Sahasrara Puja

Sorrento (Itália)

1989-05-06 Sahasrara Puja Talk, Sorrento, Italy, 36' Download subtitles: EN,FR,JA,NL,PT,RO,ZH-HANS,ZH-HANTAdd subtitles: Download video (standard quality): View and download on Vimeo: View on Youku: Download audio:


Feedback
Share

Sahasrara Puja Sorrento (Itália) 6-5-1989

A noite passada… foi uma noite de completa escuridão… que eles chamam de Amavasya, e somente agora a primeira fase da lua começou. Hoje nós estamos aqui… para celebrar o dia em que o Sahasrara foi aberto. Vocês também viram na fotografia, ela era na verdade uma fotografia do Meu cérebro… que mostrou como o Sahasrara foi aberto. A luz do cérebro agora pôde ser fotografada, é algo fantástico que esses tempos modernos têm feito. Assim, os tempos modernos têm trazido muitas coisas… que podem provar a existência do Divino, também podem provar… a Meu respeito, pode convencê-los sobre o que Eu sou. Isso é muito importante porque nos tempos modernos, este Advento tem de ser reconhecido, tem de ser plenamente reconhecido, essa é uma das condições para todos os Sahaja Yogis. Agora, vamos ver o que está acontecendo nos tempos modernos, nos cérebros das pessoas. Nos cérebros das pessoas hoje em dia, se você observar, há um ataque no Sahasrara. Tem havido um ataque desde muito tempo, mas nos tempos modernos é do pior tipo, pois eles estão tentando tornar a área límbica muito insensível. Romances muito depressivos, pensamentos muito depressivos… e música muito depressiva, vocês podem dizer, como a insensatez da tragédia grega. Todas essas coisas vieram do período medieval até que, devemos dizer, essa nova era começou.

Aquela época propriamente dita não foi boa para nossa área límbica, ela nos tornou muito depressivos, nós nos entregamos ao alcoolismo… para escapar dos assim chamados sofrimentos. Mas depois veio essa era moderna, na qual as pessoas se tornaram hiperativas, a hiperatividade começou, com isso, o cérebro também se tornou hiperativo. Em acréscimo ao embotamento anterior, o cérebro foi ao outro extremo da hiperatividade, então para entorpecê-lo novamente, eles se entregaram às drogas, passaram a gostar de músicas muito horríveis, é desse modo que eles tornaram esta área límbica… muito, muito insensível. Assim, uma droga que era apenas um estímulo, primeiramente, devia ser tomada em quantidades maiores. Mais tarde, eles tiveram de tomar as drogas… que eram de um tipo muito mais forte. Continuaram assim e agora nós sabemos que essa droga… é a única forma que as pessoas acham que podem sobreviver. Por quê? Por causa da tensão sobre a qual eles falam. Nos tempos modernos, nós temos algo chamado “tensões”. Nunca existiu antes, as pessoas nunca falavam sobre suas tensões.

Agora todo mundo diz: “Eu estou sob tensão, você me causa tensão.” O que é essa tensão? É por causa do Meu Advento. A área límbica deseja saber a Meu respeito. E a Kundalini também, à medida que a Sahaja Yoga está crescendo, está tentando se elevar nas pessoas, porque vocês se tornam os canais, onde quer que vocês vão, vocês geram vibrações, e essas vibrações… transmitem um desafio à Kundalini ou uma mensagem, e em várias pessoas, Ela se eleva. Ela talvez não se eleve até o Sahasrara, ou Ela pode até mesmo se elevar até o Sahasrara, mas Ela desce porque não há nenhum reconhecimento. Assim, toda vez que eles fazem alguma coisa, esta Kundalini se eleva e lhes causa uma pressão, porque o Sahasrara deles não está aberto. Ele é uma porta fechada. Por causa da porta fechada, isso lhes causa um tipo de pressão na cabeça, que eles não compreendem, e eles chamam isso de “tensão”. Na verdade, a Kundalini está tentando forçar-se para fora, mas Ela não consegue.

