Puja de Aniversário

New Delhi (India)

Feedback
Share

Puja de Aniversário, Delhi, Índia, 21.03.1998

Eu fiquei muito feliz ao ver… o modo como vocês tinham organizado estas belas boas-vindas. 

Eu devo dizer que é o amor de vocês que descobre… todos os tipos de expressões de regozijar a Sahaja Yoga. Eu realmente não consigo entender… como essas ideias únicas vêm na cabeça de vocês, e vocês representam… os diferentes países de onde vieram. Eu desejo que vocês levem estas bandeiras de volta a seus países, e lhes digam a mensagem de que o momento chegou… para nossa ressurreição, que nós temos de nos elevar. Nós temos de nós elevar acima deste nível humano… para um nível mais elevado de existência. E se isso acontece, então como isso muda sua vida, como isso o faz feliz, como você perde todas as suas ideias absurdas de ódio… e de ferir os outros, de ofender os outros, todo esse tipo de ideias que têm trabalhado… para propiciar algum tipo de prazer sádico a muitas pessoas, e eles têm desfrutado… o modo como eles querem destruir a alegria dos outros, a felicidade dos outros. Para manter a felicidade, Eu sei… que vocês sendo Sahaja Yogis, vocês têm de suportar muito, tolerar muita insensatez. Vocês já fizeram isso, e gradualmente uma vez que a Sahaja Yoga esteja estabelecida… em seus países como algo que é tão belo, tão puro, tão importante… que todos os outros em seus países também tentarão… seguir esse caminho que vocês atravessaram. Somente suas vidas são as que refletirão… a beleza de seu ser interior e da Sahaja Yoga. Eu lhes disse ontem o que estava faltando na consciência humana, e que a atenção não estava no Espírito. Mas quando ela está no Espírito, o que lhe acontece? 

Primeiramente você se torna, de acordo com as palavras em Sânscrito, gunatit, você vai além de todas as três gunas. Isso significa que você não é mais uma pessoa que é tamo guni, significa aquele que adquiriu… todos os tipos de desejos de permissividade. Sua atenção move-se de lá para o segundo estilo… onde você é rajo guni, canal direito, eles querem fazer algo, querem mostrar algo, você quer se tornar algo, você quer competir com os outros. Toda essa luta simplesmente desaparece. “Atit” significa “além”. Então sattwa guni, que é também quando você está buscando, quando você vê o que está errado nesse tipo de comportamente extremo, e você apenas odeia esse tipo de vida… e você quer se livrar disso e então começa a buscar. Isso também chegou ao fim. Todas as gunas chegaram ao fim, então você se torna gunatit. Isso simplesmente acontece quando sua atenção vai para seu Espírito, porque agora a atenção não está em… nenhuma de suas características inerentes, você pode dizer, ou características condicionadas, ou características egoístas. Então você se torna uma pessoa que está além disso. 

Isso é algo notável no que se refere à vida normal, mas para você não é, apenas acontece. Você apenas desfruta ser você mesmo. Você não está mais preocupado sobre suas próprias conveniências, confortos e coisas insignificantes. Mas o que acontece é que você simplesmente vai além… de todas estas três gunas que têm estado dominando você… dessa maneira ou daquela maneira. Assim, é desse modo que você cruza o limite da consciência humana, primeiramente. Depois a segunda coisa é: você se torna kalatit, você vai além do tempo. Eu sei que hoje Eu estava atrasada, de algum modo, isso simplesmente aconteceu dessa maneira. Mas vocês simplesmente não perceberam o tempo. Vocês ainda estavam desfrutando. Eu pude ver, sentada em casa, que todos vocês estão em um humor muito prazeroso, todos vocês estão desfrutanto tranquilamente. 

Eu não estou aqui, mas ainda assim vocês estão desfrutando. Isso é além do tempo, você não fica limitado pelo tempo. Seja qual for o tempo é seu próprio, porque você está se mantendo no presente, você não está aqui e pensando no futuro. Você não pensou sobre o que acontecerá amanhã… ou como você pegará o seu avião ou como você fará isso. Aqui, vocês apenas estavam desfrutando, desfrutando o presente, e o presente é a realidade. Se você está pensando no futuro ou no passado, então você não está na realidade, Eu disse muitas vezes… que o passado está acabado e o futuro não existe. Então nesse momento, você está aqui sentado, talvez esperando por Mim, talvez apenas desfrutando cada momento de sua estada aqui, de suas conexões com os outros. E essa alegria não pode ser descrita, como você está desfrutando isso. Do contrário, as pessoas ficariam olhando o relógio, se perguntando: “Por que a Mãe não veio? Qual é o problema?” “Por que Ela não chegou?”, e todos os tipos de ideias podem circular. 

