” Porque a Deusa tem de ser Dakshinamurthy. Ela tem de estar no lado norte, estar no… Seus olhos no sul. Esse é o motivo pelo qual Ela tem de ser… quero dizer, nós não poderíamos ter ido para a Escócia, isso teria sido demais para vocês. Mas isso teria sido o ideal para todos nós… porque então nosso Drishti está em direção a – nossa visão está em direção ao sul e nós vemos o universo inteiro… sob nossas próprias belas visões. Assim, é desse modo que espontaneamente achamos este lugar. E os “saabloog” estavam: “Sim, não, não, sim.” Mas espontaneamente nós conseguimos isso. E depois nós descobrimos que ele tem uma história; depois nós descobrimos suas belas vibrações; depois nós descobrimos o potencial em relação a ele.

Seja o que for que você consiga espontaneamente… está cheio de potenciais. Nesse ponto, Eu tenho de dizer algumas palavras, é importante. Pode pegar meu lenço, por favor? Eu tinha de ter – Eu tenho de falar alguns pontos… sobre a parte relativa à espontaneidade… que são muito interessantes, o modo como as pessoas acham que a espontaneidade trabalha. Por exemplo, na maioria das vezes é a parte do ego que diz: “Isso é espontâneo”, com muitas pessoas. Especialmente os Sahaja Yogs muito antigos… acham que eles são autoridades em espontaneidade. Por exemplo, nós tínhamos um terreno em Vaitarna. Então um dos antigos foi lá e disse: “Esta terra está vibrando e isto não está vibrando.” Então todo mundo aceitou: “Tudo bem, tudo bem, tudo bem.” Então eles disseram: “Nesta parte do terreno, ninguém deve comer.”

Agora, de onde vem esse conhecimento? Comer não é um pecado, é? É como se fosse um pecado você comer lá. Então religiosamente eles seguem a, b, c, d, f, g, h, z… e novamente a, b, c da Sahaja Yoga a tal ponto que Eu começo a achar… que agora eles se tornaram outros Sahaja Yogis fanáticos. Fanatismo é contra a Sahaja Yoga, totalmente. Agora, eles perguntarão: “Quantas vezes devemos recitar este mantra?” Então Eu digo: “Zero vezes.” “Quantas gotas de ghee nós devemos colocar em nosso nariz?” Então Eu digo: “Um jarro cheio.” Depois “Oh, eu não deveria ter ido pelo lado esquerdo,” “eu deveria ter ido pelo lado direito.”

Então Eu direi: “Simplesmente pule.” Vocês têm de ser como crianças. Mas as ideias estão tão estabelecidas na Sahaja Yoga, são tantos anos, é claro, mas eles não deveriam se fixar nisso. Se eles se fixarem, isso não é Sahaja, não é espontâneo. “Se você fizer dessa maneira, então é errado;” “daquela maneira, é errado”, nada desse tipo. Nada é errado para vocês. Se você fizer qualquer coisa errada, suas vibrações serão perdidas, acabou-se. O que há para ser tão cauteloso? Por exemplo, alguém disse: “Eu não quero olhar para o cigarro.” Eu disse: “Por quê?”

“Olhar para ele é pecaminoso também.” Eu disse: “Ao olhar para ele, o que acontece?” “Eu sinto vontade de fumar.” Então Eu disse: “É melhor fumar de uma vez por todas.” Ou “Eu não posso segurar uma garrafa de vinho em minha mão.” “Por quê?” “Não, segurar a garrafa de vinho é pecaminoso.” Quero dizer, você pode nadar no vinho. Assim, esse tipo de compreensão deve existir. Embora Eu sempre tenha dito que se Eu digo uma coisa, você se agarrará a isso.

Então Eu sempre dito o outro lado disso, de modo que você não fique preso a nada. A Sahaja Yoga não é para ficar grudado em algo. Como alguém que tenha aprendido, digamos, certas lições… sobre a Sahaja Yoga no começo dela, eles tenham aprendido certos mantras, e eles ainda estão ficando presos no mesmo degrau. Não, não, não, não, você tem de ir em frente. Isso é só uma escada. Não fique grudado em um ponto. Nós tivemos tantos casos assim aqui. As pessoas realmente ficam desgastadas, como eles dizem. Elas continuarão lhe falando muitas ideias insensatas: “Veja, se você faz assim, então isso acontece.” Antes de tudo, não dê ideias aos outros.

