Talk to Sahaja Yogis on Children at Girvins Ashram

Givrins Ashram, Givrins (Switzerland)

1990-09-21 Arzier Switzerland Talk, DP, 45' Download subtitles: CS,EN,FI,LT,PT,TRView subtitles: Add subtitles:
Download video (standard quality): Download video (full quality): View and download on Vimeo: View on Youku: Transcribe/Translate oTranscribe


Talk Arzier, Talk on Children at Girvins Ashram (Switzerland), 21 September 1990.

E assim há muitos caçadores… que estão tentando descobrir esse castori, esse almíscar, e eles estão procurando – eles estão procurando o cervo.

Assim, por favor, mantenham seu cervo, isto é, a inocência. A inocência das crianças está sendo atacada agora, está sob ataque, e há um grande ataque avançando sobre a inocência… de modo que vocês têm de cuidar, ser cuidadosos com seus filhos. Harane significa esses cervos, porque o cervo é uma criatura pequena, então sejam cuidadosos com esses cervos, tomem conta deles. A condição plena é mantê-los puros, mantê-los protegidos. Pode chegar o momento em que sentiremos… nossa própria respiração como algo estranho, como se ela não fosse nossa, estranha. Por isso mantenham-se unidos uns com os outros, porque o momento é muito escuro. É uma mensagem muito bela para todos os Sahaja Yogis. E isto é o que vocês têm de entender: vocês devem tentar compreender seu líder. Eu quis falar para o coletivo hoje aqui… sobre… o que aconteceu na Suíça, também… que nós tínhamos Arneau aqui, e Arneau se tornou muito canal direito e isso e aquilo. Então como resultado disso, os suíços se tornaram o oposto, Eu acho.

É um tipo de sentimento… de que assim como Arneau foi – há uma pressão, Eu acho, sobre o novo líder, que é um homem muito bom e ele é muito bom. Assim, se vocês pressionarem, então nada dará certo. Então, por favor, lembrem-se que vocês têm de ouvir seus lideres, até que Eu faça alguma coisa em relação a isso. Mesmo em relação a Arneau, Eu lhe dei apoio inteiramente, e quando ele estava errado, nós o removemos. Assim, ninguém deve desafiar o líder, senão não pode haver ninguém que seja Minha autoridade, nada pode fluir. É como parar completamente o fluxo da Kundalini. Portanto, não desafiem seus líderes. Eu percebo que há um grande – Eu percebo aqui muito claramente, que o Agnya está crescendo nas pessoas. As pessoas estão desenvolvendo Agnyas e isso está surgindo… somente porque a pessoa pensa: “Oh, esse foi o Arneau, ele fez assim,” “e agora é o Mathias.” “Então Mathias deve ser assim também, pois ele é a autoridade.”

Essa não é a maneira. Vocês têm de aceitar a autoridade dele. Se não aceitarem a autoridade dele, o Agnya de vocês se bloqueará… e vocês se tornaram pessoas muito canal direito. Tomem muito cuidado. Eu estou notando… que o Agnya na Suíça está muito grande… e Eu devo lhes dizer, avisá-los: sejam sensatos. Toda a Minha energia flui através de seu líder, até que ele a interrompa. Assim, Eu estou no comando lá para cuidar desse ponto. Agora, vocês têm de aprender a se entregar. Senão o ego de vocês aumentará demais… e todos vocês aumentarão o ego, Eu tenho certeza, se continuarem assim, um por um, vocês se tornarão muito egoístas. Agora, o modo como o ego surge tanto no ocidente, Eu estudei e descobri a razão disso, porque essas pessoas no ocidente são tão orientadas para o ego.

Qual é a razão? A razão é esta: uma criança até a idade de cinco anos é orientada para o ego. Ela brinca sozinha, você lhes dá brinquedos, todas elas terão seus próprios brinquedos, brincarão com eles… e não incomodarão umas às outras. Mas se elas incomodam umas às outras, então elas se tornam violentas ou podem ser muito brutais também. Elas estão sempre vivendo de uma forma paralela. “Faça o seu trabalho, que eu faço o meu trabalho”. Se vocês as deixarem: “Isto é meu, isto é meu”, todas elas brincarão sozinhas. E elas ficam naquele momento completamente orientadas para o ego. Se você perguntar a uma criança, você está em pé ali: “Agora, o que você vê?” Então ela verá esta cadeira, ela Me verá, verá isto e aquilo.

Se você perguntar de lá, ela não dirá que ela vê alguma outra coisa, ela verá o mesmo que ela vê daqui, ela está em pé deste lado, mas ela nunca verá a situação de uma outra pessoa. Assim é a criança. Digamos, por exemplo, que exista uma parede aqui, a criança está em pé aqui e há alguma coisa no meio. Então você pergunta para a criança: “O que você vai ver do outro lado?” Ela dirá a mesma coisa que ela vê de onde ela está em pé. Ela não será capaz de dizer o que a outra pessoa está vendo. Assim, isso é que é essa orientação para o ego, é muito forte. E porque vocês – Eu devo dizer, isto é uma coisa muito – Eu acho, uma afirmação que Eu tenho de fazer muito claramente, que na cultura de vocês, seja qual for, a cultura de hoje destes países, a cultura de hoje, Eu estou dizendo, é esta que só desenvolve o seu ego. Os pais ficam muito felizes se você está ocupado consigo mesmo. Eles não querem assumir nenhuma responsabilidade, não querem corrigir você, não querem falar com você: “Não faça isto, não faça aquilo”, e seja qual for a forma como as crianças estão indo, elas estão indo.