Ajuda muito ser kalatit. Eu Me lembro que em Nasik, Eu tive de trabalhar muito duro porque nenhum Sahaja Yogi… se ofereceria para fazer qualquer coisa, eles eram tão tímidos e muito preocupados. E então aconteceu, felizmente ou infelizmente, podemos dizer, que Meu carro estragou no caminho e Eu estava atrasada. Cerca de uma hora se passou, não havia nenhum carro vindo naquela estrada, não havia nenhuma forma de ir e estávamos isolados na estrada. Agora, surpreendentemente, quando Eu cheguei no lugar… onde nós íamos ter o programa, os Sahaja Yogis assumiram o controle, eles assumiram a responsabilidade, e eles estavam muito ocupados dando a Realização aos outros… e trabalhando. Do contrário, eles não estariam. Eles não conseguiam acreditar que eles têm o poder de dar a Realização. Eu poderia falar com eles, mas eles não levantariam suas mãos. E só porque estava na hora e eles pensaram: “Muitas pessoas estão aqui, a Mãe não está vindo…” “ou Ela pode estar chegando, então é nossa responsabilidade.” Dessa maneira, eles assumiram a responsabilidade. Então quando você está além do tempo, você se torna responsável por esse momento. 

É uma tamanha responsabilidade que é também coletiva, significa que todos vocês simplesmente se tornam responsáveis. É muito surpreendente, nós somos muitos aqui, não há nenhuma discussão, nenhuma briga, nada. Nós estamos muito tranquilamente sentados, apenas além… de todos os tipos de ideias estúpidas de atacar uns aos outros. Isso acontece porque vocês não estão envolvidos com o tempo. O tempo não pode curvá-los. Talvez se não fosse vocês, fosse algumas outras pessoas, elas teriam jogado pedras em Meu carro, pensando: “Então Ela chega tão atrasada, nós estamos aqui fervendo no calor.” Elas teriam ficado ressentidas. Mas não as pessoas que estão além do tempo. Elas ficam tranquilamente sentadas, deleitando-se. “Não importa, o tempo passa”. Então você se torna dharmatit, você se torna além do dharma, além de sua natureza humana. 

Isso significa que seja o que for que você faça é religioso, seja qual for a sua empreitada, é religiosa. Se, digamos, você está em um negócio, você gostaria de fazer o negócio de uma forma religiosa, porque você está além da religião, você não está preocupado em relação a seguir um determinado padrão… ou ritual de nenhuma religião, mas você está além disso. Por exemplo, as pessoas que não estão além da religião, elas devem se levantar cedo de manhã, elas estão limitadas pelos seus rituais… e elas passam pelos rituais, e se um dos rituais não é feito, elas ficam muito infelizes… e ficam agitadas. Mas não vocês. Para vocês, vocês estão sempre em dhyan, sempre em estado meditativo, e se qualquer coisa der errado, vocês simplesmente saltam para dentro dessa consciência… onde vocês obtêm a solução e não ficam perturbados, não perturbados de forma alguma quando as coisas dão errado. Por exemplo, a natureza ritualista torna você muito constrito, muito dócil, às vezes pode ficar agressivo também. As pessoas com seu ritualismo incomodam muito os outros. Como por exemplo, uma senhora que presumia-se ser nossa amiga… veio em Minha casa. Então ela disse: “Eu sou vegetariana.” Eu disse: “E então?” “Mas eu não posso comer a comida…” “que não é vegetariana, a comida que foi cozida.” Eu disse: “Tudo bem, então teremos de adquirir novos utensílios.” Então Eu fui e comprei novos utensílios para ela. 

Então ela disse: “Você tem de ter cuidado,” “mesmo a colher não deveria ser usada.” Então Eu tive de ir e arranjar para ela uma colher. Então ela disse: “Copos,” “porque as pessoas que estão comendo aqui…” “estão comendo comida não vegetariana,” “então é melhor Você conseguir para nós algo que seja totalmente novo.” Eu tive de suportar todos esses problemas. E então ela estava na cozinha e ela não permitiu… nosso cozinheiro cozinhar nada para nós, ela disse: “Primeiro eu cozinharei e depois você pode cozinhar.” E ela criou um tamanho incômodo… que ao invés de ser uma convidada, ela se tornou uma peste, e isso é o que acontece com pessoas que são ritualistas, porque elas são muito exigentes, elas ficam demandando: “Este é nosso dharma.” Eu conheço uma outra história… que Me contaram sobre alguém em Mumbai. Ela disse: “Essa senhora que veio a mim como uma convidada,” “porque ela era relacionada a algo muito elevado,” “ela era pior do que minha tatataravó.” “Eu disse: Verdade?” “Ela disse: ‘Eu não consigo entender que na Índia…’” “’nós ainda temos pessoas assim vivendo.’ Ela veio aqui e disse:” “’Eu não posso tomar água da torneira.’” “’Você tem de obtê-la de algum tipo de poço.’” “Agora, só há dois poços em Mumbai,” “então as pessoas tiveram de ir e buscar água,” “mas a comida tinha de ser completamente encharcada na água…” “e somente então o cozinheiro poderia cozinhar.” “’Porque se ele cozinhar sem isso, então eu não comerei.’” “E ela continou sem parar,” “e o cozinheiro pegou pneumonia, um outro veio…” “e pegou um resfriado. Essa senhora não se importou,” “ela disse: ‘Não, esse é meu estilo.’” Então ela Me perguntou: “O que devemos fazer com pessoas assim, Mãe?” Eu disse: “Você deveria ter-lhe falado: ‘Nós temos isto,’” “’se você gostar, ótimo; do contrário não coma,’” “’tudo bem, jejuar é uma coisa muito boa.’” “Essa é a única solução para essas pessoas…” “que são tão egocêntricas e perturbam tanto os outros.” Assim, esse egocentrismo surge em nós porque nós pensamos: “Esse é o nosso dharma, esse é nosso direito,” “tudo nos pertence, como eles ousam não fazer isso?” O quanto perturbamos os outros, o quanto os tornamos inconvenientes, o quanto tentamos tornar a vida deles infeliz, nós nunca pensamos. Nós ficamos demandando coisas: “Este é meu dharma, o que eu posso fazer? Isto é o que eu tenho de fazer.” Mas isso se torna um tamanho condicionamento da mente… que Eu tenho visto muitos casos na Sahaja Yoga, quem ficou condicionado desse jeito. Havia uma senhora, uma francesa que veio para a Sahaja Yoga, e sua mãe era muito ritualista, antes de mais nada, e ela era tão problemática… que ela precisava ir à igreja todo domingo. Ela se vestia bem, ia para a igreja e voltava para casa. 