Esta é uma coisa que se você decidir: “Nós não daremos ideias sobre o que está errado com outra pessoa”, metade do seu trabalho está feito. Porque você não tem de fazer nenhum trabalho, assim como Eu não faço. Qualquer um que chega: “Você é um bhoot”, “é melhor você ter isso”. Eu recebo relatos dos outros. Eles dizem: “Seus Sahaja Yogis são pessoas ofensivas.” Eu digo: “Por quê?” “Oh, eles lhe dizem: você é mau.” “Eles lhe dizem: você está possuído; eles lhe dizem:” “voce é isso, você é aquilo; eles são pessoas muito ofensivas.” Eu fico realmente chocada ao ouvir isso sobre os Sahaja Yogis, como eles podem ser ofensivos? Se alguém está sofrendo de algo, eles dizem no telefone: “Oh, é melhor você ter isso, é bom para você.”

Essa não é a forma. Nós temos de ser não somente humildes, mas também diplomáticos e gentis com os novatos, se você quiser que alguém mais entre. Mas se você decidiu… não ter ninguém mais porque você terá de colocar um outro toldo, então Eu não tenho nada a dizer. Mas se você quer que outros entrem, então é importante que você lhes fale… com uma linguagem muito doce e bela. de um modo que eles entendam. Grosseria, arrogância, exibicionismo, são inúteis. A pessoa deve entender que a Sahaja Yoga é onde… você está em alegria completa; você simplesmente fica perdido nessa alegria. Quando é o momento para lembrar quantas vezes… dar um bandhan em si mesmo? Qual é a necessidade de se dar um bandhan? É tudo uma piada para você agora, deveria ser.

Uma criancinha suga o leite da mamadeira, tudo bem, porque ela não tem nenhum dente. Mas e quanto a vocês terem esse tipo de coisa? Isso é muito infantil e mostra nenhum crescimento de forma alguma. A Sahaja Yoga deve crescer interiormente. Vocês não devem ser, nunca mais, considerados Sahaja Yogis imaturos. Eu diria: uma pessoa que é um Sahaja Yogi maduro… é aquele que consegue combinar tantas coisas juntas, com todas as belas linhas, linhas finas, finas maryadas mantidas. Mas você não pode fazer o oposto. Por exemplo, você não deve dizer: “Tudo bem, agora eu serei gentil;” “depois eu serei zangado; depois serei desse jeito;” “depois serei daquele jeito.” Isso será uma mistura. É uma personalidade estranha, de repente fico zangada, deste jeito, e depois Eu… As pessoas pensarão que você está fazendo “bharatnatyam” ou algo assim.

Mostrando todos os seus temperamentos, em cinco minutos, você mostra dez temperamentos. Esse é o crescimento dentro de você que mostrará. Assim, nós temos de ter nosso crescimento, e para o crescimento, vamos ficar silenciosos interiormente. Não vamos reagir aos outros: “Essa pessoa é assim, aquele pessoa é assim”. E quanto a você mesmo? Tambem há outras maneiras. Por exemplo, Eu falo com alguém: “Você tem este problema.” Então essa pessoa imediantamente vai a uma segunda pessoa e diz: “A Mãe me disse que você também tem esse problema, é melhor cuidar disso.” Não falei com a outra pessoa, falei com você. Mantenha isso para si mesmo.

Assim, esse “a Mãe disse” deve ser abandonado totalmente. Se a Mãe tiver de dizer, Ela o dirá. Por que você deveria comunicar? Por que você deveria dizer? Eu nunca lhe pedi para dizer isso. E compreender a Sahaja Yoga é muito simples, extremamente simples, quando você entende uma coisa: você tem de ter sua inocência intacta. Agora “Como alcançar a inocência? “, as pessoas dirão. “Como alcançar a inocência? “, isso é um circulo vicioso.

“Como alcançar a inocência? “, isso é um circulo muito vicioso. Nós temos de alcançar a inocência, através do quê? Do seu ego ou superego? Como você alcançará a inocência? A Mãe diz: “Não eleve sua Kundalini.” Eu estou sentada aqui, as pessoas simplesmente ficam fazendo assim. O que está acontecendo? Eu estou sentada aqui, sua Kundalini está lá em sua cabeça. O que você está elevando?