Eles não querem se preocupar. Até mesmo o que tenho notado nos ashrams também é que… se alguém corrige a criança, eles fazem uma grande objeção. Eles são muito sensíveis em relação aos seus filhos, e é muito ruim, porque isso tornará as crianças extremamente orientadas para o ego. E Eu tenho visto no ocidente que as pessoas … são extremamente sensíveis em relação aos seus filhos. Ninguém ousa dizer nada a eles. Mas ao contrário disso, devo dizer… que a cultura indiana ainda manteve costumes muito sensatos. É por isso que a sociedade deles é a melhor no mundo inteiro. A economia deles é horrível, a política deles é a pior, você pode dizer que eles são totalmente inúteis para muitas coisas, mas no nível da sociedade, eles são os melhores. A razão é que as mulheres assumiram a responsabilidade… de cuidar da sociedade. Eu lhes contarei, nós éramos muito adultos, Eu estava na faculdade, Minhas irmãs também estavam na faculdade.

Um dia, nós estávamos vindo, passeando a pé e… estávamos apenas – havia uma piada, então todas elas começaram a rir, havia alguns amigos também. E uma senhora estava passando de carro, uma amiga de Minha mãe. Então ela foi e contou para Minha mãe: “Eu vi suas filhas com outros amigos e elas estavam rindo na rua.” Assim que nós chegamos, ela gritou: “Como ousam?” Nós tomamos um susto, e não sabíamos que aquela senhora estava vindo… daquele lado. Ela disse: “Como ousam?” “Como puderam fazer aquilo? “, naquele idade. E qualquer uma das amigas dela podia nos repreender, qualquer uma. Podem dizer qualquer coisa para nós: “Não façam assim.”

“Porque vocês estão agindo assim?” Então este ego quebra. Mas, se você não permite que os outros corrijam seus filhos, o ego deles nunca se quebrará, e é por isso que nestes países, países ocidentais, as pessoas são tão orientadas para o ego. Elas não cresceram fora do ego. não cresceram fora do ego. Antes de tudo, eles nunca quiseram ser corrigidos, nunca. Mesmo nesta idade, se Minha mãe estivesse viva, ela teria Me corrigido. E Eu nunca teria Me sentido mal, qualquer um, qualquer um de nossos amigos ou qualquer um, porque Eu sei… que é para Minha benevolência que eles estão fazendo isso. Mas um tipo de, vejam, coisa que aconteceu aqui, Arneau foi demais para um lado. Ele ficou possuído, ele exagerou, e isso acontece também através de algumas outras pessoas.

Patrick também está tendo o mesmo problema lá, e tudo mundo está tendo o mesmo problema em todo ashram. Agora, não é que você deva dominar seus filhos ou qualquer coisa assim, mas se eles estão se comportando mal, imediatamente a pessoa… que vê que a criança está se comportando mal pode corrigi-la. Não deve haver isto: “Este é meu filho.” “Como ousas falar assim? “, ou sentir-se mal em relação a isso. Uma vez que comecem a desenvolver este tipo de “meus filhos, meus”, as crianças então se tornam totalmente orientadas para o ego, e vocês nunca as permitirão crescer fora disso. Elas nunca conseguem ver qual é o ponto de vista do outro. Agora, digamos por exemplo, nós aprendemos isso não somente através de nossa mãe, de nosso pai, mas através de todos. Eles diziam: “Você não deve fazer assim.” Nós sabemos tantas coisas, pequenas, pequenas coisas.

Por exemplo, essas garotas Me disseram – não daqui, mas de um outro ashram, não na Suíça – “Olhe para eles. Eles vieram de um lugar quente…” “e só bebem a água, bebem.” Na Índia, ninguém faria isso. Como, como nós sabemos? Porque se alguém nos vê fazendo isso, ele dirá: “Não,” “você deve comer algo, coma um pouco de carboidrato, depois beba água.” “Por que você tomou isso?” E ninguém se oporá. Assim, toda a sociedade fica treinando as crianças. Ninguém tem nenhuma objeção. Guido também tinha um problema, do mesmo jeito.

Ele tentou corrigir as crianças, os país comentavam. Na Índia, ninguém ousa dizer nada ao professor. É por isso que… os professores são respeitados. Se o professor diz, tudo bem. Elas não têm nenhum respeito pelos professores, nenhum respeito. Afinal de contas, elas não têm respeito nem mesmo pelos pais delas, porque elas descobriram: “Nós somos orientados para o ego.” A forma como aqui os filhos falam com os pais, o modo como se comportam, eles não têm nenhum respeito por ninguém, e então eles não têm nenhum respeito por eles mesmos. Eles se tornam pessoas totalmente sem vergonha. Portanto, para fazer seus filhos crescerem apropriadamente, permitam-nos se envolverem na coletividade completamente. Agora, na família de Meu marido, nós temos pelo menos cem pessoas.

Quando vamos juntos para algum casamento, festa ou algo assim, nós somos pelo menos cem pessoas vivendo sob um teto, uma cozinha. E todo mundo sabe até que ponto ir. Ninguém se sente mal. É claro, eles também amam os filhos, eles fazem tudo por eles, mas se for para ser corrigido, deve ser corrigido, e ninguém se sente mal. E é por isso que as crianças ficam apegadas demais, e é impossível penetrar na concha do ego delas. Ele continua crescendo, crescendo, crescendo. E mesmo que elas tenham a Realização mais tarde, mesmo que elas sintam, o ego ainda está presente, porque ele já foi inflado pelos pais, os pais já colocaram este ego na cabeça delas: “você é alguém especial.” E é desse modo que acontece. Outro dia, Minha filha mais nova – ela está bem crescida e tudo mais – ela estava lá em casa… e ela começou a repreender sua filha. Então Worliker veio e disse: “Por favor, não repreenda, eu não escutarei isso nunca mais.”