E aqueles também que obtêm a Realização, se eles não fizerem com que o Sahasrara deles fique bem, eles continuarão sendo acometidos por tensões. Assim, embora o Sahasrara tenha sido aberto há muitos anos atrás, nós ainda temos algumas coisas a serem feitas, para limpar nosso Sahasrara antes de mais nada. Assim, primeiro é a abertura do Sahasrara, então Ele se abriu, o Brahmarandra se abriu, então nós começamos a sentir a Graça Divina, e Ela moveu-se por dentro de nosso Ida e Pingala, a Graça Divina, não a Kundalini. E a Graça Divina que é o Chaitanya por todos os lados… aliviou nossos canais esquerdo e direito, por meio dos quais nossos chakras abriram-se mais, e mais fios da Kundalini começaram a atravessar. Assim Eu sempre digo aos Sahaja Yogis que é importante que meditem. Se seu Sahasrara estiver bem, todos os seus chakras estarão bem, porque como vocês sabem, os pithas… ou os centros de controle de todos estes chakras estão no cérebro, em volta da área límbica. Assim, se seu Sahasrara está limpo, tudo funciona de uma maneira bem diferente. “Como manter o Sahasrara bem? “, é o grande problema que as pessoas sempre Me perguntam. Vocês sabem que Eu resido no Sahasrara, Eu encarnei no lótus de mil pétalas, é por isso que Eu pude abri-lo também.

Como Eu sou hoje, como vocês Me veem, é claro, eles dizem “Sahasrara e Mahamaya”. Assim, essa é a ilusão que está presente o tempo todo para vocês, que é muito ilusória. Isso tinha de ser desta forma, porque caso contrário vocês não poderiam ter Me encarado, com todas as luzes saindo de Mim… ou na forma que vocês viram ontem o Sahasrara, um tipo de cores abstratas lançadas por todos os lados… e as luzes lançadas para fora. Por favor, não tirem fotografias quando estou falando, tudo bem? Vocês podem tirar mais tarde. Não há nenhuma pressa. Apenas prestem atenção em Minha palestra. Por favor, prestem atenção, isso é importante. Deve ser falado com antecedência que ninguém deve tirar fotografias… durante o Puja, porque ele é uma coisa muita intensa, que a pessoa tem de trabalhar. Por favor prestem atenção.

Mesmo que vocês não entendam, ele tem efeito em vocês. Então Eu lhes pediria que prestassem completa atenção… em Mim quando Eu estiver falando. Funciona melhor. Agora, este Sahasrara tem de ser cuidado por vocês, ele é o templo de sua Mãe. Quando vocês dizem que Me colocam no coração, na verdade, vocês Me colocam no Sahasrara. Porque como vocês sabem, o Brahmarandra aqui é a área óssea da fontanela que tem o pitha, o centro que controla o coração, que é a sede de Sadashiva… ou, vocês podem dizer, de Shiva. Então quando vocês Me colocam no coração, na verdade Me colocam lá. Assim, elevá-La do coração para lá ou trazê-La de lá para o coração… é o problema de dois tipos de pessoas. Algumas pessoas são sensíveis em seu coração, Eu diria, na Europa, podemos dizer que os italianos são muito sensíveis em seu coração, a primeira coisa que eles fazem logo que Me veem… é colocar suas mãos no coração. E isto é o que acontece: se vocês tentarem Me sentir em seu coração antes de mais nada, é muito mais fácil.

Sentir-Me em seu coração. Agora vocês podem dizer: “Como fazer isso?” Vocês têm de Me amar como Eu os amo. Vocês têm de amar cada um de vocês, porque todos vocês estão dentro de Mim. E você não pode ensinar alguém a amar. O amor está dentro… e o amor se manifesta, se você apenas abrir seu coração. Agora, o que impede isso, nós devemos examinar. Primeiramente o condicionamento. No Ocidente, expressar seu amor… é considerado pecaminoso na verdade. Leva tempo para dizer: “eu amo você”, mas “eu odeio você”, até mesmo uma criança segue dizendo, “odeio você, odeio você, odeio você.”