Agora, como lidar é o problema. É muito simples. No começo, Eu disse: “Deixe seu Guru residir em seu coração.” Como lidar? Por quê? Deixe a Mãe lidar. “A Mãe está lidando comigo.” Mantenha isso assim. Seu canal direito irá limpar. Seu lado esquerdo se limpará quando você disser: “Ninguém pode lidar comigo, mas a Mãe pode lidar comigo”, as duas coisas juntas.

As coisas darão certo. Graças a Deus, vocês têm alguém como Eu, que está sentada aqui, que pode falar assim. Pense naqueles que nunca tiveram ninguém… para falar com eles, ou estar na presença deles para dizer: “Eu posso lidar com isso ou você pode lidar com aquilo.” Agora você pode se equilibrar. Permita sua Kundalini crescer. Tudo dá certo. Como esta casa, quando Eu comprei, ou quando eles compraram, ou quem comprou – tantas perguntas e complicações – “Como? Como? Como?” Mas deu certo, está lá, totalmente intacta; nada caiu; nada deu errado.

Eu tive de gritar uma vez, tudo bem. Mas deixem-Me gritar, não comecem a gritar. Assim que Eu terminar, eles pegarão um auto-falante, gritarão ainda mais alto: “A Mãe disse assim, você é isso, aquilo.” Estou falando sobre você, a quem você está dando sermão? Mas somente você deve saber que quando estou falando algo com você, por favor o faça, por favor o faça, porque Eu sei muito; porque Eu sou o Guru, o seu Guru; porque Eu sou o Guru de todos os Gurus. E aqueles que são um guru verdadeiro… sabem que minha Mãe sabe tudo. Ela própria tem muito conhecimento. Se Ela diz algo, isso significa algo. E Eu até mesmo possa testá-lo às vezes, não importa. E desse modo que você se torna o guru.

Shivaji tinha um guru chamado Ramadasa. Naquela época, os gurus exigiam muitos testes de seus discípulos. Eu nunca exigi um teste de vocês ou qualquer coisa assim. Mas você está se testando, só isso. E o guru dele um dia disse: “Eu acho que preciso de leite de uma tigresa.” “Eu tenho de beber o leite de uma tigresa.” Metade deles morreram… e a maioria deles não deu ouvidos a aquilo. Shivaji disse: “Tudo bem, eu pegarei para você.” Ele foi nas florestas. Ele viu uma tigresa… e havia pequeninos filhotes, ela tinha pequeninos filhotes, e aqueles filhotes estavam deitados ao lado.

Ele foi e só disse “namaskar” para ela. Ele disse: “Meu guru quer seu leite”, só isso, porque os gurus são Parabrahma. As ordens deles são ouvidas pelo Parabrahma. “Meu guru, Shri Ramadasa, quer seu leite.” “Então por favor, você poderia me dar seu leite?” Então gentilmente ela se levantou, ficou em pé diante dele. Ele ordenhou o leite dela e levou aquele leite para seu guru. Isso é o que é. Vocês entenderam o significado de Gurupada? Quando você se torna totalmente unificado… com os desejos de seu guru, você alcança a posição de um guru. Mas se você ainda tem certas ideias sobre isso, então Shri Ramadasa disse: “Então Deus Alpadhrishtapaye”, Ele vê sua pequena coragem.

“Tudo bem, vão em frente, quebrem suas cabeças e depois voltem.” “Eu as consertarei.” Portanto é importante que nós façamos… uma coisa seriamente: é levar sua Mãe muito seriamente quando se trata de algum pedido. É claro, em inglês, Eu sempre direi: “Por favor, você faria isso?” Ou Eu talvez até diga: “Você faria isso?” Mas isso não deve fazer nenhuma diferença. Outro dia, quando estávamos vindo para pegar Cardiff. Eu disse que a primeira classe chegará no outro lado. Mas todos na plataforma disseram: “Não, está chegando pelo outro lado.” Eu disse: “Tudo bem.”