Ela simplesmente ficou calada. Ela não se sentiu mal em relação a isso. Ela não se sentiu mal, porque nós indianos compreendemos isso. Qualquer um pode nos corrigir, e aceitamos isso como uma coisa boa. Graças a Deus há alguém para nos corrigir. Do contrário, nós ficaremos pendurados nas árvores. Por exemplo, Avdhut uma vez Me perguntou quando ele era pequeno, ele disse: “Vamos supor que deixemos nossos pais,” “os bhoots vão embora? Os que os pais têm, os bhoots deles vão embora?” Eu disse: “Não, eles irão com você.” Então ele disse: “Então por que essas pessoas deixam seus pais?”

“Porque vamos supor que eu me afaste de meus pais…” “e amanhã eu sinta vontade de fumar, quem irá me corrigir?” “Não haverá ninguém para me corrigir, se meus pais não estiverem comigo.” Isto é considerado como algo importante, uma grande bênção: você ter pais, os mais velhos, para corrigi-lo, lhe falar algo. E quando Minhas filhas se casaram, nós éramos pessoas importantes, não éramos jovens ou algo assim, CP era o presidente da Shipping Corporation e tudo mais, a irmã dele, ela é cerca de oito, nove anos mais velha, ela disse: “Para este casamento, você tem de pintar suas unhas.” Agora imaginem, CP pintando as unhas dele. Ele de fato pintou. Ele pintou, e depois ele teve de usar dhoti dez vezes. Ele teve de fazer aquilo, ele ficou muito (…). Nós fomos a um outro casamento no… Algo assim. Ele disse: “Olhe para eles.

Eles também estão usando ternos.” Eu disse: “Graças a Deus, nós temos – você tem uma irmã.” Alguém que lhe dirá o que deve ser feito. Vocês devem aprender essa obediência. A menos e até que vocês aprendam a obediência e… alguém corrija seu filho, não digam nada. Simplesmente não digam nada. Deixem seu filho ser cuidado por todo mundo. Senão isso será muito ruim para eles também. Embora eles tenham nascido realizados, vocês não estão lhes dando o treinamento correto, não. O termo “meus filhos” deve ser abandonado imediatamente.

Eles são filhos de todo mundo. Anand veio e ficou com ele. Pergunte-lhe que… tipo de menino ele era. Uma joia de pessoa. Se ele lhe diz: “Anand, não faça assim”, ele nunca se sentirá mal, nunca. Nós achamos que é uma bênção haver alguém para nos dizer. E então, isto é o que Eu descobri mais tarde: o ego é como um balão. Se você não inflar o balão de forma alguma, se ele não for inflado, então é difícil inflá-lo. É por isso que aqueles… que não desenvolveram esse ego são muito fáceis. É por isso que os indianos não entram nessa viagem do ego facilmente.

Nunca é permitido o balão deles crescer. Mas aqueles que estão no ocidente, eles não são nada além de ego. Você faz alguma coisa, o balão começa a crescer. Então nós tivemos um (…) conosco, e toda vez que ele entrava no carro, ele ficava muito estranho, muito arrogante. Então Eu perguntei para alguém: “Por que ele é tão arrogante?” A pessoa disse: “Mãe, porque ele está dirigindo um Mercedes.” Eu disse: “O quê? Mercedes?” “Ele não é nem dele nem Meu. Por que ele deveria ficar orgulhoso disso?”

Algo estúpido. Portanto, o ego o torna estúpido. Esta é a coisa principal: ele o torna completamente estúpido. E há uma história importante sobre isso no Ramayana, como uma pessoa pode se tornar estúpida. E é por isso que vocês ficam pasmados muito facilmente. Recentemente alguém Me disse: “Mãe, começou uma nova moda,” “todas as mulheres usam seus cabelos deste jeito na testa.” Eu disse: “Verdade?” Ela disse: “Sim, veja, Mãe.” Eu vi todas as Sahaja Yoginis usando o cabelo delas deste jeito. Ontem também, no programa todas elas estavam usando o cabelo deste jeito.

Elas não têm nenhuma personalidade. Qualquer um que comece alguma coisa, elas o farão. Elas não têm nenhuma individualidade. Elas não têm nenhuma base tradicional. “Não, isto é uma roupa moderna. Eu não vou usar algo assim.” “É deste modo que me visto,” “é deste modo que eu vivo. Por quê? Por que eu deveria fazer isso?” Amanhã, eles dirão que você tem de usar um penteado todo armado.

Então todo mundo vai usar um penteado assim. Eles dirão que os homens devem usar, as mulheres não devem colocar… nenhum óleo. Então eles ficarão carecas, acabou-se. Mas há cerca de vinte anos atrás, todo homem… que você via nos filmes costumava pôr no cabelo, pôr óleo no cabelo, penteá-lo adequadamente, e costumava ser um sujeito inteligente, elegante. Atualmente, tudo mundo está vestido de forma tão desleixada, não há nada elegante em relação a eles. Se você se torna desleixado, você também será desleixado na vida. Vestir um tipo de coisa desleixada, um tipo de calça folgada… ou uma calça apertada ou isso e aquilo, isso acontece porque não há nenhuma personalidade. É somente ego. Não há nenhuma personalidade; não há nenhuma sabedoria. Permitir que seus filhos… sejam corrigidos pelos outros é a coisa principal para você, uma coisa boa que você faz para seus filhos.