E um dia ela simplesmente desapareceu. Então eles falaram para a polícia encontrar essa senhora, e quando a polícia foi procurar essa senhora, eles disseram: “Não conseguimos encontrá-la, só Deus sabe onde ela desapareceu.” Então ela disse: “Tudo bem, vão e procurem na igreja.” Ela ainda estava sentada na igreja. Na próxima vez, ela desapareceu novamente. Isso aconteceu três, quatro vezes. Então a polícia disse: “Sinto muito,” “nós encerramos com ela. Agora, se você quiser, você pode colocá-la…” “no asilo de idosos, e isso é tudo.” Então eles a enviaram para um asilo de idosos. Então essa Sahaja Yogini Me disse: “Mãe, é muito surpreendente,” “eles também são pessoas muito estúpidas, eles ficam sentados,” “emburrados, falando insensatez como loucos,” “todos eles se tornaram senis…” “e a senilidade deles pode ser vista muito bem.” “Mas o que acontece é que no domingo,” “todos eles se vestem bem e vão para a igreja.” “Esse é o único ponto onde eles são sãos.” É impressionante como o condicionamento atua. Houve uma pessoa que Eu recebi que veio e ficou conosco, e ele disse: “Eu sou um motorista muito bom.” Então Eu disse: “Tudo bem.” Mas ele só sabia dirigir, ele não conhecia Londres, que tipo de lugar é Londres. Agora, ele sabia dirigir muito bem, mas se Eu tivesse de ir para o norte, ele Me levaria para o sul. Se Eu tivesse de para o leste, ele Me levaria para o oeste. 

Eu disse: “Qual é o problema? Você sabe dirigir?” “Sim, eu sei dirigir, isso eu sei, mas eu não sei nada…” “sobre estradas, não tenho nenhum senso de trajeto.” Um dia a polícia o pegou, Eu também estava no carro. O policial disse: “Aonde você está indo?” Ele disse: “Eu estou indo a tal lugar.” Então o policial disse: “Você esteve neste lugar seis vezes.” “Novamente você está voltando ao mesmo lugar seis vezes.” Assim, na velhice, Eu percebi que essas coisas formam… um tipo de hábito, mas na juventude também você pode perceber que as pessoas… ficam tão condicionadas pelo estilo delas. Assim, isso é o que vocês podem chamar de elemento humano… onde você fica apegado ou fica preocupado com alguma coisa. Agora, isso é um tipo de, Eu devo dizer, loucura de maneira que alguém demanda isso, alguém demana aquilo: “Eu não gosto disso, não gosto daquilo.” Isso continua sem parar. É tão comum dizer “eu não gosto”, “eu gosto”. É muito surprendente que eles continuem falando desse jeito. Eles vão à casa de alguém: “Não, não, eu não gosto deste tapete.” Não é seu tapete, você não o comprou. Aquela pessoa comprou o tapete. O que você tem a ver com isso? 

Por que você deveria dizer “eu não gosto”? Quem é você? Você não pagou. Aquele que pagou gosta dele, acabou-se. Por que você quer fazer seus comentários, “eu não gosto disso”? Você é um especialista para criticar os outros? Alguém está usando, supondo, o penteado de uma forma, mas “eu não gosto desse tipo de penteado.” “Por quê?” “Eu não gosto, só isso.” Então isso vai desse ponto para os seres humanos e para todo mundo. Quem é você para gostar ou desgostar? Qual é a sua posição? Por que você deveria dizer “eu gosto” ou “eu não gosto”? 

Mas é muito comum, especialmente no ocidente, fazer tais comentários. “Eu não gosto disso”. “Eu não gosto da Índia”. “Tudo bem, se você não gosta, fique em casa. Por que você veio para cá?” “Eu não gosto da Turquia.” “Por quê?” Porque supondo se alguém estiver usando uma saia longa, eles dirão: “Não, eu não gosto disso porque é turco.” Então você deveria só vestir saias curtas. Mas nós não gostamos de saias curtas, supondo, mas não devemos dizer: “Eu não gosto disso”, porque isso magoa as pessoas, isso leva embora o orgulho da pessoa. Agora, quando você está na Sahaja Yoga, você deve saber que… você não é um ser humano comum, de acordo com os padrões normais, você está acima deles. Seus gostos e desgostos são diferentes dos deles, e toda a sua atitude mudou. Vocês são, às vezes, vocês são exatamente como crianças, Eu tenho visto. Vocês falam como criancinhas, muito inocentemente, e às vezes vocês falam coisas muito profundas. 

