Devi Puja

Hyderabad (India)

Feedback
Share

Devi Puja Hyderabad, Índia, 11.12.1991

Hoje nós viemos a este lugar famoso, Hyderabad, que foi governado por reis muçulmanos, mas eles eram muito indianos e lutaram também… pela independência da Índia contra os britânicos.

Vocês sabem sobre Tipu Sultan, que era também uma alma realizada, mas ele foi morto. Nós temos em nosso país um problema muito grande… e que é: individualmente todos nós somos pessoas maravilhosas, mas quando se trata do coletivo, nós não sabemos como viver coletivamente, e é por isso que perdemos nossa independência. Qualquer um pode nos controlar. Se pudermos abrir nossos olhos e ver, é facilmente entendido que… quando as pessoas tentam falar mal dos outros, nos envolvendo, deve haver alguma intenção. Esta tem sido a nossa falha há muito tempo: as pessoas usam tais métodos que estragam os relacionamentos. E isso não deve se arrastar para dentro da Sahaja Yoga. Quando Eu estou na Índia, Eu acho que devo colocar alguma luz… em nossas fraquezas também. A segunda fraqueza que nós temos é que ficamos muito envolvidos… com nossa família, com nossos filhos, com nossos pais, com nossos irmãos, primos, isso, aquilo. Até que vocês sejam completamente enganados ou ludibriados… por alguém muito próximo, vocês nunca aprenderão uma lição. Nós ficamos muito envolvidos, todos os nossos problemas estão em torno deles.

Nós não conseguimos nos livrar de nossa família. O tempo todo, começamos a pensar: “A Sahaja Yoga deve ajudar minha família.” “A Sahaja Yoga deve fazer isso pela minha família.” Na Sahaja Yoga, há outra família… que não tem nada a ver com sua família. Eu tenho observado as pessoas, Sahaja Yogis, que são de um nível muito alto, e de repente, Eu descubro que eles decaíram. Eles não têm nenhum motivo… para sofrer com problemas de saúde ou de qualquer forma. Então Eu descubro que eles estão apegados a algum irmão… ou a alguém que está fazendo algum outro tipo de negócio de guru. Em vez de nós os influenciarmos, eles começam a nos influenciar. Então, nós temos de realmente romper nossos relacionamentos… com todas essas pessoas que são negativas, porque nós tivemos parentes e mais parentes em todas as nossas vidas. O que alcançamos a partir deles?

Nós não entendemos o quanto é importante ser um Sahaja Yogi, que vocês são o instrumento de Deus Todo-Poderoso. Vocês sabem tantas coisas… que nem mesmo Brahma, Vishnu, Mahesha sabiam. Eles não sabiam muito sobre a Kundalini. Eles não sabiam como elevar a Kundalini. Eles não sabiam como dar a Realização, exceto para os Gurus. Dentre estes também, vocês sabem que Janaka tinha apenas um discípulo. Todos Eles tinham um discípulo cada. Portanto, certas coisas que vocês sabem são mais do que qualquer um sabia antes. Mas mesmo assim, se vocês ficam grudados aos seus velhos padrões… e aos métodos antigos e confundindo esses padrões e métodos com a Sahaja Yoga, identificando-se com eles como se eles fossem a Sahaja Yoga, então seu crescimento será muito pequeno. Então Eu tenho de lhes dizer para que tentem se livrar disto: “Quem é meu irmão?”

“Quem é minha irmã?” É claro, é uma coisa boa estar apegado, de certa forma, aos deveres que vocês têm de cumprir em relação a todos, mas todos os deveres devem ser feitos de tal maneira… que vocês não fiquem envolvidos nisso. É muito importante que vocês não fiquem envolvidos com esses deveres. O que quer que tenha de ser feito, vocês devem fazer, mas vocês não devem se preocupar com o fruto disso. Falar mal dos outros, dizer coisas… apenas para estragar o relacionamento é pecado na Sahaja Yoga. Sempre falem coisas boas sobre os outros. Por exemplo, se alguém vem e Me diz que… tal e tal pessoa não é boa e tudo mais, Eu lhes conto mentiras. Eu lhes digo: “Essa pessoa estava elogiando muito você.” “Por que você está dizendo todas essas coisas contra essa pessoa?” Portanto, é importante os Sahaja Yogis criarem mais síntese, mais coordenação, mais combinações… e trazer mais e mais pessoas.