Permita-os terem respeito pelos outros. Permita-os sentirem que “eles também são meus tios.” “Elas também são minhas tias. Eles podem me corrigir.” Depois obedecer e não questionar muito. Aqui, com toda criança havia – uma vez Eu estava viajando… com uma Sahaja Yogini. O filho dela ficava o tempo todo perguntando: “Por que isto? Por que aquilo?” E ela ficava respondendo. Eu disse: “Cale-se agora”, para aquele garoto, e depois disso ele nunca mais lhe perguntou “por quê”.

É como se eles tivessem o direito de exigir de você, eles continuam fazendo perguntas. Como eles ousam lhes fazer perguntas? Vocês são os pais. Nós não fazemos perguntas aos nossos pais, nunca, nunca. Nós não somos de forma alguma inferiores a ninguém neste mundo. Ao contrário, Eu devo dizer que nessa cultura, essas pessoas… que têm se elevado são Sahaja Yogis muito bons. Eles são muito sensatos. Eles entendem até onde ir, o que fazer. Assim, o que nós temos de entender… é que nossa cultura Sahaja Yoga é tal… que nós temos de aprender certas coisas. Antes de tudo, por favor, pelo menos não tornem seus filhos… muito, o que vocês chamam, orientados para o ego.

Não os tornem orientados para o ego, por favor. Certifiquem-se que seus filhos respeitem todos eles… da mesma maneira, que eles digam “namaste” para todo mundo, e que eles sejam muito, muito obedientes com todo mundo… e mesmo que alguém os corrija, que mal há nisso? Eu estou realmente surpresa porque no ocidente, Eu pensava que… as crianças não eram apegadas aos seus pais ou a qualquer coisa, mas não é assim, porque elas são grudadas aos pais. Não somente grudadas, mas assim que elas têm uma chance, elas fogem dos pais, porque vocês ficam “babando” na cabeça delas. É por isso. Não há nenhuma liberdade. O tempo todo, eles ficam com ciúmes. Eu também ouvi falar de mulheres… que ficam com ciúmes de Mim porque Eu sou a Mãe. Sim, é tão estúpido. Eu acho, quero dizer, se, vamos supor, alguém age como mãe com Meu filho, Eu cuidarei dessa mulher.

Eu lhe enviarei um sari. Eu lhe enviarei um presente. Eu ficarei muito feliz que você tenha cuidado de Meu filho. As reações são tão estranhas, não são? Por que essas respostas e reações? Por exemplo, vamos supor que você tenha um programa musical aqui, seus vizinhos virão, irão à polícia, chamarão todo mundo. Do contrário, mesmo se você estiver morrendo, eles não se incomodarão. Ao contrário disso, na Índia, supondo que você toque uma música, “Oh Deus, eles irão tocar música.” “Tudo bem. Tragam tudo, tapetes para eles, tudo.

Dê-lhes comida,” “o que vocês terão? “, e toda a região estará lá para te ajudar… e isso e aquilo. E eles dormirão bem, se eles quiserem dormir. A coletividade deles é muito boa e observe os filhos deles, qualquer um repreende qualquer criança lá, qualquer um. Porque vocês são orientados para o ego, por favor, tenham cuidado, não tornem seus filhos orientados para o ego também. É tão difícil para vocês se livrarem de seus egos, vocês sabem disso. Qualquer coisa, como uma cobra que está lá e volta novamente. Então Eu costumava Me perguntar: como esse ego surge? Esse (…) Me disse: “Meu marido, Mãe,” “o que é este ego, ego, ego?” Eu disse: “O quê?”

“Ele sempre me diz que eu tenho ego, ego, ego. O que é isso?” Ela Me perguntou: “O que é esta doença, o ego?” “Ego, ego, ego?” Eu disse: “Veja, significa Ahamkar.” Ela disse: “Então por que ele se vangloria disso?” Ahamkar é um pecado. Mesmo dizer “odeio você”, é uma coisa pecaminosa dizer isso. Em hindi, se você disser: “odeio você”, eles dirão: “Você está louco ou o quê?” Eles acham que você deve estar louco.

Vocês não podem dizer: “eu cometo esse pecado.” Assim, é isso o que acontece. E qualquer um que seja tratado… desse jeito, mesmo na Índia, pode se tornar mau, mesmo na Índia, mimado demais pelos pais… ou meio que formado demais por eles e tudo mais. Mas nós sabemos que nossos pais nos amam, eles cuidam de nós. Minha mãe era uma pessoa tão severa no que se refere à rigidez, mas hoje por que Eu estou cozinhando tão bem? Por causa de Minha mãe. Ela Me falava até mesmo como segurar a – o que vocês chamam – a colher. Quando Eu era uma garotinha bem pequena, com cerca de cinco anos, então nós temos esse tawa, uma coisa bem preta, redonda, onde nós fazemos rotis, ela Me dizia: “Limpa isto.” E nós tínhamos tantos empregados na casa, mas ainda assim, e Eu Me lembro de minhas pequeninas mãos brancas… ficando todas pretas daquele jeito, e Eu limpava aquilo. Mas Eu sou muito boa na limpeza.