Agora, isso é desconhecido para as pessoas que supõem-se serem normais, porque as pessoas normais, vocês sabem, elas são tão presunçosas, o tempo todo elas ficam falando “eu, eu, eu”. Kabira disse que quando uma cabra está viva, ela fica falando: “Mé, mé, mé”, significa “eu, eu, eu”. Mas quando ela morre e seus intestinos são estirados… em um tipo de fio para – nós chamamos de dhunak, significa “com o qual eles separam as sementes do algodão”, nesse momento, o que ela diz é “tu hi, tu hi, tu hi”, “você é, você é, você é.” “Você é tudo”. Quando você diz isso, imediatamente sua atenção vai embora dos outros, de achar defeitos neles, de notar o que está errado neles, usando seus cérebros o tempo todo para criticar os outros, para zombar dos outros, às vezes até mesmo, para falar mal dos outros. As pessoas gostam de fofocas, por quê? Elas gostam de fofoca porque elas não sabem: “A outra pessoa é igual a mim mesma,” “e eu não tenho nenhum direito de fofocar sobre essa pessoa.” Assim, essa compreensão, Eu deveria dizer, essa sabedoria amorosa… não existe quando você é um ser humano comum. Com a menor provocação, você pode ficar zangado, começa a fazer todos os tipos de coisas exatamente como… um touro em uma loja de porcelana, você pode se comportar de qualquer forma. De repente, você os descobrirá simplesmente crescendo nisso. A razão disso é que você ainda não é um Sahaja Yogi. Mas o Sahaja Yogi é uma pessoa que desfruta todos os tipos de coisas. 

Digamos que alguém fique muito zangado e irascível. Ele também vê o que está acontecendo, como ele está se comportando. Assim, na verdade, isso não é um dharma, que você fique zangado com alguém, não é. É algo muito baixo ficar zangado com os outros, ficar o tempo todo gritando com os outros, ficar exigindo coisas dos outros ou criticar os outros, achando que você é alguém importante. E isso não vale à pena. Quando você chegar no fim da vida, você descobrirá… que você não teve um único amigo, um único vizinho. Uma outra coisa é que quando você é muito egoísta, você acha que não há limites para você mesmo e fica falando, tagarelando, falando, tagarelando, e a outra pessoa simplesmente fica extremamente entediada, mas você ainda assim continua falando, falando, falando de si mesmo: “Eu fiz isso, eu fiz isso, eu fui lá, eu, eu, eu.” Isso vai a qualquer limite, e você não fica envergonhado com o que você está falando. Eu tenho visto pessoas que adotaram todos os tipos… de atitudes estranhas em relação aos outros, quando eles são apenas seres humanos comuns. Se alguém diz algo errado sobre alguém, alguém diz: “Essa pessoa é assim, eu sei,” “ela fez dessa maneira.” Imediatamente isso entra na mente deles: “Sim, é assim.” Agora, isso torna sua mente uma mente doente, nós podemos chamar de “vikrudh”, onde a mente não é normal. Você fica doente e aceita toda essa doença… e continua aceitando isso, aceitando isso… até que você se torne uma pessoa doente, e essa doença é extremamente perigosa. Não tanto para os outros como para você mesmo, porque ninguém pode suportar uma personalidade tão doente. 

Agora, você pode dizer – Eu tenho visto pessoas… que adotaram a religião. Por exemplo, agora Eu sou uma pessoa religiosa, supondo. Agora, é melhor você ser religioso, e daí? Você não pode fazer isso, não pode fazer aquilo, não pode sentar aqui, não pode comer isto, isto é importante, o tempo todo disciplinando os outros ao invés de se disciplinar. Porque quando você é uma pessoa comum, você não se observa, você apenas observa os outros, mas uma vez que você seja uma alma realizada, você começa a se observar e ver por você mesmo… o que está errado. Agora, depois de se tornar o Espírito, na luz do Espírito, você se observa. Você simplesmente se observa. O que acontece, como você se comporta… e como você se alegra quando você sabe como se corrigir. É muito doce. Pequeninas coisas, você faz de uma maneira tão bela, e você dirá essas coisas belas. 