Mas as pessoas ficam mais apegadas às pessoas negativas… do que às pessoas positivas. Isso significa que vocês ainda não estão totalmente na Sahaja Yoga. Assim que vocês começarem a entender isso, ficará muito, muito claro… o que vocês devem fazer e o que vocês não devem fazer… no que diz respeito a esses relacionamentos. Quero dizer, na Índia é uma coisa comum para um ministro nomear… seu sobrinho, seu filho, sua esposa, seu neto, até mesmo seu empregado em algum cargo. É uma coisa comum, quer eles sejam capazes ou não. Mas na Sahaja Yoga, você não pode fazer isso. Você tem de ser um Sahaja Yogi. Você não pode simplesmente pegar qualquer um porque ele é seu parente… e pedir: “Mãe, ele é meu parente, por favor, ajude este homem.” Por que Deus deveria ajudar as pessoas que não são Sahaja Yogis? Ele não as conhece e Ele não quer fazer isso.

Portanto, nosso conceito sobre a vida familiar tem de mudar. É claro, a melhor coisa que vocês podem fazer por sua família… é trazê-los para a Sahaja Yoga, mas se vocês ficam se grudando às pessoas porque elas são sua família, é muito perigoso. Então, há um segundo tipo de movimento com esse comportamento, em que vocês começam a pensar sobre sua própria cidade: “Esta é a minha cidade.” Vocês poderiam ter nascido em qualquer lugar. Então: “Minha cidade.” “Mãe, vem à minha cidade.” “É importante.” É como: “Minha casa, meus parentes” e em seguida, “minha cidade.” Depois, “meu país”: “Este é o meu país. Mãe, a Senhora deve vir ao meu país.”

Eu entendo, sua preocupação é boa, é patriótica, vocês estão preocupados com outras pessoas em seu próprio país, mas não deve haver nenhum apego. A pessoa deve ser desapegada, e desapegada de forma, Eu diria, que apenas observe. Apenas observe a si mesmo e aos outros. Veja por si mesmo: por que você está tão interessado no seu país ou em sua capital? Por quê? Porque isso? Ao fazer essa pergunta, você ficará surpreso, na maioria das vezes você perceberá: “Porque eu pertenço a este lugar,” “eu nasci neste lugar, é por isso que eu quero.” Na maioria das vezes, uma resposta honesta. Mas poderia ser: “Eu também quero que essas pessoas se tornem Sahaja Yogis.” “É fácil para mim porque eu sou deste lugar,” “eu gostaria que eles fossem Sahaja Yogis.”

Esta é uma das razões básicas pelas quais a Sahaja Yoga não se expande: nós ficamos envolvidos sob influência de nossa família… e não vamos além deles para outras pessoas. Assim, toda a nossa atenção, todo o nosso comportamento… ficam completamente emaranhados em algo que não é Sahaja. Portanto, nós temos de ir além… e saber que nossa família é diferente. O mundo inteiro é nossa família, então nós temos de deixar o lugar onde moramos. Não fiquem estagnados ou emaranhados… com um pequeno círculo de poucas pessoas que são negativas, mas vão além delas, porque vocês obtiveram os poderes, vocês obtiveram tudo. Você pode facilmente cruzar essas barreiras e ver por si mesmo… que você está se sentindo muito feliz agora mentalmente, fisicamente bem e espiritualmente você está lá. Em nossa sociedade indiana, as pessoas adotam a sanyasa. Elas vestirão o kaishai, sairão, muitas pessoas depois de certa idade adotam a sanyasa. Por que não adotar a sanyasa interiormente agora mesmo? Qual é a necessidade de esperar até você envelhecer… e depois ficar totalmente esgotado e então dizer que você é um sanyasi?