Eu sou muito boa em tudo. Como? Graças a Minha mãe. Nada mais. Agora, pelo menos faça seus filhos se levantarem de manhã. Nós temos de dar algo melhor para nossos filhos, um treinamento melhor. O mesmo Eu tenho visto com as mulheres. Agora, as mulheres devem entender que aquelas que vivem aqui… ou em qualquer ashram, elas são as donas de casa e têm de saber isso. Eu fiquei surpresa, quando perguntei às pessoas que vieram de longe, “O que vocês comeram?” Elas disseram: “Nada,” “comemos estas samosas e algo para comer, só isso.”

Eles são hóspedes na casa. Ninguém comeu nada. Eu tinha todos os tipos de comida, mas Eu nunca soube que elas estavam fazendo daquele jeito. Não se sintam mal. Senão, se Eu digo alguma coisa, vocês bloquearão o Coração Central, não é para isso. Essa é uma outra especialidade. Só por causa do ego. Isso acontece porque nada entra na cabeça; nada entra no coração. Vai para algum centro. “A Mãe disse isso?

Tudo bem, o Coração Central fica bloqueado,” “ou meu Vishuddhi Esquerdo fica bloqueado.” Baba, mas não, por que você não corrige seu cérebro? Porque não queremos encarar isso. Não queremos corrigir isso. Então colocamos isso no Vishuddhi Esquerdo ou no Coração Central. Agora, se alguns convidados vem em sua casa – Gregoire lhes dirá, um dia todos eles estavam lá, cerca de 25 deles, sentados no salão. Minha filha estava lá. Eu fui e falei com ela: “Eles estão lá,” “eles podem ficar por mais tempo, é melhor cozinhar para todos eles.” Ela fez a comida. Quando terminamos – você se lembra, Gregoire, nós terminamos nosso programa – Eu disse: “Vamos jantar.”

Então eles ficaram surpresos. Eles disseram: “Como?” Eu disse: “Eu falei com ela, ela deve ter preparado.” “Num tempo tão curto?” Eu disse: “Sim, ela deve ter preparado.” Ela disse: “O jantar está pronto.” Todos nós estávamos lá. Ela disse que se você disser para alguém que têm 25 pessoas chegando, as mulheres ficarão acabadas, deste jeito. Elas ficarão pensando: “Agora, eu tenho de ir fazer compras…” Elas começam… E não há nenhuma confiança. Não há nenhuma, porque não há nenhuma personalidade, nenhuma personalidade.

Meu marido, Eu lhe disse ontem que Eu fiz pulao para as pessoas, centenas de pessoas, só isso. Eu não fiz muito. Ele disse: “Centenas de pessoas não é nada?” Eu disse: “Não, não é nada, 500 teria sido mais, mas -” Mas não somente Eu, Minha filha pode fazer isso. Vocês a viram in Pratishthan. Minhas filhas podem fazer isso. Assim, nós temos autoconfiança em relação a tudo que vocês nos digam. Agora, vocês têm visto em todos os seus programas, vocês vão nos tours, o modo como os indianos providenciam tudo, nas matas, em qualquer coisa. Mas aqui, primeiro nós começamos a pensar, pensar, porque não queremos encarar o problema. “Nós temos de fazer isso agora.

Vamos fazê-lo.” “Não é assim. Vamos nos sentar, planejar”, então vocês estão acabados. Eu os estudei muito bem. Eu tenho estado aqui, fico surpresa também. E não há nenhum treinamento, porque a mãe de vocês também evita prepará-los. Não há nenhum treinamento, nada. Eles não sabem nada, Eu diria. Eles ainda são como bebezinhos. Deve haver isto: uma menina deve saber costurar, deve saber cozinhar, uma menina deve saber como cuidar de uma casa, e fazer compras, e ela deve saber qual carne é boa, qual é ruim.

Ela deve saber o que é um diamante, o que não é um diamante; o que é seda, o que não é. Tudo isso é ensinado na família. Quer você seja uma menina que tem uma carreira ou não – se você é uma moça que tem uma carreira, tudo bem – mas saber aquelas coisas é o principal. Isso é a base para uma mulher saber. Nós somos mulheres sem sermos mulheres. E então um tipo de ternura, de fazer pelos outros, dar alguma coisa. Eu lhes falarei sobre Minha neta. Quando elas eram jovens, ambas – três delas, Eu lhes perguntei: “O que vocês querem ser?” Elas disseram: “Queremos ser uma enfermeira ou uma aeromoça.” Então Eu disse: “Por que essas duas?” Ela disse: “Sabe, vovó,” “somente nessas duas profissões, você pode dar comida aos outros.”

Vejam como, como elas se sentem. E recentemente, cerca de um ano atrás – ela tem só 18 anos, a mais velha – ela convidou 25 pessoas para jantar. Então Eu pensei que ela iria falar com os empregados ou com alguém. Ela disse: “Não, eu vou fazer a comida.” E ela fez e alimentou todos e todos começaram a elogiar. Ela disse: “Não, não, não. Eles só estão dizendo isso…” “porque eu cozinhei, mas eu sei que está tudo sem gosto.” “Está tudo sem gosto, nada está bom.” “Mas eles só estão dizendo isso porque eu cozinhei.” Ela cozinhou sozinha para 25 pessoas.