É claro, há pessoas que não podem ser corrigidas, elas são incorrigíveis. Então você também simplesmente vê… que é incorrigível, você não pode ajudar. Por exemplo, na Sahaja Yoga, nós temos algumas pessoas… que estão o tempo todo tentando ajudar os tipos errados de pessoas, por exemplo, elas têm uma pessoa com mandato na Sahaja Yoga. Então se alguém tenta ser esquisito, nós esperamos uma chamada telefônica da pessoa com esse mandato. Depois de duas horas, ele diz: “Agora, por favor diga a Mãe que tal pessoa…” “deve ser cuidada, isto tem de ser feito, aquilo tem de ser feito.” É sem dúvida uma coisa habitual neles Me informar: “Não, a Senhora deve ajudar, a Senhora deve fazer algo.” Mas agora isso se tornou uma prática tão comum, e nós sabemos que ele simplesmente virá agora… e nos dará um grande sermão sobre esse assunto. Assim, é a natureza de um ser humano… que passou pelos diferentes tipos de complicações na vida, também nasceu com alguns genes ou algo assim, de modo que ele é uma pessoa muito normal, embora digamos que ele é normal, porque o modo como ele reage, a reação que ele mostra é muito absurda. Não há nenhuma necessidade de alguém Me telefonar, Me dizer: “Este é assim e assado, é melhor a Senhora cuidar dele.” Desnecessariamente interferir no assunto dos outros… quando você não tem nenhuma autoridade, quando você não tem nada a ver com essa pessoa. Todos os tipos de, Eu posso lhes dizer, padrões estão presentes, que foram criados nas mentes dos seres humanos, e todos esses padrões desaparecem, simplesmente desaparecem. Eu não sei como eles adquirem todos esses padrões, de onde… eles obtêm isso, talvez de seus países, talvez de suas famílias, talvez de seus genes, seja o que for que você possa dizer, tudo isso desaparece, até mesmo seus genes mudam. Isso é o que é a Sahaja Yoga, onde você se torna o Espírito, tudo muda. 

E o que lhe acontece… é que você se torna uma pessoa que sabe o que é a alegria, que desfruta a alegria, que desfruta a existência, que dá alegria aos outros, torna os outros felizes, o tempo todo pensa em como tornar os outros felizes. Isso simplesmente acontece, embora você tenha sido criado da mesma maneira que os outros, embora você tenha sido educado da mesma maneira, talvez, mas tudo isso desaparece… e você se torna uma pessoa sábia, bela, alegre. É algo que você alcançou, do qual talvez você não esteja consciente, o modo como você fica desfrutando nesse “campo de escoteiros”. Nenhum outro grupo pôde desfrutar como vocês têm desfrutado. Eu posso ver o que vocês estão fazendo aqui e como estão desfrutando, o modo como estão desfrutando a companhia dos outros é notável, e isso surgiu porque seu coração… está cheio da alegria do Espírito que brilha dentro de você. Você pode se examinar e ver por você mesmo… que seja o que for que Eu esteja dizendo está presente ou não. É claro, há algumas pessoas que acham que não há limites para elas próprias, elas ficam em um hotel ou pousada ou algo assim. Elas não estão desfrutando. Elas ainda acham que elas são importantes, então elas devem ficar em algum lugar assim. É muito surpreendente, Eu tenho visto especialmente os indianos, quando eles vêm para Cabella, todos eles querem ficar em um hotel. 

Em suas vidas, eles talvez tenham um banheiro em suas casas, mas quando eles vêm para Cabella, eles querem ficar em um hotel… com suíte, com isso, com aquilo, jovens, é muito surpreendente. Isso acontece porque Eu acho que eles nunca viram um hotel bom, ou talvez eles tenham vivido em condições muito ruins. Mas uma pessoa que é um Sahaja Yogi pode viver em qualquer lugar, pode dormir em qualquer lugar. A única coisa é que seu Espírito está presente para torná-lo feliz, nada mais. Ele é Aquele que lhe dá felicidade. Todas essas outras ideias que os seres humanos têm… é que têm criado um problema atrás do outro. Agora, porque você pertence a uma religião diferente, você é mau. Se você quiser saber sobre os cristãos, é melhor você ir e perguntar aos judeus, e se você quiser saber sobre os judeus, é melhor ir… e perguntar aos muçulmanos; e se você quiser saber sobre os muçulmanos, vá e pergunte aos hindus. Você ficará surpreso ao ver como eles falam sobre outros povos, como se todos eles fossem maus e eles são os melhores. Assim, toda essa atitude muda completamente. 

Você esquece isto: quem é o quê; a religião de quem é o quê; de qual tipo de família eles vêm; de qual passado eles estão vindo. Eles simplesmente se tornam unificados uns com os outros. O que eles gostam é da companhia de todos os Sahaja Yogis. Todos os Sahaja Yogis estão presentes, isso é tudo. Muitos Sahaja Yogis estarão presentes e isso é a Meca, isso é a Kumbha Mela, você pode chamar de qualquer coisa, se você quiser. A alegria coletiva que você desfruta veio a você, porque você cruzou, cruzou essa barreira… que o impediu de ver a verdade. A verdade é, como Eu disse ontem, que você é o Espírito, e uma vez que você se torne o Espírito, você se torna… gunatit, kalatit e dharmatit. Uma vez que você cruze esses limites, então você se torna como uma gota no oceano. Se a gota está fora do oceano, ela sempre está com medo do sol, porque ele a secará; ela não sabe o que fazer, para qual caminho escorregar, para qual caminho se mover. Mas uma vez que ela esteja unificada com o oceano, ela apenas se move e desfruta, porque ela não está sozinha, não está sozinha. 