Mesmo que de qualquer forma você seja um sanyasi nessa época, mas quando você é jovem, você deve desenvolver esse desapego, um desapego claro, que é: você é apegado à Sahaja Yoga e a mais nada. Nada é mais importante do que a Sahaja Yoga para você. Uma vez que decidamos isso, então vocês se moverão nessa linha… e vocês crescerão nessa linha muito suavemente, muito bem. Mas supondo que vocês tenham um curto-circuito… e se movam para algum outro lugar, então como pode haver crescimento? Isto parece extremamente simples para nós: “Nós devemos ajudar nossos parentes, devemos ajudar todos os outros.” Para os indianos é muito fácil, isso acontece com eles muito facilmente. Mas os ocidentais não são assim. Eles não irão por aí desperdiçando a energia deles com seus parentes, normalmente. Eles estão preocupados consigo mesmos e querem que… eles próprios alcancem o mais elevado. Agora, uma vez que nós tiremos nossa atenção da família, vocês ficarão surpresos ao ver como essa atenção atua além da família, além desse pequeno muro que construímos.

E vocês ficam surpresos ao ver como isso se expande… e como isso lhes dá todas as bênçãos… e toda a graça do Amor Divino. Nós sempre começamos a pensar nos nossos parentes, sobre como ser gentil com eles, como ser bons com eles. De todas essas coisas, todos esses comportamentos de como ser gentis com eles, como ser bons para eles e tudo mais, podem ser estendidos muito, podem se expandir muito. Assim como vocês os amam, assim como vocês cuidam deles, assim como vocês são apegados a eles, se vocês se apegarem à Sahaja, então a luz se expandirá. Por exemplo, agora, perto de Hyderabad, há muitas cidades pequenas, lugarejos, muitos deles. Todos vocês podem assumir uma cidade… ou uma pequena vila ou algo assim. Vão lá e falem sobre a Sahaja Yoga. Isso definitivamente dará certo. É desse modo que na Inglaterra eles fizeram isso dar certo e em muitos outros países. Assim, Eu tenho de dizer a todos os Sahaja Yogis que estão aqui em Hyderabad… e que também estão em outros lugares, como Vishakapatnam ou Vijayawada ou em qualquer lugar, todos eles devem entender que pelo menos… eles podem expandi-la em sua cidade, a Sahaja Yoga, muito rápido, no caso deles se desapegarem de suas famílias.

Eu sei de certos Sahaja Yogis, que suas esposas são tão fortes nisso… que eles não conseguem conter nem mesmo suas esposas, que dirá de outros parentes. Nós tivemos uma experiência com mulheres assim. Especialmente na Índia, há uma regra que seja qual for o dharma do marido, a esposa tem de seguir. Mas ainda assim Eu tenho visto que mesmo as esposas podem ser muito poderosas, porque elas são tão assertivas, tão agressivas. E se o marido é simples, ele tem de sofrer. Então aqui Eu diria que a pessoa não deve sucumbir a ninguém, porque ele é dominador ou de alguma forma assertivo, mas distancie-se e diga: “Este é o dharma que estamos seguindo…” “e ninguém tem direito de nos controlar.” Nós estamos em um direito fundamental fazendo isso. Agora a questão é… sobre como nós lidamos uns com os outros na Sahaja Yoga, como vivemos uns com os outros, como falamos uns com os outros. Qual é o resultado final? Nós temos um relacionamento próximo completo… com outros Sahaja Yogis na mesma cidade?

Vocês os convidam para sua casa assim como convidariam seus vizinhos? Em qualquer assunto, seja qual for que diga respeito a vocês, qualquer assunto, seja qual for, os parentes não têm nada a ver com vocês. É desse modo que vocês começarão a ficar desapegados e a não se preocupar com isso. Agora, aqui estão muitos Sahaja Yogis ocidentais. [Hindi] A descrição que Eu dei agora das pessoas… que são de canal esquerdo, na verdade, elas têm apegos de canal esquerdo. Os apegos de canal direito são de tipos diferentes, como vocês sabem muito bem. O primeiro é que eles são individualistas, eles não gostam da coletividade. Eles acham que é uma coerção sobre eles. É uma coisa que amarra, de modo que eles não conseguem se elevar. Pessoas de canal direito têm o maior problema que é de ego, que fica o tempo todo sentado como uma cobra, enrolada.