Porque elas se sentem felizes por fazer isso. Elas ficam felizes em dar coisas aos outros. Elas ficam tão felizes, vocês não sabem o quanto. Vocês são tão prósperos, são tão ricos, vocês têm tudo, mas ainda assim não há nenhuma generosidade. Meu marido é extremamente generoso, mas outro dia, havia um senhor, um Sahaja Yogi. Um senhor mais velho que foi professor de arte… veio fazer um quadro para Mim. Eu disse: “O que dar para ele?” Eu falei a C.P. : “C.P., você tem um terno sobrando?” Ele disse: “Talvez, vamos ver.”

Eu disse: “Eu vi um, você poderia vê-lo?” Aquele era um terno excelente que ele tinha. “Oh!” Ele disse, “por favor, dê este aqui, é muito bom.” “Eu só o usei uma vez, mas eu nunca o usei para sair,” “eu só o experimentei. Assim, se ele gostar, por favor lhe dê.” Então ele pegou, e quando Eu lhe dei, ele ficou muito feliz e disse: “Mãe, eu estava procurando um terno e queria um terno.” Os olhos de C.P. ficaram cheios de alegria e lágrimas. Ele disse: “Ele queria o terno, Você sabia?”

“Que bom darmos o que ele queria.” Veja a delicadeza de caráter, tão feliz porque ele queria o terno, e porque Eu sou muito boa em saber o que a pessoa precisa, mas ele, ele ficou tão encantado e tão feliz, e depois de muito tempo, Eu via aquela alegria em seus olhos. “Oh Deus! O que ele queria, nós lhe demos.” É tão – afinal, o que há nisso? De que adianta todas essas riquezas, essas (…) e coisas assim? O que nós conseguimos? Nada, nenhuma alegria, nada. Em primeiro lugar, nós achamos que somos marido e mulher, então discutimos o tempo todo, tudo bem. Eu não acho que há muito amor lá também.

Eu não sei em relação aos Sahaja Yogis, mas, de qualquer forma, Eu também não sei sobre os Sahaja Yogis. Então essa discussão acaba. Depois vem “meu filho, meus filhos”. Então eles também discutem, também brigam, támbém fogem. Na idade de 16 anos, eles estão pensando… para onde eles irão fugir. Por que eles fogem? Mas nossos filhos grudam na gente “como sanguessugas.” Nós nunca os criamos assim, mas ainda assim eles grudam. Por quê? Eles não são orientados para o ego.

Porque você é separado. Você é uma identidade diferente. “Eu. Eu gosto disso, eu gosto daquilo.” É um pecado falar assim. Quem é você para dizer “eu gosto”? “Eu” significa o quê? Assim, nós temos de mudar todas essas coisas e temos de entender. A única possibilidade é a vida no ashram. Como você respeita, como você vive, como você cumprimenta cada pessoa, como você se comporta, essa é a cultura que temos de assimilar.

Se temos de proporcionar bons momentos aos nossos filhos, nós temos de assimilar. Eu não diria que na Índia nós não temos pessoas estranhas. Temos pessoas de caráter desregrado, temos todos os tipos de coisas. Mas a quantidade é tão pequena que eles não influenciam. Aqui, a quantidade é maior do que os de lá. Então eles influenciam muito. Todo mundo está usando o cabelo deste jeito agora. Então mesmo se você não tem cabelo, você sentirá vontade de usar seu cabelo assim. Isso é um – é… Eu não sei porquê, e também essa é uma ideia falsa… de que devemos ter o cabelo muito despenteado. Eu sendo a Deusa, Eu tenho de manter Meu cabelo solto, mas Eu o mantenho arrumado.

Ele não fica despenteado. Eu tenho de manter Meus cabelos, porque vocês sabem, Muktakeshi – A que mantém Seus cabelos soltos para as vibrações fluírem. Mas Eu nunca – vocês nunca perceberão Meu cabelo emaranhado deste jeito. Porque então os bhoots capturam você. Eles veem: “Esta é a cabeça. Oh, uma muito boa!” “É uma cabeça emaranhada, vamos entrar nela!” Os bhoots capturam você mais nos tempos modernos… do que costumavam capturar, porque vivemos como bhoots. Você anda na rua e percebe muitas mulheres, homens vestidos… exatamente como bhoots. Então os bhoots podem ir: “Este é o bhoot!”

Por que na Índia eles não pegam tantos bhoots? Uma vez que alguém tenha a Realização, Eu não conheci muitos desses que pegam bhoots. Por nos vestirmos desse jeito, por sermos orientados para o ego, então os bhoots entram. Eu não estou dizendo que você deve ir a cabeleireiros e tudo mais, mas a pessoa não deve ter um rosto ou cabelo como de um bhoot. Agora, se você quer saber como um bhoot se parece, Eu lhe mostrarei também. Assim, isto é o que a pessoa tem de entender: há algo faltando em nossa formação, que temos de mudar, e a mudança tem de ser: para constituirmos uma boa família, termos bons filhos, nós temos de ter certas ideias em relação a quem respeitar, como respeitar, como compreender. Por exemplo, Gupta ficou zangado com o Dr. Talwar. Então Eu lhe disse: “Vá e toque os pés dele.” Imediatamente ele o fez. “Ele é mais velho do que você, e você não tem o direito de ficar zangado.”