Ela está se movendo com as ondas desse belo oceano de alegria. E isso é o que você alcançou, do qual você está consciente, você sabe, mas você não sabe que você alcançou isso, porque você é o Espírito. Agora, você deve estar alerta em relação a si mesmo, às vezes, e você ficará surpreso ao ver como você está mudado, como você se tornou tão simples e sensato e sábio. Muitos problemas surgem no ocidente porque… eles ainda são estúpidos, Eu acho, pessoas muito estúpidas. Porque mesmo um homem idoso de 80 anos… gostaria de se casar como uma moça, digamos, de 20 anos, e ele não entende por que ele está fazendo isso, porque ele não aceita sua idade, ele não aceita que “eu sou um homem idoso”, “eu deve me comportar como um homem idoso.” Ele quer se casar com uma moça que pode ser sua neta. Isso é mais comum no ocidente. Eles sempre pensam desse jeito. Qualquer jovem que vejam, eles acham que deveriam se casar com essa moça. Eles podem estar simplesmente no caminho para a cova, mas não importa, eles querem ter uma esposa assim. Esse é o problema do ocidente. 

Agora, como isso surge? Porque eles não compreendem que… “nós somos idosos e ser idoso é ter orgulho.” Agora, quando Eu tinha cinco anos, Eu não pude imaginar que tantas pessoas… podiam vir para Me desejar um feliz aniversário. Mesmo quando Eu tinha 50 anos, não havia tantas pessoas. Agora, quando estou com 75, vejam quantas pessoas estão presentes… para Me desejar feliz aniversário. Quando você é idoso, você deveria orgulhar-se de sua idade, se você viveu sabiamente; mas se você tem sido estúpido, então é claro, ninguém pode ajudar. Todo mundo rirá de uma pessoa assim, mas eles farão o mesmo. É um costume no ocidente… ficar tendo uma esposa após a outra, divorciar-se de sua esposa e isso, aquilo. Na Índia é o oposto, Eu devo dizer, eles não têm muito respeito pelas mulheres. Eles deviam ter grande respeito pelas mulheres, eles deviam ter colocado as suas esposas no pedestal de uma sati, e mesmo se as mulheres forem qualquer coisa, eles não respeitam. Agora, de onde isso veio, Eu não sei. 

Alguns deles dizem que foi escrito por algum poeta… que uma mulher deve ser espancada, quem é esse poeta? Ele deveria ser espancado, Eu acho, primeiramente. Ele nasceu de uma mulher e aqui ele escreve desse jeito. Assim, nós gostamos de adotar algo que é errado, que é totalmente absurdo. Isso surge porque você não é sábio. Um indivíduo sábio absorverá tudo que é sabedoria. Ele não aceitará nada que seja insensato. Você fica lendo livros um após o outro, um após o outro. Você lê tantos livros e onde você vai parar com isso? Você descobre que está lendo livros que não são bons para você, inúteis, mas se você gosta muito de ler, você continua lendo. 

Portanto, a falta de sabedoria lhe dá falta de discernimento… e você justifica isso, tudo você justifica e diz: “Agora, isto é muito bom, seja o que for que eu esteja fazendo é o melhor.” Isso não é ego, Eu diria, mas sim compreensão humana estúpida. “Seja o que for que eu esteja fazendo é bom.” “Seja qual for a minha atitude é boa.” “Como alguém ousa me dizer qualquer coisa,” “que isso é errado, aquilo é errado?” Todo mundo rirá dessa pessoa, zombará dessa pessoa. Um indivíduo assim sofrerá muito, de tudo. Mas ele nunca aceitará que “eu fiz algo errado.” Portanto, quando você vai além, você se torna dharmatit, vai além do dharma, então o que acontece… é que o dharma se torna parte integrante de você. Você não faz coisas erradas, você simplesmente não faz. Não é que alguém fica lhe falando ou você quer seguir isso… ou há coação ou você é disciplinado, mas você simplesmente não gosta de fazer coisas erradas, dizer algo que não é respeitoso, que não é util, que não é amoroso. Essa é a qualidade de um Sahaja Yogi, visto que você se torna o Espírito. Tornando-se o Espírito, você não tem de dizer a ninguém, é tão óbvio, tão evidente e a pessoa pode ver isso, e quanto mais você vai fundo dentro de si mesmo, você descobre que você é dotado com tamanha grandeza dentro de você, sentimentos tão belos, coisas tão boas dentro de você… que você vence o ego dos outros. Eu devo lhes contar uma história. Uma vez Eu fui ver um santo. 

Então os Sahaja Yogis disseram: “Mãe, a Senhora nunca vai e vê…” “esses gurus e isso e aquilo, então por que A Senhora vai?” Eu disse: “Venham Comigo.” Então nós tivemos de subir muito. Eu disse: “Daqui vocês percebem as vibrações dele.” “Primeira percebam as vibrações dele.” Então muitas vibrações estavam vindo. Então nós subimos a colina, a escalamos. E presumia-se que esse senhor tivesse poderes, de modo que ele podia controlar a chuva, e começou a chover, e chover pesadamente, e Eu fiquei completamente encharcada naquela chuva. Quando Eu subi, Eu o vi sentado em uma pedra, apenas balançando sua cabeça com raiva ou Eu não sei o quê. Então Eu entrei em sua caverna e Me sentei. Então ele voltou, ele voltou e Me disse: “Mãe, por que a Senhora não me permitiu parar a chuva?” “É para derrotar meu ego?” Eu disse: “Não, não é isso, Eu não quis,” “Eu não percebi seu ego em nenhum lugar, mas o problema é outro.” “Você é um sanyasi, você é aquele que é um asceta,” “você comprou um sari para Mim. Agora, se você comprou um sari para Mim,” “Eu não posso aceitá-lo de você porque você é um sanyasi.” “Então Eu tive de ficar encharcada, de modo que…” “Eu terei de tomar emprestado um sari de você.” E a coisa toda se derreteu. Ele se tornou uma pessoa muito diferente. Assim, com sabedoria, você sabe como lidar com diferentes tipos de pessoas. 