Mas odiar alguém é pecaminoso, para qualquer pessoa odiar é pecaminoso. Portanto dizer “odeio você, odeio você” é um ato pecaminoso. Então o que a pessoa tem de fazer é dizer, continuar dizendo: “eu amo você.” Afinal, você deve amar uma pessoa que lhe é tão querida. Qualquer pessoa que lhe tenha feito algo bom, você ama essa pessoa. Mas se a própria Adi Shakti lhes deu o renascimento, deveria ser a coisa mais fácil amar. E se Ela diz: “Todos eles estão dentro de Meu corpo”, então deveria ser ainda mais fácil amar uns aos outros. Assim, toda a purificação do Sahasrara… é feita através desse amor, esse amor que não é condicionado, que não é inibido, que não deseja nenhum descanso, não deseja nenhum retorno, nirvach, mas os condicionamentos são demasiados. Primeiro o problema do condicionamento surge em você, onde você pensa: “Essa condição me faz odiar alguém” ou… “eu não posso amar alguém porque este é o condicionamento.” Mas na verdade, o próprio condicionamento é tão absurdo, se você observá-los um por um.

Para tornar isso simples, Eu gostaria que vocês entendessem… a parte relativa ao condicionamento, considerando que Eu li uma vez um artigo, um interessante: “Quem matou o romance?” Então ele disse: “Os cabeleireiros.” Eu fiquei Me perguntando como é que ele está conectando… o romance aos cabeleireiros. Porque as pessoas costumam ir a um cabeleireiro… e uma pessoa gosta do corte de cabelo. Então a pessoa diria: “Eu adoro este corte de cabelo”. Agora, vamos supor que a noiva ou a esposa dele usou um outro… tipo de corte de cabelo, porque todos os dias coisas novas estão surgindo, então imediatamente o marido diria: “Oh, eu odeio você por causa do seu corte de cabelo.” Porque ele adora um tipo de corte de cabelo, é por isso que ele ama, do contrário, se você usa um outro corte de cabelo, você o odeia, “eu não gosto disto.” Dizer “eu não gosto disso” e “eu gosto disso” por si só é um sinal… de que esse condicionamento está excessivo. Você faz um corte de cabelo apropriado… e veste-se apropriadamente e sai, e então de repente as pessoas dizem: “Oh, odeio isto.” Quem é você?

Que direito você tem de dizer isso a alguém? Você não é um juiz nomeado por nenhuma corte, então por que dizemos “odeio isto” para ferir alguém? Pelo contrário, você deve dizer: “Tudo bem, eu gosto disto, mas você poderia fazer melhor.” Esse é o sinal de amor onde você quer que uma pessoa se vista… de uma maneira que seja agradável. Mas isso é num nível muito, muito mais baixo que vemos as pessoas. Então nós vamos adiante para observar uma pessoa, o quanto ela é inteligente, o quanto é esperta, o quanto é carismática, o quanto é charmosa – esta é uma outra palavra que é muito ilusória. Esses são também tipos de condicionamentos… de mente em que você acha que um determinado tipo de pessoa é uma… pessoa adorável, que você ama essa pessoa, é muito externo. Ou algumas pessoas na verdade não amam, mas mostram que amam porque alguém tem mais dinheiro. E ele não irá dividir o dinheiro, sem dúvida, mas você ama aquela pessoa porque ela tem mais dinheiro. Ou ele tem um carro melhor ou é bem vestido, seja o que for.