Nos sentamos e então eles anunciaram… que a primeira classe estava chegando neste lado, então todos nós novamente voltamos. Está tudo bem para aquelas pessoas, mas e quanto a vocês? Muitas vezes, vocês viram. E no pedido de um guru, se algo der errado também, isso deve sempre ser aceito como a lei do Divino, porque o guru é o doador da lei do Divino, não das leis mundadas. Ele lhes dá a lei do Divino. A lei do Divino, se vocês entendem, então vocês têm de se entregar a essa lei do Divino, e é desse modo que vocês se tornarão mestres dessa lei. Hoje, para um Puja ao Guru, Eu posso continuar lhes falando. Mas hoje, Eu lhes pediria para entenderem isto: por que a entrega, assim como o Islã é chamado, era tão importante? Se Deus é o seu Guru, deixe-O guiá-lo; “Vossa Vontade será feita.” Não vamos nos guiar… e também, às vezes eles tentam guiar o guru também.

Então o guru prega peças, e depois vocês caem na armadilha das peças, e então você acha isso demasiado. É melhor ouvir o que o Guru está lhe falando, e é melhor fazê-lo. Seja o que for que o Guru diga está certo. O Guru pode pedir-lhe qualquer coisa. Eu sou um Guru muito bom. Por exemplo, este Ramadasa, ele próprio pediu aos seus discípulos: “Eu tenho um furúnculo que está muito grande, ruim e infectado, “e por favor, tentem sugá-lo, porque ele está cheio de pus.” Imaginem. Eles não sabiam o que fazer, sugar o pus do Guru era demasiado. Mas Shivaji se aproximou. Ele tirou o seu chapéu, sentou-se próximo a ele e começou a sugar.

As pessoas disseram: “Como pode isso?” Ele disse: “É muito doce, muito bom.” Na verdade, ele tinha amarrado uma manga lá. É desse modo que os gurus exigiam muitos testes. Eu nunca lhes exigi um teste, e não exijam testes dos outros. Deixem-nos Comigo, Eu lidarei com todos eles um por um. Seja o que for que tiver de acontecer acontece. Na Sahaja Yoga, pensar que 100%… será rico, saudável, próspero e no topo do mundo… é uma insensatez. Se nós tornarmos muito ricos, então haverá recessão, porque os outros serão muito probres. Se nos tornarmos muito saudáveis, então ninguém se aproximará de nós, se todos nós parecermos pugilistas, quem se aproximará de nós?

Se nos tornarmos muito sábios, então as pessoas ficarão assustadas com pessoas tão sábias, eles não conseguirão entender nada, será muito difícil para eles entenderem. Então vamos ficar no centro. Nós devemos ser ricos, mas não tanto; nós devemos ser saudáveis, mas não tanto; nós devemos ser sábios, mas não tanto. Até agora, tudo bem – é desse modo que devemos proceder. Assim nos mantemos em nossas maryadas e nos tornamos belos Sahaja Yogis… que serão simpáticos com os outros; que serão capazes de trazer outros para nós; que serão capazes de projetar uma imagem de personalidades magnéticas. E isso é o que nós temos de fazer. Se tentarmos nos exibir de alguma forma, como Eu tenho visto pessoas tentarem se exibir desnecessariamente, não há nenhuma necessidade. Apenas fique em segundo plano. Se você está muito em segundo plano, apenas fique em primeiro plano. Tentem se equilibrar.

Tente se vigiar e se guiar e falar consigo mesmo. Tornem-se o seu próprio guru. Julgue-se: até que ponto você está no centro? Até que ponto você está crescendo? Quanto crescimento você alcançou? Você ainda está apegado a pequenas coisas aqui e ali? Você ainda fica preocupado com pequenas coisas? “Mãe, eu deveeria ter tirado nota 80,” “eu tirei só 75.” Oh Deus. Porque ele tirou 75, há algo bom que tem de surgir disso.

Ele tem de tomar uma lição, talvez. Ou talvez eles tenha de fazer algum outro curso. Talvez algo que é bom à ascensão dele tem de acontecer, isso deve ser observado, se vocês têm de ser gurus. Se você não consegue ver isso, como os outros poderão ver isso? Isso deve ser compreedido, não para ser colocado na mente, mas para ser compreendido no coração. No reino de seu coração, você tem de perceber isso; você tem de compreender isso no reino de seu coração. Bom que estejamos na Inglaterra, o coração do universo, estarmos falando sobre abrir nossos corações. Se vocês têm de Me colocar lá, é o oceano de amor, e para caber este oceano de amor, vocês têm de ter um coração muito, muito grande, maior do que suas personalidades, maior do que seus países, maior do que este mundo, maior do que este universo. Que Deus os abençoe.