Você diz coisas através das quais você dissolve o ego delas. Os condicionamentos delas também são trazidos… para dentro de um tipo de novo despertar. Elas veem em você essa sabedoria, esse amor, essa expressão, Eu devo dizer, de seu Espírito. E é desse modo que muitos santos, embora eles fossem torturados… e perturbados por muitos, eles eram certamente… muito mais respeitados e amados. Mas esses santos naquela época, Eu devo dizer, eram certamente pessoas muito agradáveis e boas, mas havia uma coisa: eles eram muito rígidos… e disciplinadores com seus discípulos. A razão era que eles não eram almas realizadas, os discípulos deles, e esses gurus achavam… que a menos e até que você discipline essas pessoas, elas nunca se elevarão, elas nunca se tornaram grandiosas, então elas têm de ser disciplinadas. E os que eram buscadores da verdade aceitavam isso. “Tudo bem, seja o que for que você diga, nós faremos.” “Mesmo que você nos peça para jejuar, nós o faremos.” Eles ficarão de cabeça para baixo: “Tudo bem, ficamos de cabeça para baixo.” “Faremos o que você diz e teremos vontade de fazê-lo.” “Você não tem de se preocupar com esse ponto.” E é desse modo que eles eram do tipo muito disciplinador. Mas na Sahaja Yoga, nenhuma disciplina é ensinada. A razão é que vocês são almas realizadas, seu Espírito está presente e o Espírito lhes dá a luz. 

Nessa luz, você vê a si mesmo tão claramente, e você pode se disciplinar. Eu não tenho de lhe falar. Vocês sabem que muitas pessoas… abandonaram as drogas da noite para o dia, mas Eu nunca lhes falei, nunca lhes falei nem mesmo sobre as drogas… ou qualquer coisa assim, e como elas fizeram isso? Porque elas tiveram a luz, e isto é o que vocês têm hoje: a luz do Espírito. Você se torna totalmente independente e totalmente livre, a liberdade completa, porque você tem a luz. Você não consegue fazer, você não consegue fazer coisas erradas. Vamos supor agora que haja luz… e haja algum tipo de grande explosão acontecendo. Eu não correrei em direção à explosão, não. Você também não correrá, porque você tem os olhos. Assim, o Espírito e Sua luz é o maior fator orientador… através do qual você se torna, como Eu disse, gunatit, você se torna kalatit e você se torna dharmatit. 

Você não é escravo de nada. Você não é escravo de seu relógio, você não é escravo do tempo, você não é escravo… no que se refere ao que suas gunas são. Você não quer ver se você é canal direito, canal esquerdo ou centrado. Você é um Sahaja Yogi e um Sahaja Yogi… está além de todas essas coisas, então você é gunatit. Você é dharmatit porque o dharma se torna parte integrante de você. Você não tem de seguir nenhuma disciplina do dharma. Eu tenho visto na Sahaja Yoga, em alguns ashrams, eles são muito rígidos. Isso não deveria ser assim. Eu lhes falei para nunca serem rígidos. Se alguém não se levanta, digamos, às 4hs, não importa. 

Deixe-o levantar-se às 10hs. Depois de algum tempo, ele próprio se levantará às 4hs, mas não tente discipliná-los muito. As crianças também, vocês não devem disciplinar muito. É claro, se elas são almas realizadas, elas próprias são tão boas, elas são tão belas. Mas se elas não são realizadas, tentem lhes dar a Realização. Uma vez que você compreenda que aqueles que não são realizados… estão cometendo todos esses erros, que eles estão na escuridão, sua atitude em relação a eles mudará. Você apenas tentará ser extremamente paciente e gentil… e afetuoso e amoroso, porque você saberá que essa pessoa não é realizada. Ele não tem os olhos dele, ele não consegue ver, ele é cego, ele não consegue escutar, ele não consegue sentir a realidade. Então primeiro permita-o sentir a realidade. De que adianta lhe dar um sermão e disciplina? 

Ele ainda continuará cometendo erros e perturbando a si mesmo… ou perturbando os outros. Então, isto é o que você alcançou através de sua iluminação: você está além de todas essas coisas. E você se tornou uma pessoa de um temperamento… que é tão amoroso e doador de alegria. Há tantos exemplos que Eu posso dar na Sahaja Yoga… que aconteceu, em que Eu vi a beleza… do amor deles e a afeição, não somente em relação a Mim, mas em relação aos outros também. Se fosse somente em relação a Mim, Eu consigo explicar, mas não consigo explicar o modo como eles são gentis com as pessoas, como Eu lhes contei ontem que aquelas pessoas foram a Israel, agora elas foram ao Egito, foram à Rússia. Quem lhes falou? Eu nunca pedi a ninguém para ir a qualquer lugar. Por conta própria, eles sentiram que tinham de ir e fazer esse trabalho, e que eles tinham de ajudar as pessoas a se livrarem de sua ignorância. Assim hoje, neste dia… quando vocês estão celebrando Meu 75o aniversário, e há tantos balões. Eles são notavelmente muito pintorescos… e têm cores de diferentes tipos, expressando o amor de vocês por Mim. 