Assim, esse tipo de ideia que a pessoa tem… também é um exterminador do amor. Se o amor é morto, a alegria é perdida. Você não pode ter alegria sem amor. Eu digo que alegria e amor, ambos são exatamente o mesmo. Depois isso se torna mais sutil, cada vez mais sutil, então começamos, por exemplo, a amar nossos próprios filhos, isso é muito comum. Quero dizer, é claro, algumas pessoas também não amam… nem mesmo seus filhos, há todos os tipos. Mas depois eles continuam: “este é meu filho, este é meu filho, este é meu filho.” Isso novamente é a morte do amor. Como Eu lhes disse antes, a seiva da árvore sobe, vai para cada fruto, vai para cada folha, vai para cada parte e retorna, ela não é apegada. Se você é apegado a uma parte ou a uma flor porque ela é mais bonita, então a árvore morrerá e a flor também morrerá, assim isso é a morte do amor.

Então, você tem de ter amor, que não fica envolvido ou apegado. Toda vez que Eu falo assim, eles dizem: “Como fazer isso?” O amor do Espírito é desse tipo. O amor da mente condicionada é diferente. Uma mente condicionada pode amar de uma maneira limitada, porque ela está condicionada. Então, o maior inimigo do amor é o ego dentro de nós, que é como um balão no topo de nossa cabeça, e esse ego nós causa uma tensão muito grande. O condicionamento, é claro, por exemplo eles veem, digamos por exemplo, eles veem um tapete. Agora, de acordo com o condicionamento deles, ele não é bom, então eles dirão: “Oh, que tapete é este”, ou algo assim, esse tipo de condicionamento de nível muito baixo. E o nível mais elevado é no máximo… vocês amarem seu próprio país. Assim, “meu país é o melhor, quer ele esteja matando pessoas, quer ele esteja destruindo a paz mundial, tudo bem, “porque pertenço a um determinado país, que é o melhor.”

Nós nunca conseguimos criticar nosso país ou os compatriotas. Isso continua cada vez mais sutil, mas no lado da inteligência é ainda pior. Porque inteligentemente se você entendeu que alguma coisa é boa, então ninguém pode salvá-lo. Porque você entendeu através de seu cérebro. Na verdade, isso é surpreendente, Eu estava lendo o livro.. escrito por Rabindranath Tagore, e um inglês fez um prefácio muito bonito, uma introdução, e ele disse: “A criatividade está morta no Ocidente.” Então ele perguntou a um senhor que era um crítico indiano, ele disse: “Vocês não criticam seus poetas? Vocês não têm críticos?” “Sim, sim, nós temos, eles criticam.” “Então o que eles criticam?” “Oh, eles podem criticar que nesta época não houve chuva,” “então tivemos problemas e coisas assim.”

Ele disse: “Não, não, não, não, estamos pensando nos poetas.” “Eles criticam o poeta? Eles criticam um artista?” Então ele disse: “Isso é para ser criticado?” “Isso é criado.” “Seja o que for que ele sentiu, foi criado,” “mas vamos supor que ele tenha apresentado algo muito vulgar,” “então é claro nós não gostamos disso,” “mas se for criado por uma bela mente, tem de ser belo,” “então você não critica.” Ele disse: “Não, porque nós não conseguimos criar desse jeito.” “Então o que você conseguiu criar?” É desse modo, inteligentemente o que nós temos feito? Nós temos normas a respeito de tudo, a respeito da arte, a respeito de toda criação.

“Não gostamos deste tapete?” “Por quê?” “Porque ele não agrada nossa compreensão intelectual…” “das normas que atingimos e nesta estrutura,” “ele não se encaixa, então nós não gostamos dele.” Você pode criar sequer um centímetro dele? Assim, este ego lhes dá uma ação não autorizada, que é não autorizada, Anadhikar Chechtha, não autorizada. Você não tem nenhuma autoridade para criticar. Você não pode fazer nada. Então por que você deveria criticar? É melhor apreciar e ver por si mesmo que você não tem… autoridade, você não é digno disso, de criticar. Se você não é digno disso, por que você deveria criticar qualquer coisa?