Algo dá errado, de repente ela aparece: “Ha!” E você vê uma cobra aparecer agora. A cobra é muito flexível. Mas agora com a Sahaja Yoga, ela está ficando intoxicada, Eu acho, não aparece. Então, os apegos, em quais pontos nós ficamos aborrecidos? Nós deveríamos anotar isso. Tudo bem. Por exemplo: “Com o que eu fico aborrecido comigo mesmo?” Quando Eu vejo um Sahaja Yogi ficando cheio de bhoots, Eu fico aborrecida. Mas apenas tentem descobrir: “Quando eu fico aborrecido?”.

E vocês ficarão surpresos ao ver que a maioria dessas coisas… estão fora da Sahaja Yoga, elas não têm nada a ver com a Sahaja Yoga. Mas vocês ficam muito aborrecidos, muito zangados, e vocês não querem falar sobre isso. Portanto, essa atitude da mente deve ser mudada. Quando você está estabelecido agora na Sahaja Yoga, como você pode ficar aborrecido? Isso significa que você não está estabelecido, uma coisa simples. Você agora está estabelecido na Sahaja Yoga. Então, como você pode ficar aborrecido? Há uma linguagem muito comum que é dizer: “Eu espero que você não esteja aborrecido”. Quando você diz que alguém está aborrecido, ele fica aborrecido, quero dizer, talvez, quer você espere ou não. Mas nós também não consideramos: como aborrecemos os outros?

Também não descobrimos as formas e métodos de como não aborrecer os outros. E até mesmo o humor que nós temos, se for um humor mordaz, se é um humor perturbador, se é um humor condenador, isso pode aborrecer muito uma pessoa. Então, que tipo de linguagem nós falamos, que tipo de comunicação nós temos, que tipo de dano nós fazemos às pessoas. Você não precisa ser irascível, seu ego pode não ser visto, mas é o estilo, um estilo muito ardiloso do ego, apenas para dizer algo horrível. A segunda maneira é criticar os outros o tempo todo: “Isso não é bom, aquilo não é bom, isso não é bom.” Quem lhe pediu para julgar isso? Então você não deve se julgar, ao mesmo tempo, você não deve julgar os outros e puni-los. No nosso dia a dia, nós temos de desenvolver uma linguagem muito doce, extremamente doce. Nós temos de praticar isso, realmente praticar, porque mesmo vindo para a Sahaja Yoga, isso ainda perdura, certas coisas, e esses hábitos podem ser corrigidos de maneira muito simples e muito facilmente. Isso pertence à língua, não a nós, então é muito fácil se livrar deles.

A obstinação é uma outra coisa que é horrível. Qualquer pessoa sofre desse tipo de obstinação muito sutil. A obstinação se estabelece, essas coisas são amarradas com uma corda. Agora, seja o que for que aconteça, você está amarrado: “Uma vez que eu tenha decidido, eu decidi”. “Mas qual é o mal em mudar?” “Não, não, não, não, não queremos nenhuma mudança.” Agora, na Sahaja Yoga, Eu fico feliz, nada está decidido, nada é fixo. Nós devíamos ter o Puja, digamos, ontem; nós o faremos hoje, também pela manhã. Isso não deveria aborrecê-los, porque tudo é feito… para manter o seu aborrecimento longe. Então, quando será o programa e quando não será o programa não é importante.

O que é importante é como você lidou com essa mudança. Se você não sabe como lidar com a mudança, então sua transformação está incompleta. Agora, esta língua inglesa que aprendi nesta vida, Eu acho que há alguns pontos interessantes sobre ela, que você deve dizer dez vezes: “Obrigado”, mesmo se alguém lhe der água, ou dizer quinze vezes: “Desculpe! “, de manhã até à noite. De certa forma, é bom, mas se for apenas da boca para fora, então todo mundo sabe que você tem de dizer “Obrigado”, então eles disseram “Obrigado” tão bem. Mas ao mesmo tempo, se você se lembrar… de quão gentilmente a pessoa fez isso por você, apenas lembrar-se disso, da próxima vez que você se encontrar com essa pessoa, toda essa gentileza se revelará, porque você tem um sentimento… de que alguém faz algo por você, você tem um belo sentimento de gratidão. E uma vez que você tenha esse sentimento, se você se lembrar desse sentimento, então você continuará somando a isso. Eu acho que vocês também estão sentados no sol, está muito quente. Isso vai adicionando. Quanto mais você adiciona esses belos sentimentos… dentro de você: “Como eu me senti quando eles fizeram isso?