Em tudo Eu vejo o amor de vocês. Tudo que vocês fizeram aqui, todas as suas decorações, tudo, Eu sinto que Meus filhos são tão amorosos. Eu não fiz nada para vocês, Eu não sei o que os faz… sentirem tamanha gratidão. Eu ainda quero saber o que Eu fiz. Eu não fiz nada. Mas a forma como vocês querem expressar o seu amor… é muito surpreendente, exceto por, Eu diria, vocês obtiveram a luz de seu Espírito. Nessa luz, pode ser que vocês vejam algo diferente em Mim, mas o modo como vocês estão demonstrando sua gratidão… está realmente além de Mim. Como outro dia, um dos oradores disse: “Vocês não agradecem sua Mãe, aceitam-Na naturalmente.” É um fato, não há nenhuma necessidade de Me agradecer, vocês têm de Me aceitar naturalmente. Mas o modo como vocês querem… Me agradecer, exatamente como uma criancinha gostaria de agradecer, vocês se tornam como as crianças. Vocês são tão entusiasmados com isso, e vocês não entendem que normalmente não é feito… desse jeito em nenhum lugar, ninguém tenta… ser exatamente como crianças expressando seu belo amor. 

É uma coisa muito nova que podemos ver. Tamanha paz, tamanho amor, tamanha alegria por toda parte… em um lugar longínquo assim, como vocês puderam fazer isso? Como puderam organizar isso? Não é fácil entender, não é para os seres humanos verem isso. Eles simplesmente não entendem: “Como essas pessoas são assim?” “E por que elas estão vivendo assim tão alegremente?” Vocês têm conforto em casa, vocês estão vivendo tão bem em suas casas, tudo está lá, mas aqui, neste campo de escoteiros, ele não é um lugar tão confortável para viver. Mas vocês podem viver em qualquer lugar, Eu sei, Eu tenho visto isso. Seja onde for que estiverem, contanto que haja Sahaja Yogis em volta, vocês não se importam com nada. E essa alegria coletiva mútua, sem nenhuma expectativa, sem nenhuma crítica, sem nenhuma fofoca ou qualquer insensatez assim, é tão bela. E mesmo quando caçoam uns dos outros, Eu desfruto suas brincadeiras e entendo que é uma grande amizade, uma amizade tão bela. Quer vocês sejam da Índia ou da Inglaterra ou da América… ou de qualquer outro lugar, você percebe que há tamanha união de compreensão, união de movimento, como uma onda se eleva e uma outra onda se eleva… e uma outra onda se eleva, é contínuo, eterno, e isso é o que temos de alcançar para os outros também. 

Para isso também, vocês devem se lembrar que vocês têm a luz, os outros não têm. Então vocês têm de ter muita consideração, tolerância e compreensão em relação aos problemas deles, e apenas ouvi-los. Qual é o problema deles? Primeiro eles lhes falarão: “Meu negócio está afundando”, ou talvez eles digam: “Minha esposa não é boa”, ou “meu filho não tem emprego, ele não está trabalhando.” Todos os tipos de coisas, eles podem lhes dizer. Ouçam, ouçam-nos, para eles, isso é importante, tudo bem. Depois disso, você descobrirá gradualmente… que eles se acalmarão porque você está emitindo amor, você está emitindo alegria, você está emitindo… confiança através de seu despertar espiritual. Você tem esses poderes. Apenas coloque-se em qualquer lugar… e você pode criar paz nesse lugar, você pode criar alegria nesse lugar. Então seja confiante, não perca sua confiança. Também sua sabedoria para compreender os outros… será muito mais convincente para as outras pessoas… compreenderem que “eles são algo excepcional.” “Eles não ficam zangados, não ficam com raiva,” “eles não são loucos, eles não estão atrás…” “de algum tipo de loucura, apenas pessoas muito, muito equilibradas.” E isso você não tem de praticar, está presente, está dentro de você e você deve orgulhar-se disso. 

Você não deve pensar que isso é algo que você tem de alcançar… ou se tornar. Você o tem, dentro de você mesmo, você o tem. A única coisa é que você tem de ver a si mesmo na luz do Espírito. É apenas uma coisa muito simples e que dá certo. Não é fácil para os outros compreenderem vocês, mas deveria ser muito fácil compreendê-los, porque vocês eram assim antes, e agora eles estão vendo vocês e se tornarão como vocês. É muito simples, vocês podem ver isto: Eu comecei a Sahaja Yoga com uma única senhora. E agora, hoje, vejam quantos estão presentes. Agora, o que Eu fiz, Eu realmente não sei, o que Eu fiz, Eu não tenho nenhuma ideia. E o que você pensam, tamanha gratidão e alegria e felicidade. Assim, todas essas coisas, seja o que for que Eu lhes falei, vocês devem estar conscientes de seu ser, de seu próprio Si, de seu Espírito, que você é o Espírito. 

E como você é o Espírito, você está além de todas essas coisas. E uma vez que isso aconteça, você ficará surpreso… ao ver que personalidade você é. [Hindi]