E de qualquer forma também, você deve saber que você é um escravo do seu ego. Seja o que for que o ego ordene e sua inteligência, a assim chamada inteligência, leva-o a um ponto, a alguma norma. E depois isso torna-se um ego coletivo de uma determinada… comunidade, de um determinado país, de determinadas ideologias. É coletivo. Então depois eles dizem: “Oh nós, vejam, nós achamos que isso não é arte.” Essa é a razão pela qual não podemos nunca mais ter mestres na arte. Não podemos ter Rembrandt, não podemos. Pobre Rembrandt, ele próprio deve ter sofrido muito. Vocês sabem que Gauguin sofreu muito, todos esses artistas sofreram muito, mesmo Michelangelo sofreu muito. Não somente financeiramente, não somente financeiramente, mas também crítica, crítica, crítica.

Então Eu acho que as pessoas desistiram. Eu encontrei um artista que tinha feito muitos trabalhos artísticos… e Eu disse: “Por que você não Me mostra?” Ele disse: “Não, eu não quero Lhe mostrar. Isso foi criado para mim mesmo.” Eu disse: “Eu gostaria de ver.” Eu vi, era bonito, muito bonito. Eu disse: “Por que você não mostra.” Ele disse: “Não adianta, as pessoas apenas criticarão.” “Eu faço isso para meu próprio prazer,” “eles simplesmente estragarão toda a alegria da minha criação.” Assim, uma das coisas básicas que devemos evitar é criticar os outros.

É melhor criticar a si mesmo. Critique a si mesmo, critique seus irmãos e irmãs, critique seu país, critique todos os hábitos que você tem e ria de si mesmo, é a melhor maneira. Se você souber como rir de si mesmo, então você não se oporá… ou não ficará no caminho de nenhuma criatividade de uma outra pessoa. Assim, com o ego, você torna-se tão desautorizado, você pode criticar qualquer coisa. Você acha que tem o direito. Quem lhe deu esse direito de criticar? É a pergunta que a pessoa deve fazer a si mesma. Como podemos criticar alguém? Como santos, como vocês são agora – é claro você pode distinguir quem está bloqueado, quem tem emitido vibrações ruins, quem tem problema, você sabe disso. Você sabe disso, não é condicionamento, não é somente você fazendo porque há algum ego, mas você está sentindo isso nas pontas dos seus dedos, é uma percepção verdadeira dentro de você.

É o Bodha através do qual vocês sabem, então o que você deve fazer? Em seu amor, você tem de falar com a pessoa, se possível, assim: “Isto está errado em você, é melhor ser corrigido”, mas de uma maneira que a pessoa corrija isso. Ao contrário, se você lhe falar de uma maneira que ela fique ainda… pior do que está, você não amou essa pessoa de forma alguma. Permita todo mundo crescer. Há muitas pessoas na Sahaja Yoga que são muito, muito boas, excelentes, sem dúvida, mas também há algumas pessoas… que podemos chamar de muito difíceis, muito. Há algum tipo de rachadura na cabeça delas ou algo assim, essa parte está faltando algumas vezes, alguns parafusos estão frouxos, Eu acho. Às vezes elas se comportam como palhaços, nós conhecemos algumas pessoas assim, simplesmente não se pode ajudá-las. Elas poderiam ser muito inteligentes também; elas poderiam ser muito ríspidas também. Mas na Sahaja Yoga, elas não podem chegar a esse nível onde… vocês podem dizer: “Agora o crescimento é possível.” Vamos supor que a Mãe Terra fosse muito quente como o sol, não teria havido nenhum crescimento, ou se Ela fosse fria como a lua, não teria havido nenhum crescimento.