“, toda vez que você tem algum tipo de experiência desse tipo, se você a mantiver dentro de você, em qualquer momento que você abrir essa área da sua memória, toda a beleza começará a se derramar sobre você, a beleza desse sentimento. Portanto, nós temos de aprender novos métodos de nos tornarmos felizes. Antes disso, nós ficávamos felizes quando magoávamos os outros, ficávamos felizes quando éramos sarcásticos com os outros. Mas agora nós temos de desenvolver um novo método de nos tornarmos felizes. E uma vez que sua mente prossiga nisto: “Eu tenho de ser feliz, alegre”, “O que estou fazendo? Por que estou fazendo assim? Como posso ser feliz?” “Dizendo algo rude aos outros…” “ou dizendo algo malicioso, como eu posso ser feliz? Eu não posso.” “Então este Sr. Ego, ele me deixa extremamente infeliz.”

“Ele realmente estragou meu humor.” E diga a ele para ir embora agora: “Abaixe, abaixe.” Então ele abaixará. Nesta conjuntura, quando vocês estão tão avançados na Sahaja Yoga, Eu não deveria ter lhes falado todas essas coisas, Eu concordo completamente com vocês, que agora não é hora de lhes dizer todas essas coisas… tendo em conta o comportamento de vocês em relação a outros Sahaja Yogis. Mas mesmo um menor movimento muda completamente a atmosfera. Portanto, temos de ser extremamente cuidadosos e atentos…. em relação ao que vocês dizem, ao que vocês têm de dizer, como vocês se comportam e como vocês criam um sentimento. Na sociedade da Sahaja Yoga, nós temos belas pessoas, nós rimos, desfrutamos, fazemos todos os tipos de coisas, e nós realmente estamos na companhia mais alegre o tempo todo. Afinal, é alegria, e o que nós alcançamos com a alegria é o mais elevado. Ao mesmo tempo, nós temos de lembrar que… o subconsciente coletivo está lá, e isso pode simplesmente saltar algum dia e retornar. A Sahaja Yoga não acredita em nenhuma vingança, em ódio, em nada desse tipo.

Ela não acredita em nenhum tipo de falso orgulho… ou em qualquer tipo de restrição ou em qualquer coisa assim. Ela acredita no puro senso de humanidade… e também no grande trabalho da Sahaja Yoga. Ela lhes dá grande prazer de serem gentis, serem bons, então diminuam, para diminuir esses hábitos, vocês têm de fazer alguns abyas, vocês têm de praticar e fazer introspecção. Eu não estou dizendo porque alguém relatou alguma coisa, que é assim, nada disso, de forma alguma. Mas, nesta conjuntura, Eu estou apenas lhes dizendo… porque agora quando vocês saírem, vocês conhecerão novas pessoas, de modo que vocês podem ter problemas, podem ter problemas de enfrentar pessoas com quem vocês seriam rudes, vocês seriam mais meticulosos, vocês talvez fossem muito mais agressivos do que o normal. Todas essas coisas aborrecerão, aborrecerão as pessoas, mas se vocês forem pacíficos, tolerantes, dispostos a perdoar, isso definitivamente os fará sentir que vocês são santos. Se eles são difíceis, deixem-nos em paz, não discutam, através da discussão, vocês não podem lhes dar a Realização. Se eles não têm sabedoria, eles não a merecem, eles não, eles não estão destinados a serem assim. Mas o estilo de vocês deve ser tal que eles saibam que vocês são santos. Com todo o seu autorrespeito, com todo o seu amor, vocês têm de falar com eles.

Então agora, quando vocês estão aqui neste país, vocês têm de decidir… como vocês irão difundir a Sahaja Yoga quando retornarem. O mesmo com nossos Sahaja Yogis indianos, eles também têm de descobrir maneiras e métodos… de como eles difundirão a Sahaja Yoga. Que Deus os abençoe.