“Vá e toque os pés dele.” Imediatamente ele fez, e ele disse: “Ele me provocou, Mãe, e eu fiquei com má reputação.” Eu disse: “Vá e toque os pés dele”, ele tocou os pés dele… imediatamente, sem questionar. Qualquer um que responder a qualquer um, uma criança, uma pessoa mais jovem que responder a qualquer outra pessoa, o pai, a mãe dirão o tempo todo: “Vá e caia aos pés dele.” “Venha. Nada disso.” É desse modo que eles aprendem a respeitar. Vocês são buscadores muito bons. Vocês estão buscando a verdade… e tudo mais, mas com isso, para sustentar essa verdade, temos de ter um tipo de cultura em que você pode sustentar a verdade. Senão esse ego sempre se projetará, o canal direito.

O canal direito é o problema do ocidente. Concordam com isso? Sahaja Yogis: Sim, Shri Mataji. Mas você descobrirá isso em seus líderes, não em você mesmo. Esse é o problema. Naquele que tem a autoridade para se impor, você descobrirá isso nele, não em você mesmo, você tem esse problema, não é verdade? As esposas dos líderes também devem saber que elas são as mães… e elas têm de ter uma natureza extremamente doce e humilde… e elas devem tolerar muita insensatez, não somente isso, mas sempre tentar acalmar seus maridos. Eu vou lhes contar, no escritório de Meu marido na Shipping Corporation, todas as pessoas de lá dependem de Mim. Se qualquer coisa dá errado, se C.P. está zangado com eles, eles virão e Me contarão.

Então Eu falo moderadamente com ele: “Por que você deveria estar…” “tão zangado com eles? Afinal, eles são seres humanos e fizeram…” “Oh! Então eles falaram com Você?” “Sim, eles falaram.” “Então Eu falarei com ele, falarei com ele.” “Porque eles acham que Eu sou mais generosa do que você.” “Tudo bem, eu também sou mais generoso.” Depois ele agiria assim. Então, a esposa não deve pensar que ela é um líder, não, nunca. Ela deve pensar: “Eu sou a mãe de todos eles.”

Agora, ela deve cuidar das pessoas que vieram aqui: “Eles comeram ou não? Eles têm sido cuidados ou não?” Eles são convidados, e convidados devem ser tratados como deuses. E o problema aqui é que todo mundo chega em sua casa como um convidado, ou ficam com você como um convidado, como – vocês ficarão surpresos, Eu tinha uma casa em Hounslow. Muitos Sahaja Yogis ficaram lá, nunca pagaram um único centavo. Eu tinha de pagar a eletricidade, o gás, tudo. Desde o começo, desde que Eu estou em Londres, Eu tenho pago tudo. Mesmo em Shudy Camp, a maior parte do dinheiro Eu paguei, mas havia 25 pessoas vivendo lá quando Eu fui, não pagavam um único centavo por nada. Mas o indiano não fará isso, por causa do autorrespeito. Eu estava falando com Mathias… que usei o telefone de vocês desta vez muitas vezes, e ele tinha de receber o dinheiro.

Se ele não receber o dinheiro, Eu não poderei dormir. Assim, usar o telefone de alguém o tanto que quiser, usar as coisas de alguém o tanto que quiser, ficar lá na casa deles de forma tão desleixada. Isso é tão comum no ocidente. Eu nunca soube disso. Eu pensava: “Eles são pessoas muito corretas.” “Eles nunca virão para sua casa desse jeito.” Gregoire lhes contará toda a história sobre isso, se vocês quiserem ouvir. Assim, agora, este ashram no qual vocês estão vivendo, mesmo se vocês estiverem vindo de fora, vocês são Sahaja Yogis. Se você achar alguma coisa suja, tente limpar. Esta é a sua casa.

Então ela se tornou como a casa de ninguém agora. Na verdade, ela é a casa de todos. Recentemente, ela se tornou a casa de ninguém. Então, não se sintam mal, não fiquem chateados, não sintam… que Eu estou de alguma forma tentando rebaixá-los, mas Eu devo lhes dizer que… isso desenvolverá o ego de seus filhos e o seu ego também. Para viver juntos, regozijar juntos, nós temos de ter um certo tipo de cultura… que não existe no ocidente. O ocidente é muito individualista, pessoas extremamente individualistas, e elas têm esse problema… e elas têm sofrido por causa disso. Nós queremos criar um novo mundo de pessoas… que amam umas às outras, que regozijarão umas com as outras… e que entendem umas às outras; não somente isso, mas as que têm a consciência coletiva manifestada… em suas próprias vidas. E também dizer a alguém: “Você é um bhoot,” “você está bloqueado deste jeito”, não é apropriado. Isso mostra… que você não tem nenhuma compreensão de como lidar com as pessoas. Nunca diga: “Você é um bhoot”, ou qualquer coisa assim.

No máximo você pode dizer: “Este chakra está bloqueado”, se for necessário, mas não há nenhuma necessidade de falar aquilo. É como nós dizemos: “Se você se torna o rei, você tem de usar a coroa.” Assim, se você se torna um Sahaja Yogi, você tem de usar essa cultura. Vocês não podem ser como bhoots, não podem ser. Não que você tenha de ser diferente… como “Hare Rama, Hare Krishna”, não estou dizendo isso, mas você tem de ser especial. E a característica especial não vem… de se tornar punks ou qualquer coisa assim. Os punks acham que eles são pessoas muito especiais… por usar aquele tipo de corte de cabelo. A característica especial está dentro de você mesmo. É um tipo de cultura. Assim, antes de tudo, tome conta de seu ego.