Ela tinha de vir para o centro, onde Ela tinha ambas as coisas… em proporções adequadas para crescer. Da mesma maneira, um ser humano tem de trabalhar… de modo que mantenha uma moderação e um equilíbrio… e compreenda que não deve ir aos extremos em nada. Esse equilíbrio você aprende quando ama alguém. Na Sahaja Yoga, como vocês sabem, nós tivemos de pedir algumas pessoas que saíssem da Sahaja Yoga, isso é por causa do amor por elas, porque uma vez que elas saiam, elas melhoram, Eu tenho visto que elas melhoram tremendamente. Mas quando elas estão dentro da comunidade Sahaja Yoga, elas se tornam um estorvo, e elas querem ser mais incômodas, porque é o ego delas que está atuando, talvez o condicionamento esteja atuando, seja o que for. Elas querem ser um estorvo, então nós temos de lhes pedir: “Por favor, saiam por algum tempo.” Agora, se esse valor de inconveniência está perdido numa pessoa, então ela tem de ser franca. Ela não pode ser nunca mais um estorvo. E logicamente, isso pode agradar uma pessoa se você lhe disser: “Esta é a razão pela qual nós queremos que você saia.” Mas eles podem ser repugnantemente problemáticos, Eu sei disso.

Mas você tem de mostrar total paciência e total compreensão, e você deve falar como uma pessoa que ama. O amor tem um poder tão grande que ninguém quer fazer algo… que dê a impressão que eles não amam, ele é uma coisa muito poderosa. Ele une as pessoas de uma maneira tão bela… que a pessoa quer fazer algo. Por exemplo, vocês querem Me dar flores, porque vocês sabem que Eu amo flores. Então vocês querem Me dar flores para mostrar: “Mãe, nós A amamos”, vejam, apenas para mostrar. Eu sei que vocês Me amam, mas vocês querem apenas meio que reforçar isso, o pensamento em Mim. Assim, vocês querem Me dar uma flor para mostrar o seu amor e a expressão do seu sentimento interior por Mim. Então, todas essas coisas materiais podem ser usadas para expressar seu amor. Elas podem ser muito facilmente expressas de uma maneira… que uma outra pessoa saiba o que é amor, mas todo o poder do Sahasrara é amor. Então, se você vê que este cérebro tem de amar, o cérebro tem de amar.

Depois, nesse momento, verificando os poderes da Sahaja Yoga através de seu cérebro… e de sua inteligência, se você alcançar um ponto onde compreende: “Não, é inútil analisar, sintetizar, fazer todas essas coisas,” é apenas amor, é puro amor.” Então, o mesmo Sahasrara que foi usado antes, este cérebro, para analisar, para criticar, para fazer todos os tipos de coisas insensatas, agora quer amar e desfrutar o amor, e há o auge onde o cérebro apenas ama, essa é a situação que a pessoa tem de alcançar. O cérebro apenas ama, ele só conheçe o amor, porque ele viu o poder do amor. Você chega a uma certa conclusão lógica e depois vê o ponto, como Adi Shankara escreveu muitas coisas como Vivekachudamani, isso, aquilo, e todos aqueles tratados, e depois ele desistiu, ele disse: “Não, nada disso.” Ele apenas escreveu o louvor à Mãe, acabou-se. Então, uma vez que você alcance esse ponto, você pode dizer agora que você está em Nirvikalpa, porque não há nenhuma vikalpa, não há nenhuma dúvida em sua cabeça. Porque você ama, no amor você não duvida, não há nenhuma dúvida. Somente quando você pensa, você duvida, mas quando você ama, você não duvida, você apenas ama, porque você desfruta o amor. E é por isso que amor é alegria e alegria é amor. Assim, após tantos dias, o Sahasrara foi aberto.

Nós temos de abrir nosso Sahasrara novamente através… de nossos processos meditativos, através da compreensão de nós mesmos e dos outros, talvez logicamente alcançando esse ponto, não há outra saída agora. Nós alcançamos o final disso agora, toda a lógica terminou agora, salte no oceano de amor, acabou-se. Uma vez que você salte no oceano de amor, não há nada a ser feito, apenas a ser desfrutado, cada onda dele, cada nuance dele, cada toque dele. Isso é o que a pessoa tem de aprender pela conclusão de que… a Sahaja Yoga é somente amor. Que Deus abençoe todos vocês.