A autorreflexão tem de existir. Porque quando Eu li sobre o povo russo, seus livros, Eu constatei que em cada livro, quer eles descrevam um romance, descrevam qualquer coisa, o que há por trás é tudo autorreflexão. Eles estão tentando descobrir: “Por que estou fazendo isto, aquilo?” “Por que eu sou assim?” A autorreflexão está presente. Assim, nós devemos fazer introspecção. O tempo todo dizer: “Por que estou fazendo isto?” “Por que eu sou assim? Qual é a razão?” Isso é o que deve ser feito, então este ego desaparecerá.

Ele é uma coisa estranha, porque ele já cresceu tanto. Então você o empurra para baixo, ele retorna como uma borracha, o empurra para baixo, novamente com a menor coisa, ele aflora. Arrogância, falar aos berros e se comportar mal, com tudo isso, o Vishuddhi Direito se bloqueia seriamente. Certo? Então, agora, isso não é de forma alguma para corrigi-los, mas para guiá-los. E não para se sentirem mal… e o Coração Central ou alguma coisa se bloquear lá, nada desse tipo. Isso não deve, não deve bloquear em nenhum lugar, mas deve corrigi-los de uma forma normal. Agora, o problema dos indianos é diferente… e quando lido com eles, Eu falo com eles. Mas pelo menos eles não têm problema cultural. Essa é uma coisa.

É claro, se eles vêm de famílias estúpidas, se eles vieram com coisas insensatas, então tudo bem. Normalmente 99%, 1% pode ser ruim, também, Eu não estou dizendo que eles não são ruins. E todos devem trabalhar, não três, quatro pessoas ficarem trabalhando. Vocês devem aprender todo dia. Vocês devem aprender muitas coisas, e vocês são buscadores. Não somente isso, mas vocês são Sahaja Yogis. Vocês têm tanto dinamismo. Vocês podem fazer muita coisa. Qualquer ideia sobre si mesmo, de que você é tão importante… ou algo assim, deve ser abandonada, porque nós somos Sahaja Yogis. Portanto, nós já somos grandiosos.

Aqueles que são grandiosos já são grandiosos. Vamos supor que alguém diga: “Você é a Adi Shakti.” Eu não acho que é algo grandioso, porque Eu sou isso. E daí? Se Eu não fosse isso, Eu teria sentido, mas Eu sou a Adi Shakti. E daí? Se Eu sou a Adi Shakti, por que Eu deveria ficar orgulhosa disso? Porque simplesmente está lá. O que fazer? E toda vez que vocês dizem “Jai” e tudo mais, Eu acho que vocês estão dizendo para alguma outra pessoa “Jai”.

Às vezes, Eu fico com receio de começar a dizer isso com vocês. Isso nunca entra em Minha cabeça, e Eu não sei como isso entra na cabeça de vocês. Eu disse que talvez o buraco seja muito grande, então nada fica. Mas vejam, isso é o que Eu estou dizendo. Agora, para vocês, se Eu sou o modelo e vocês Me entendem, então vocês devem entender Minha cultura. Como? Por exemplo, Mathias ficou surpreso ao ver que eles estavam… colocando bálsamo nos Meus pés ou algo assim nos Meus pés, e Eu disse: “Agora, coloquem uma toalha, porque Eu não quero que este lençol…” “se estrague.” Isso não era nada grandioso para Mim, mas ele percebeu… que Eu fui extremamente humilde ou seja o que for. Mas o que está lá? O lençol será estragado de qualquer forma, quer sejam Meus pés ou os pés de alguém.

É desse modo que deve ser. Assim, culturalmente, embora sejamos muito ricos, Eu nunca Me dei conta do quanto os indianos são ricos. Agora Eu estou percebendo. Agora, vamos supor que alguém esteja partindo. Um pequeno lápis foi deixado, muito pequeno, na casa, mas ele pertence a alguém. Ele deve ser guardado como uma pedra preciosa. Até que você encontre a pessoa e lhe entregue, todos dirão: “Você entregou aquilo? Você entregou aquilo ou não?” “Baba, aquela pessoa ainda não veio. Ela foi a algum lugar.”

“Assim que ela vier, a primeira coisa, nós iremos com aquele… “lápis e ela dirá: O quê? Você trouxe este lápis para mim?” Ela se sentirá muito mal em relação a isso, mas não, o lápis pertence a ela, tudo bem, guarde-o como uma pedra preciosa. Eles são pessoas pobres comparados a vocês. Mesmo os empregados não cometem nenhum roubo, nada disso. Esses políticos devem ter assimilado de algum lugar. Eu não sei de onde, deve ser de Warren Hastings. Mas normalmente, não há nenhum roubo na casa. Tudo é deixado aberto. Tudo fica lá, nenhum roubo.

O governo é corrupto. Há todas as coisas horríveis que são corruptas, estão lá, mas no que se refere à sociedade, nós somos muito honestos. Eu quero que o “Sarat Chandra” seja traduzido para vocês… compreenderem a beleza dessa cultura. Há muitos pontos tão bons dessa cultura. Nós tivemos aquele, vocês têm aquele negócio de Shrikanth, um filme de Shrikanth? Sahaja Yogi: Não tenho certeza, Shri Mataji. Os ingleses estão chegando. Peça-lhes para trazerem. É um dos melhores filmes que vocês verão. Um outro Sahaja yogi: Eles já estão no aeroporto, Shri Mataji.

Eles já estão no aeroporto, Shri Mataji. Os ingleses estão chegando. Tudo bem, da próxima vez. Sahaja Yogi: Eles estão vindo para cá. Sahaja Yogi: Diwali, Diwali. Sahaja Yogi: Obrigado, Shri Mataji. Que Deus abençoe todos vocês.